MENU

No interior de São Paulo, médico diagnostica 'falta de ocupação', denuncia paciente

Mulher se queixava de dores de cabeça e problemas com pressão arterial. Ela disse que entrará com uma ação judicial contra o médico pela atitude.

fonte: Globo.com

Atualizado: Quarta-feira, 15 Outubro de 2014 as 2:29

Uma paciente registrou um boletim de ocorrência por humilhação contra um médico plantonista do Centro Integrado de Saúde do bairro Nova Veneza, em Sumaré (SP) na noite desta terça-feira (14). Thaynara de Oliveira Cruz, de 19 anos, se queixava de dores na cabeça e variações na pressão arterial, mas o médico teria afirmado no prontuário que o problema da paciente era "falta de ocupação".

Na consulta, Thaynara se surpreendeu com o atendimento do clínico geral, que não a examinou. "'Você não conhece paracetamol? Dipirona? É isso que tem que tomar. Mais nada' e eu falei 'já faz alguns dias, nada mais vai resolver?' e ele falou que não", conta. A jovem diz ter se sentido ofendida e humilhada quando o médico perguntou sobre a ocupação dela. "Perguntou se eu trabalhava, eu disse que cuidava do meu filho e ele disse que era falta de ocupação o que eu tinha", afirma. Diante disso, o profissional teria escrito o diagnóstico na ficha médica e receitado um dos medicamentos.

"Estudou pra quê? Para humilhar as pessoas depois? Não quer trabalhar fica em casa", desabafou a paciente.

Após o atendimento, a jovem saiu chorando e foi com o marido até o 1º DP da cidade registrar um boletim de ocorrência contra o profissional da saúde, onde apontou que houve ofensa e humilhação por parte do médico. Thaynara disse, ainda, que moverá uma ação por danos morais contra o médico que a destratou. Para a EPTV, afiliada da TV Globo, o profissional disse que não iria falar sobre o que aconteceu.

Além do caso dela, a jovem afirmou que outra paciente pode ter sido constrangida pelo mesmo médico na unidade. "A senhora estava com dor na bexiga, teve que abaixar a roupa com a porta aberta e ela também se sentiu ofendida por ele ter tratado ela com falta de educação", afirmou.

Até a publicação desta reportagem a Prefeitura de Sumaré não tinha se manifestado sobre o caso.

veja também