MENU

No Paraná, morre jovem que matou ex-namorada

Morte cerebral chegou a ser confirmada pelo Hospital São José. Caso aconteceu na Região de Curitiba; ex-namorada morreu na hora.

fonte: Globo.com

Atualizado: Quarta-feira, 1 Outubro de 2014 as 1:33

O rapaz de 18 anos, que matou a ex-namorada em um shopping na Região de Curitiba morreu nesta terça-feira (30), após duas paradas cardíacas, conforme informou o Hospital São José, onde ele estava internado desde quinta-feira (25). André Gricoli foi levado ao pronto-socorro do hospital depois de atirar na ex-namorada e na própria cabeça. Desde então, ele estava internando na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) sob os cuidados da equipe intensivista e de neurocirurgiões. A menina morreu na hora.

O casal namorava há aproximadamente um ano tinha acabado de romper o relacionamento, de acordo com o delegado que cuida do caso, Gil Tesseroli. "Eles marcaram de se encontrar no shopping para devolver alguns pertences, mas o rapaz estava inconformado", afirmou à época o delegado ao G1. Conforme Tesseroli, a escolha por um local público partiu da menina, justamente para evitar riscos.

A Prefeitura de São José dos Pinhais, responsável pelo hospital, informou que, com a autorização da família, foi possível a doação das córneas de André Gricoli.

Morte cerebral
Na sexta-feira, o hospital chegou a confirmar a morte cerebral de André Gricoli em dois boletins médicos. Entretanto, após a realização de outros exames, foi constado que ainda havia circulação sanguínea no cérebro do paciente, de acordo com o hospital. "O primeiro desses foi realizado às 9h de sexta-feira (26) e repetido às 15h com resultado positivo – comprovando morte cerebral. O segundo, realizado por volta das 18h, também deu positivo. Porém, o terceiro e conclusivo, realizado por volta das 19h de sexta-feira (26), deu negativo. Ou seja, não comprovou morte cerebral.

Com isso, e outro exame foi realizado na manhã do (27) e também não constatou morte cerebral", diz um trecho da nota enviada pela Prefeitura de São José dos Pinhais, responsável pelo hospital, sobre o histórico do atendimento.

Ate as 17h30 desta terça-feira, o corpo do rapaz não tinha sido liberado do Instituto Médico-Legal (IML), segundo o serviço funerário municipal.

veja também