MENU

No Paraná, polícia negocia para acabar com rebelião com reféns

Dois agentes penitenciários são mantidos reféns desde domingo (19). Vinte presidiários exigem transferências para outras unidades do estado.

fonte: Globo.com

Atualizado: Segunda-feira, 20 Outubro de 2014 as 8:13

A polícia retomou as negociações na tentativa de acabar com a rebelião na Penitenciária Estadual de Maringá (PEM), no norte do Paraná, às 7h desta segunda-feira (20). Desde as 17h30 de domingo (19), dois agentes penitenciários são mantidos reféns por dezenas de detentos. Conforme a Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (Seju), os detentos exigem transferência de 20 prisioneiros: 8 para a Região Metropolitana de Curitiba, 8 para Londrina e mais 4 para Foz do Iguaçu.

A Polícia Militar (PM) e o Departamento de Execução Penal do Estado do Paraná (Depen) atuam nas negociações, que foram suspensas no final da noite de domingo. Não há informações sobre feridos.

Ainda de acordo com a Seju, a confusão começou com um motim de sete presos, mas se estendeu ao longo das horas e outras galerias do presídio foram abertas. Até as 7h desta segunda, o número de presos rebelados era 57.

Rebeliões constantes
O ano de 2014 tem sido marcado por diversas rebeliões no Paraná. Desde o início do ano,  presos se rebelaram 22 vezes em várias cadeias e penitenciárias do estado. O período mais violento foi entre agosto e setembro. Em menos de um mês, cinco motins foram registrados.

No fim de agosto, detentos da Penitenciária Estadual de Cascavel, no oeste do estado, fizeram um motim que durou 45 horas e deixou cinco pessoas mortas e muita destruição na unidade. O espaço não estava superlotado antes da rebelião, mas foi preciso transferir mais de 800 presos, devido à destruição das celas e corredores.

A última rebelião que ocorreu no estado foi no dia 13 de outubro na Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG), na região central, e durou 48 horas. Treze agentes penitenciários e diversos detentos foram feitos reféns. Ao todo, oito pessoas ficaram feridas, sendo cinco presos e três agentes penitenciários.

veja também