MENU

No Rio de Janeiro, filha de empresário é presa por furto e injúria

Filha de fundador da rede de churrascarias Porcão é presa por furtar brinco e injúria racial

fonte: O GLOBO

Atualizado: Sexta-feira, 5 Setembro de 2014 as 12:01

Amanda Mocellin, filha de Neodi Mocellin, um dos fundadores da rede de churrascarias Porcão, foi presa em flagrante na tarde desta quinta-feira acusada de furto e injúria racial. A mulher, de 36 anos, teria sido flagrada por funcionárias de uma joalheria no Barra Shopping, na Zona Oeste do Rio, escondendo na bolsa um brinco no valor de R$ 386. O caso foi registrado na 16ª DP (Barra da Tijuca).

Uma funcionária, que pediu para não ser identificada, contou ter visto Amanda recolher a bijuteria, considerada uma semijoia. A funcionária esperou pela chegada da gerente do estabelecimento para tentar encontrá-la fora da loja. As duas, então, localizaram a mulher em um dos banheiros do shopping. Ao fazerem a acusação, afirmam ter ouvido: “Vocês sabem quem é meu pai? Vocês são gentinha”.

— Ela quis jogar o brinco fora, mas entramos no sanitário e o encontramos. Pensamos em resolver de outro jeito, mas ela começou a xingar e humilhar, aí não deu. Chegou até a falar que eu “era só uma negrinha” — diz a funcionária.

Em seguida, o grupo seguiu para a sala da segurança, onde Amanda caiu em lágrimas. A gerente relata que ela parecia embriagada, e que quatro latinhas vazias de cerveja foram encontradas em sua bolsa. Um PM conduziu o carro de Amanda — uma Pajero ano 2004, com licenciamento atrasado e o para-brisa trincado — do shopping à delegacia. De acordo com um outro policial, “ela estava nervosa e sem condições de dirigir”.
No início da noite desta quinta, a mãe e um dos tios da acusada foram ouvidos e alegaram desconhecer o ocorrido. Mais tarde, a família não retornou ou atendeu às ligações do EXTRA para se posicionar. Tampouco advogados foram localizados.

Atualmente, após disputas judiciais envolvendo a Rede Porcão, duas churrascarias carregam o sobrenome Mocellin: uma na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio, e outra em Niterói, na Região Metropolitana do estado. Amanda já respondeu a uma série de processos arquivados no Juizado Especial Criminal (Jecrim) — entre eles, por desacato e perturbação da tranquilidade.

 

veja também