MENU

No Rio Grande do Norte, homem apanha após 'mal entendido' na Grande Natal

Segundo a PM, homem estava embriagado e abordou mulher numa parada. Ela reagiu e ele foi espancado por moradores que acreditaram ser assalto.

fonte: Globo.com

Atualizado: Sexta-feira, 3 Outubro de 2014 as 9:28

Após tentar puxar conversa com uma mulher numa parada de ônibus na manhã desta sexta-feira (3) em Nova Parnamirim, na Grande Natal, um homem embriagado foi confundido com um assaltante. Rendido por moradores da região, ele foi amarrado e levou uma surra até a chegada da polícia. "Ela se agarrou com ele. Os dois caíram no chão e a população correu para socorrê-la", disse uma testemunha que pediu para não ser identificada.

Segundo o tenente Faustino Júnior, oficial de operações do 3º Batalhão da PM, o homem estava bêbado e encostou na parada de ônibus para conversar com a vítima. "Foi tudo um mal entendido, um engano. Confundiram ele com um ladrão", afirmou.

Abalada, a mulher não quis falar sobre o ocorrido. No vídeo ao lado, gravado pela reportagem do G1, o suspeito já aparece amarrado em meio ao canteiro central da Avenida Abel Cabral, uma das mais movimentadas da região. O homem tem as mãos e os pés atados com cordas. Um dos moradores joga areia e dá chutes na cabeça dele.

Com a chegada da guarnição, o homem foi desamarrado e levado pelo Samu para ser atendido no Hospital Regional Deoclécio Marques. A moto que estava com ele, que não possui queixa de roubo, foi levada para a Delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal.

Linchamentos no RN
Em infográfico publicado no início de julho deste anos, o G1 fez um levantamento sobre casos em que cidadãos cometeram crimes ao tentar fazer justiça com as próprias mãos. Com cinco casos, o
 
Rio Grande do Norte
aparece como o terceiro estado com mais linchamentos noticiados neste ano, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.
Na ocasião, o promotor de Justiça de investigações criminais, Wendell Beetoven Ribeiro Agra, disse que a situação é preocupante. Ele acredita que a descrença na justiça criminal levou ao ponto atual.
 
"Como as pessoas desacreditam, elas passam a fazer justiça com as próprias mãos, o que é uma forma totalmente ilegítima de aplicação de punição. O cidadão age quando o Estado falha", opina. "Não acredito em soluções miraculosas com criação de divisões especiais para investigar crimes. Falta só o feijão com arroz, as delegacias de bairro investigarem", acrescenta o promotor.

veja também