MENU

O que aconteceu em SP foi quase um furacão', diz Haddad

Número de árvores que caíram após temporal em SP subiu para 360. Rajadas de vento de até 96 km/h causaram apagões em bairros da capital.

fonte: Globo.com

Atualizado: Terça-feira, 30 Dezembro de 2015 as 1:31

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta terça-feira (30), em entrevista ao SPTV, que o temporal ocorrido na madrugada de segunda (29) foi comparável a um furacão. "O que aconteceu em São Paulo a dois dias foi algo muito próximo de um furação", disse Haddad. "Nós nunca tivemos uma situação próxima a um furacão", afirmou.

Ele lembrou que os ventos atingiram quase 100 km/h na cidade e citou que os ventos "chegaram a 120 km/h" no caso do furacão Katrina, que devastou Nova Orleans, nos EUA. Entretanto, de acordo com registros da época, o Katrina chegou à Luisiana com força máxima, na categoria 5, com ventos de até 250 km/h.

Árvore caída Sobre os reparos na cidade, Haddad reforçou que trabalha em conjunto com a Eletropaulo e que tem ações preventivas, como as mais de 100 mil podas e até 15 mil remoções de árvores por ano. "Você não faz uma poda porque alguém acha que a árvore está doente", disse.

"Foram mais de 300 árvores que caíram. Removemos quase a totalidade", afirmou. O prefeito disse que a remoção é um "trabalho delicado" e que metade das árvores derrubadas foram removidas nas primeiras 24 horas. Ele lembrou que os funcionários não podem usar a motosserra sem a presença de equipe da Eletropaulo por causa de risco com a fiação.

Haddad negou haver "jogo de empurra" entre a administração municipal e a empresa de energia. "A maioria dos bairros está sem luz não por queda de árvores. Isso também é errado dizer. Está sem luz porque houve 2 mil raios e uma boa parte dos raios cai sobre transformadores e alimentadores de energia. Então, é natural, depois de um evento desta proporção, as equipes interagirem", disse o prefeito.

Estragos do temporal
O temporal que atingiu a cidade de São Paulo na madrugada de segunda-feira (29) derrubou um total de 360 árvores, segundo balanço atualizado divulgado nesta terça (30) pela Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. O número, de acordo com a pasta, representa um recorde para a capital e é ainda maior que o divulgado na tarde de segunda, quando eram contabilizadas cerca de 280 quedas.

Além de derrubar árvores, a chuva forte e as rajadas de vento de até 96 km/h causaram apagões em semáforos e ao menos sete pontos de alagamento na capital. Avenidas importantes, como a 23 de Maio, tiveram o trânsito prejudicado e bairros nas Zonas Sul e Oeste, como Brooklin e Butantã, ainda permaneciam sem luz no começo da manhã desta terça, mais de 24 horas depois do temporal. Procurada pelo G1, a AES Eletropaulo não informou quais áreas ainda estão sem energia.

No Parque Ibirapuera, a queda de 25 árvores atrasou a abertura na manhã de segunda. O local só foi parcialmente aberta ao público durante a tarde e a liberação total dos acessos ocorreu apenas às 8h desta terça.

veja também