MENU

Testemunhas dizem que que jovem morta após tortura em favela também foi estuprada por traficantes

Testemunhas relatam que jovem morta após tortura em favela também foi estuprada por traficantes

fonte: EXTRA

Atualizado: Quinta-feira, 2 Outubro de 2014 as 12

Duas novas testemunhas que prestaram depoimento nesta quarta-feira na 40ª DP (Honório Gurgel) relataram que Rayssa Christine Machado de Carvalho Sarpi, de 18 anos, também foi abusada sexualmente durante a sessão de tortura filmada por traficantes da favela Faz Quem Quer, em Rocha Miranda. As agressões ocorreram na madrugada do último dia 20.

As mesmas testemunhas contaram que o vídeo de cerca de três minutos que correu as redes sociais não foi o único gravado pelos agressores. Haveria ainda outros dois registros: um mostrando o estupro, que teria sido cometido por vários homens; e um terceiro com trechos mais longos da tortura a que Rayssa foi submetida. As imagens estariam todas armazenadas no celular do traficante que fez as filmagens.

Quatro envolvidos já foram identificados, e devem ter a prisão preventiva pedida pelo Ministério Público ainda esta semana. Todos pertencem à facção criminosa que atua na Faz Quem Quer e serão enquadrados pelo menos nos crimes de associação para o tráfico e tortura seguida de morte, cuja pena pode chegar a 16 anos de reclusão.

Além da hipótese inicial, de que o espancamento tivesse sido motivado pelo relacionamento de Rayssa com um policial militar, outra versão surgiu no decorrer das investigações abertas pela 40ª DP na noite do dia 23, após a repercussão causada pela divulgação do vídeo. Até então, a família não havia procurado uma delegacia para registrar ocorrência.

Segundo testemunhas, a jovem trocou beijos com um gerente do tráfico da Faz Quem Quer durante um baile funk, para onde foi com amigas na noite anterior às agressões. Depois, ao ver o criminoso com outra mulher, a jovem teria tentado cobrar explicações. Ainda de acordo com esses relatos, o traficante não gostou de ser interpelado diante da esposa e arrastou Rayssa pelos cabelos em direção a um local mais afastado, onde a torturou com a ajuda de comparsas. A polícia ainda tenta localizar as colegas que acompanharam a vítima na ida ao baile.

Nesta quarta-feira, um laudo preliminar do Instituto Médico Legal (IML) mostrou que a jovem teria morrido em decorrência de uma pneumonia. Embora a análise definitiva ainda não tenha sido concluída, a hipótese de que Rayssa estivesse com traumatismo craniano ou hemorragia e mesmo assim tivesse sido liberada pelo Hospital estadual Carlos Chagas, onde foi atendida, está a princípio descartada.

Pais não viram imagens

A morte de Rayssa abalou a vida de toda a família da jovem. Na casa simples onde ela morava com o pai de criação, a mãe e os irmãos, numa via residencial do bairro Honório Gurgel, a três quadras de um batalhão da Polícia Militar, todos têm evitado até mesmo sair para a rua. As poucas palavras usadas pelo pai para descrever a perda da filha vieram de dentro da residência, através da janelinha entrecortada na porta de entrada:

— Eu e minha mulher não conseguimos assistir ao vídeo. Só vimos o resultado, o jeito que ela voltou pra casa — disse ele, mostrando mãos trêmulas e olhos vermelhos: — Ninguém aqui sabe direito o que aconteceu. Agora, só peço que respeitem a nossa dor.

Rayssa foi encontrada muito ferida por um tio, às 8h do dia 20, na Rua Paula Viana, onde fica um dos acessos à Faz Quem Quer. De imediato, com a ajuda de bombeiros, o parente conduziu Rayssa ao Hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

— Achei a Rayssa com os olhos inchados, cheia de hematomas na cabeça e pelo corpo todo. Ela parecia desnorteada. Chegaram a cortar o couro cabeludo dela para escrever a sigla de uma facção — contou o tio.

A assessoria da Secretaria estadual de Saúde informou que a jovem passou por tomografia computadorizada e radiografia na mão esquerda. Como os exames não apresentaram alteração ou fratura, ela recebeu suturas e curativos. Após ficar em observação por algumas horas, teve alta da unidade.

Ao longo da semana, Rayssa seguiu sentindo muitas dores, inclusive na cabeça. Ela também apresentava confusão mental e parecia ter esquecido detalhes da agressão, o que impediu que seu depoimento fosse colhido pelos policiais que estiveram em sua casa. A intenção era aguardar que a jovem apresentasse uma melhora para ouví-la, mas isso não foi possível.

Na manhã de sexta, seis dias após as agressões, os sintomas pioraram. À noite, ela foi levada novamente ao Carlos Chagas, onde — ainda de acordo com a Secretaria de Saúde — já chegou em parada cardiorrespiratória. Ela foi enterrada na tarde do último domingo, no Cemitério do Caju.

 

veja também