Não jogue a toalha. Tenha bom ânimo

O Mestre ensina-nos a possuirmos o bom ânimo. A recordamos sua vitória e escolhermos ter uma perspectiva eterna diante de tudo o que é efêmero

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quarta-feira, 7 Maio de 2014 as 2:47

alegriaNesta vida cheia de perigos e surpresas indesejáveis, é preciso trazer as palavras do nosso Senhor Jesus para o centro da nossa história e construir nossos dias apoiados nesta verdade.
As aflições do mundo são um fato. É a tal da presença garantida. Nuvem indestrutível.
Cristo nos alertou sobre este rosto insistente. Olhar de trevas, rodeando todos os instantes vividos neste chão cansado dos passos dos cansados.
Expressão malvada, ousada ao ponto de penetrar os cenários mais bonitos e transformá-los em confusão e dor.
Podemos tentar fugir para os momentos sublimes.
Beberemos das suas águas perfeitas e a sede dará uma trégua. Parecerá um passeio no Éden. Sons. Sabores. Companhias. Tudo conspirando a favor do nosso regozijo pleno. Maravilhoso.

Mas nada pode impedir o fim do sossêgo. A felicidade, deste lado do céu, é frágil. Como cristais segurados por mãos de bebês desastrados.

Apagadas as luzes, a festa resume-se aos poucos pedaços do bolo esquecido sobre a mesa desarrumada. Silêncio.

E o que faremos?
O Mestre ensina-nos a possuirmos o bom ânimo. A recordamos sua vitória e escolhermos ter uma perspectiva eterna diante de tudo o que é efêmero.
Com Sua voz bondosa, convida-nos a visitar Seu "final" e, assim, incendiar o espírito lembrando-se que ali foi o esperado começo.
A Cruz não impediu o caminho, pelo contrário, fazia parte dele. Dali em diante, a redenção abriu portas em muitas muralhas intransponíveis.

Irmão!
Teus labirintos foram atingidos pelo calvário e não poderão prendê-lo por muito mais tempo.
O fim da linha é passado. Diante do último suspiro surge a canção gloriosa.
Tenhamos ânimo. No Cordeiro, vamos onde os leões jamais poderiam chegar.

Cabe a nós não jogar a toalha. Não sair do ringue. Não mudar as regras. Não perder a esperança.
Ouça-O repetir:

- Eis que faço nova todas as coisas...


- Thiago Grulha

veja também