O Facebook posta do que está cheio o coração

Nesse divã virtual é possível verificar todo o tipo de sentimento e sensações: posts com tendências suicidas, frases altamente preconceituosas, posições profundamente facciosas, declarações narcisistas, desabafos profundamente coléricos e raivosos, avaliações autodestrutivas… enfim, a lista vai longe

fonte: Ultimato jovem

Atualizado: Quarta-feira, 27 Agosto de 2014 as 1:35

facebookO Facebook está virando um divã. Não precisa ser especialista para fazer essa constatação. Diariamente recebo no meu feed de notícias desabafos profundos sobre a vida privada de algumas pessoas. Até aí tudo bem, isso apenas segue a tendência exibicionista do ser humano, acentuada ainda mais nos brasileiros. Temos uma necessidade de exibir nossos corpos, nossos bens, nossas vitórias e, agora com as mídias sociais, além de exibirmos os nossos animais domésticos, comidas e lugares favoritos, podemos também exibir parte das nossas almas.

Comece a observar os posts em sua timeline. Tente olhar por detrás das afirmações e você perceberá muitas vezes, frases carregadas de sentimentos profundos e dos mais diversos, do amor ao ódio, da amizade à inimizade, da simpatia à antipatia. Parece que o fato da exposição ser virtual e não real, gera uma coragem para revelar o que talvez não seria revelado face a face.

Nesse divã virtual é possível verificar todo o tipo de sentimento e sensações: posts com tendências suicidas, frases altamente preconceituosas, posições profundamente facciosas, declarações narcisistas, desabafos profundamente coléricos e raivosos, avaliações autodestrutivas… enfim, a lista vai longe.

Tem muita coisa boa no Facebook, mas o objetivo desse texto é revelar esse outro lado preocupante que é a transformação de uma ferramenta de entretenimento e comunicação social em um canal de desabafos e exposição da vida privada.

Esse movimento evidencia uma necessidade humana de compartilhar suas angústias e anseios, e como hoje vivemos em dias cada vez mais individualistas, sofremos a falta de ombros para chorar e ouvidos para ouvir os nossos desabafos. Quando o desespero bate, recorremos ao escape mais próximo e é nessa hora que confundimos uma ferramenta de comunicação social com uma sessão de terapia para expor aquilo que nos aflige.

O falecido Rubem Alves já dizia: “Todo mundo, quer fazer curso de oratória, mas ninguém quer fazer curso de escutatória”. Falta gente pra ouvir; é por isso que falamos muito para aqueles (ou aquilo) que tem ouvidos, mas não ouve.

Parafraseando o mestre, podemos dizer que o Facebook e outras mídias sociais postam “do que está cheio o coração”. Dando uma olhada rápida no feed de notícias, receio que estamos mal de coração e, principalmente, órfãos de ouvidos amigos.


• Calebe Ribeiro

 

veja também