Ganância: cilada contra o serviço cristão

Ganância: cilada contra o serviço cristão

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:32

Jesus foi confrontado com um apelo (em Lucas 12.13), sobre um problema de família: diga a meu irmão que divida a riqueza comigo. Jesus tem uma reação estranha a princípio, pois entendemos que Ele gostaria de ver a família bem, os irmãos dividindo tudo em amor... "quem me constituiu juiz entre vocês?", resolvam os seus problemas. Não vou atrasar o que vim fazer com picuinhas particulares de corações que não estão disponíveis para o outro.

Depois de espalhar publicamente o cidadão, porque publicamente o cidadão armou-lhe aquela armadilha, ele conta a história de um homem que acumulou tanto que não sabia o que fazer daquilo tudo. Levantou armazéns, desenvolveu maneira de ventilação para que nada se estragasse, depois disse a sua alma:  "regala-te, coma, beba, pois você tem muito para muito tempo".

Jesus adiantou uma coisa, que aquele cidadão não sabia: morreria naquela noite, e estava agindo como um louco. "louco nesta noite pedirão a sua alma. O que tens preparado, para quem será?".

Aquele moço não cuidara nem do altar, nem do ministério. Seu altar era seu estômago. Seu ministério era sua riqueza acumulada, mantida, ventilada, multiplicada. Nada era para servir ninguém, nada era para agradar a Deus. Corremos o mesmo risco, de passar toda a nossa vida a garantir a própria existência e nunca cuidarmos do que é importante.

 Jesus, que adverte que não devemos chamar ninguém de louco, faz esta descrição: este é louco. Construiu tanto e não tinha um altar dentro do seu coração Trabalhou tanto e não realizou um ministério. Tinha tanta riqueza, mas ninguém para compartilhar consigo. Tanto talento enterrado em celeiros...

Qual o nome deste demônio? Qual a caracterização desta cadeia na mente de uma pessoa? Ganância. Que leva irmãos a disputarem herança, pais a abandonarem filhos, cônjuges a brigarem na justiça e crentes a perderem o direito de fidelidade ao Senhor naquilo que Ele chamou de "pouco".

O que é material é pouco, se comparado ao valor humano, aos relacionamentos, a vida com Deus, ao serviço ao próximo. Fique atento. Este risco de enlouquecer todo mundo corre, com muito ou com pouco.

O teste para saber seu grau de loucura, está em quem você faz perguntas. O moço a quem Jesus se referiu perguntou a si próprio: "o que é que vou fazer?", quando viu a sua riqueza.

Quando vir alguma riqueza, dom, talento, tempo, juventude, habilidade, oportunidade, não pergunte a si mesmo: pergunte ao Espírito Santo, você se verá transitando pela sanidade e verá seu ministério curado, pois perguntar ao Senhor é uma forma de restauração do altar.

Cleydemir Santos é pastor, psicólogo e teólogo em Minas Gerais. Trabalha com uma abordagem sistêmica, psicodramática, no atendimento de adultos e crianças.

Siga-nos

Mais do Guiame