A paz da Igreja

A paz da Igreja

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:30

Depois de descrever os conflitos, injustiças e perseguições que vivia a Igreja, Lucas registra que a Igreja tinha paz: "A igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor e, no conforto do Espírito santo, crescia em número" (Atos 9.31).

Paz não é ausência de conflitos. A paz de que fala Atos não se estabelece em algo que se dê por fora. As lutas fazem parte da vida. Somente os mortos e os seres inanimados não lutam mais. A paz da Igreja é a paz de Cristo: nasce por dentro, sendo capaz de enfrentar o mundo e seus conflitos.

A paz da Igreja se fundamenta no fato dela edificar-se. Este é um conceito do Antigo Testamento: o Senhor edifica as nações, edifica a Israel, fez edificar uma casa para si. No Novo Testamento é Cristo quem edifica sua Igreja; Cristo é a Pedra de sustentação. O fundamento todo é formado pelos apóstolos e profetas. As colunas que vão se erguendo são os ministérios da Igreja. O edifício, a casa de Deus, se é construída de pedras vivas, o seu povo. A Igreja não é feita de tijolos e cimento; aliás, em Atos, a Igreja não possuía propriedade alguma, pois os próprios cristãos vendiam seus bens e os distribuíam entre aqueles que tinham necessidades. Então, os bens que a Igreja possui são as pedras vivas, as pessoas e não as coisas. Por isso, todo esforço da Igreja deve visar ao bem, à promoção e à edificação das pessoas.

A paz da Igreja fundamenta-se no temor do Senhor. Este também é um conceito do Antigo Testamento. Israel se viu diante de religiões pagãs que temiam os poderes e elementos da natureza, bem como os senhores que as representavam. O Livro de Gênesis demitologiza a natureza, recolocando seus elementos no devido lugar; todos os poderes são criados, não são deuses, não devem ser temidos. Devemos temer somente o nome do Senhor, Criador do céu e da terra. Por isso, a Igreja primitiva não temia a César, às autoridades, aos donos deste mundo, aos deuses dos povos, pois fazia a sua confissão de fé no senhorio exclusivo de Jesus Cristo. Enfrentou os conflitos e perseguições porque temia a um único Senhor.

A paz da Igreja se fundamenta no conforto do Espírito. Esta é a paz da Igreja, paz baseada no amor que dedicamos uns aos outros. Por isso, apesar da dura perseguição, da violência e das injustiças, Lucas, autor de Atos, afirma que a Igreja crescia em número. Não existe força mais forte do que o amor, capaz de superar tudo, de tudo suportar, de tudo mudar, de tudo revolucionar. A paz da Igreja está no amor que ela vive: "Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta"  (1 Coríntios 13.7).

Esta é a paz da Igreja: a paz de Cristo, capaz de valorizar as pessoas (e não coisas), que nasce do temor ao único e verdadeiro poder (Cristo, o Senhor) e do poder do amor, que é fruto bendito do Espírito Santo de Deus. Somente uma igreja que vive em paz, no Senhor Jesus Cristo, pode crescer. Será uma igreja unida, que dá o fruto do Espírito, que trabalha em prol do crescimento do Reino de Deus.

Dr. Tácito da Gama Leite Filho é escritor, autor de 84 Livros; doutor em Teologia (Pontifícia Universidade Católica - RJ); doutor em Psicologia (Florida Christian University, Miame - FL - USA); fundador e diretor do CETEO - Centro de Estudos Teológicos Brasileiro - www. ceteo.com.br  

Siga-nos

Mais do Guiame