7 problemas bucais podem ser evitados com uso de escova e fio dental

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 22 Maio de 2014 as 1:44

Desde quando crianças sabemos que para prenir-se contra cáries e outras doenças bucais, deve manter uma higienização necessária na rotina diária. O método mais eficaz e não menos desconhecido, é a dupla escova e fio dental. Segundo o dentista Hugo Roberto Lewgoy, mestre e doutor pela Faculdade de Odontologia da USP, é importante ter cuidado, pois o uso incorreto ou excessivo da escova e fio pode machucar a gengiva.

“O fio dental deve ser passado pela região de contato entre os dentes com suavidade. Não se deve dar ‘estilingadas’ nas gengivas. As escovas devem ser ultra macias e possuir grande quantidade de cerdas. E a substituição delas deve ocorrer a cada dois, ou no máximo três meses, pois escovas velhas provocam um aumento inconsciente da força de escovação e acabam por machucar a gengiva”, alerta o especialista.

Conheça as doenças que podem ser evitadas com o uso da dupla.

Cárie
A cárie é a deterioração do dente e o mais comum dos problemas bucais. Hoje, a doença atinge cerca de 88% da população mundial. “Esse quadro é um absurdo, pois um dente limpo não fica doente e essa situação caótica podia ser facilmente evitada com cuidados muito simples de higiene oral, como a utilização freqüente da escova e do fio dental”, diz o dentista.

Infecção aguda
Quando o tratamento de canal não é realizado a tempo, pode provocar uma infecção aguda e uma pequena destruição óssea decorrente da briga das bactérias com as células de defesa do organismo. Quanto mais aguda for a infecção, maior será o abscesso. O quadro é grave e precisa de tratamento.

escova dentalInflamação da polpa
Trata-se de um agravamento da cárie não tratada. Inflamada, a polpa não consegue inchar por estar confinada pelas partes mais duras do dente. Essa inflamação sufocada gera uma pressão muito forte e, se não tratada, gera a necrose pulpar. Nesses casos, o mais indicado é um tratamento de canal.

Gengivite e Periodontite
Ambos são processos infecto-inflamatórios que atingem as gengivas e podem ocasionar até a perda do dente. Caracterizada por um sangramento, a causa da gengivite é o acúmulo de placa bacteriana que ocorre por falta de higiene bucal adequada, nesse caso principalmente falta de fio dental, que remove sujeiras entre os dentes. Ela é a primeira fase da doença e a mais fácil de ser tratada, já a periodontite é um estágio mais avançado que compromete todos os tecidos ao redor do dente.

Halitose
A halitose, que é o mau cheiro vindo da boca, limita o indivíduo e traz prejuízos para as relações afetivas e de trabalho. Cuidados básicos com a higiene oral, nesse caso principalmente com a higiene da língua, poderiam facilmente acabar com esse problema. O ideal é escová-la com a mesma frequência que se escovam os dentes.

Hipersensibilidade dentinária
Quando ocorre a retração da gengiva, o colo dos dentes fica exposto. Esse local não possui a proteção do esmalte e reage quando entra em contato com alimentos e bebidas geladas ou quentes. É isso que causa a sensação de choque. “A presença de placa bacteriana e a utilização de escovas com cerdas duras são os principais responsáveis por esse problema”, diz Hugo.

Mucosites e peri-implantites
São problemas semelhantes à gengivite e a periodontite, porém ao invés de ocorrerem nos dentes naturais ocorrem nos implantes dentais. Da mesma forma que os dentes adoecem sem uma higiene oral adequada, os implantes também sofrem com a falta de cuidados.


Com informações de: Terra

veja também