Hiperglicemia pode ser causado por uso de adoçantes artificiais

Consumo diário de adoçante pode causar problemas de saúde equivalente a obesidade e diabetes tipo 2, segundo pesquisadores de estudo.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 18 Setembro de 2014 as 1:01

Para manter uma alimentaçõa saudável, trocando o açúcar por adoçantes artificiais, pode não ser uma boa escolha. Produtos como aspartame, sucralose e sacarina, pode elevar o nível de glicose no sangue e causar doenças metabólicas semelhantes às associadas à obesidade, é o que diz estudo publicado na revista Nature. De acordo com a pesquisa, os que optam por esse alimento diariamente para substituir o açúcar, evitando ganho de peso, pode estar colocando sua saúde em risco da mesma forma que uma pessoa obesa.

adoçantes artificiais,saúde,alertaOs testes realizados em camundongos por pesquisadores de Israel, demonstram que o consumo desses adoçantes artificiais -- que milhões de pessoas colocam em seu cafezinho diariamente e estão presentes em um grande número de produtos "light" ou "diet" no supermercado-- pode causar a chamada intolerância à glicose, uma condição metabólica que inclui várias doenças caracterizadas pelo excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia); entre elas, a diabetes tipo 2.

"Nossas descobertas sugerem que os adoçantes artificias não calóricos (NAS, na sigla em inglês) podem ter contribuído diretamente para piorar exatamente a epidemia que lhes cabia combater", escrevem os pesquisadores, do Weizmann Institute of Science, referindo-se à epidemia de obesidade que se espalhou pelo mundo nas últimas décadas e que está, em grande parte, associada ao aumento no consumo de açúcares.

O efeito, segundo os pesquisadores, é por conta da alteração da composição da microbiota (ou flora) intestinal -A pesquisa não chega a provar que o consumo de adoçantes artificiais causa diabetes tipo 2 diretamente, nem outras doenças ligadas à hiperglicemia, mas indica que pode haver um correlação forte entre as duas coisas, mediada pelas alterações da microbiota intestinal. Segundo os cientistas israelenses, o uso em massa desses produtos precisa ser "reavaliado".

"Em resumo, nossos resultados sugerem que o consumo de adoçantes artificiais não calóricos (NAS), tanto em camundongos quanto seres humanos, aumenta o risco de intolerância à glicose, e que esses efeitos metabólicos adversos são mediados pela modulação da composição e função da microbiota", escrevem os autores.

"Vistos conjuntamente, os dados de Suez e seus colaboradores indicam que o consumo de NAS pode contribuir para, em vez de aliviar, o desenvolvimento de condições metabólicas relacionadas à obesidade", reforçam Taylor Feehley e Cathryn Nagler, pesquisadores da Universidade de Chicago, em uma análise que acompanha o trabalho na Nature.

 


Com informações de: MSN

veja também