Mães podem passar cárie para os bebês

Dividir talheres, experimentar a mamadeira, são alguns dos motivos que a mãe pode passar cárie para os filhos. Saiba mais.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 3 Outubro de 2014 as 11:22

Os cuidados com a alimentação do bebê quando é permitido alimentá-lo, deve ser observado com atenção. É durante a amamentação que o bebê começa a ter contato com as bactérias, onde colocam tudo na boca.

“Desde a fase mais tenra até um ano aproximadamente a criança se encontra na fase oral. E eles colocam as mãos e posteriormente, os objetos na boca, não apenas pelo incômodo gerado pela erupção dos dentes, mas por ser próprio do desenvolvimento infantil conhecer e experimentar o mundo dessa forma”, diz Renata Sampaio, cirurgiã-dentista e odontopediatra.

Cáries Mas, segundo a especialista, essa forma de desenvolvimento não deve ser inibida. “Isso só será prejudicial ao bebê se ele estiver em um ambiente contaminado sem supervisão, como jardins, praia, tanques de areia, chão não higienizado ou calçadas. Mas tudo isso é questão de bom senso, é preciso ter cuidados básicos com a higiene do local onde a criança está inserida, mas sem exageros”.

Há também o risco de que a mãe possa transmitir cáries. Dividir talheres, limpar a chupeta com a boca, experimentar a mamadeira, assoprar a comida ou até beijá-los nos lábios pode ser muito mais prejudicial à saúde deles do que se imagina. Ocorre que esses hábitos são um meio de levar bactérias à boca da criança. “Nós temos a cavidade bucal colonizada por até 300 tipos diferentes de bactérias e o bebê, além de nascer com a boca estéril (sem micro-organismos), não tem defesas para as bactérias que carregamos na nossa saliva”, alerta a especialista.

De acordo com Renata, até alguns casos de cárie em crianças pequenas podem ser causados pela mãe. Se ela já teve ou tem cárie, essas bactérias podem ser transmitidas para o bebê por meio da saliva, assim que os dentinhos começam a nascer. “Se o bebê tiver pouco contato com essas bactérias, tiver uma boa higiene e consumir pouco açúcar, esta criança poderá tornar-se um indivíduo de baixo risco para cárie dental, não apenas na infância, mas durante toda a vida”, diz Renata.

Devido a ausência de dentes no bebê, ele não corre o risco de ser colonizado pelas bactérias que causam a cárie, pois elas não se fixam em superfícies moles (bochechas, língua e gengiva), ou seja, elas só invadem a cavidade bucal quando os dentinhos começam a nascer, pois preferem os tecidos que não descamam como os do dente.

 

Com informações: Terra

veja também