MENU

Saúde

Que tal lá fora?

Que tal lá fora?

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:31

Exercícios ao ar livre oferecem muitos fatores positivos, como o ar fresco, a natureza, a paisagem, que é sempre diferente, ao contrário da academia. Mas atividades em ambientes abertos também fazem com que o esportista enfrente chuva, solos irregulares e poluição, entre outros. A pergunta que fica é: colocando tudo na balança, sair para uma corrida ainda vale a pena?

Para responder a essa questão com propriedade, é preciso analisar o que está em jogo. O personal trainer Oberdã Ramos lembra que esse tipo de prática "pode ser um grande motivador por estar em contato com a natureza e por ser uma saída barata".

Antes de colocar o pé para fora de casa, porém, são necessários alguns cuidados gerais, como explica a personal trainer Stella Krieger, do estúdio Body Expression: "Busque um lugar adequado; use roupas confortáveis, um bom par de tênis; não descuide da hidratação nem da alimentação adequada; tenha atenção com o horário escolhido e com a segurança; se proteja do sol; tenha planejamento e faça aquecimento".

A partir daqui, você conhecerá dicas para driblar transtornos de exercícios ao ar livre e, assim, partir para o lado de fora sem maiores preocupações.

Céu cinza, mas não de chuva

A poluição é um fator inevitável para quem vive nos grandes centros. "É um item a ser levado bastante em conta, já que muitos pensam em parques e relacionam com ar puro, mas, na verdade, não é isso que acontece. Temos que ter consciência que não há lugar em que o ar seja totalmente limpo", alerta Ramos.

A solução é, dependendo do caso, evitar as atividades fora de casa, dependendo do caso. "Pessoas com problemas respiratórios devem diminuir a intensidade de treinos em dias muito frios ou secos, já que grandes cidades apresentam elevado nível de poluição, existindo maior exposição a irritantes e substâncias alergênicas inaladas", orienta Stella.

As quatro estações no mesmo dia

Seja por causa do aquecimento global, ou não, é inegável que o tempo não é mais tão previsível. São inúmeras as vezes em que alguém sai com um casaco pela manhã, se sente no deserto à tarde e enfrente uma tempestade à noite.

Não que, por isso, as atividades no parque devam ser canceladas. Mas, não custa ter um pouco de cuidado. "Mudanças bruscas de temperatura podem vir a ocorrer e o que chamamos de 'choque térmico' acontece. Por exemplo: ao corrermos, nosso corpo libera calor e ficamos com a temperatura corporal elevada, porém, se acontecerem chuvas frias ou queda brusca de temperatura, há um choque térmico que pode facilitar o aparecimento de febres e resfriados fortes", explica Ramos.

E se eu levar um guarda-chuva?

Não tem jeito, em dias chuvosos, a recomendação de ambos os especialistas é ficar debaixo do coberto, mesmo. "Embora a idéia pareça ser prazerosa, pode ser perigosa, pois há riscos de doenças ligadas à baixa imunidade, além de outros perigos de acidentes por força da natureza", alerta Ramos. "É muito mais confortável estar em um ambiente fechado, afinal um resfriado pode atrapalhar uma semana inteira de treino", completa Stella.

Siga-nos

Mais do Guiame