Saiba qual os 12 maiores inimigos da saúde bucal e como combatê-los

Deixar de ir ao dentista por muito tempo é um dos inimigos da saúde bucal.

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 23 Outubro de 2014 as 1:41

Assim como os cuidados de rotina com o corpo, a saúde dos dentes devem receber uma atenção maior, logo que é possível contrair doenças. É recomendável visitar o dentista duas vezes por ano, azer uma limpeza bucal completa e eficiente após as refeições e beber bastante água.

Apesar de ser fácil, poucos conseguem seguir essa rotina e os inimigos da boca surgem.

Confira a lista de 12 doenças bucais que, se não evitadas ou tratadas corretamente, podem virar um problema sério, segundo a cirurgiã-dentista da clínica Interclin, Luana Campos.

Gengivite
Também bastante comum, a gengivite é uma inflamação na gengiva que acomete nove entre dez pessoas. Esse fato é bastante desanimador, uma vez que, segundo Luana, a principal causa dessa doença é má escovação e higiene bucal. Entre os sintomas estão: gengiva vermelha escura, moles e inchadas, sangramento ao escovar os dentes e dor local. “Em alguns casos, pode ocorrer a presença de úlcera e, quando não tratada, a piora do quadro inflamatório (periodontite) pode causar a perda do dente”, diz Luana.

saúde bucal,doenças,cuidadosCárie
A cárie está entre as doenças dentárias mais comuns do mundo. Ela surge quando as bactérias da boca passam a transformar os restos de alimentos (que se acumulam por conta de uma higienização falha) em ácidos que corroem o dente. “Os primeiros sinais da cárie são manchas brancas ou amarronzadas que, se não tratadas, podem causar inflamação e dor”, diz a especialista. Embora comum e fácil de tratar, é bom ter muito cuidado com essa doença, pois ela é transmissível e infecciosa.

Halitose
O mau hálito atinge cerca de 40% da população e pode ser causado por gengivite, estresse, ansiedade, alimentação errada, baixo consumo de água, doenças sistêmicas ou por má higienização da boca. O tratamento vai depender da origem do problema, embora a maioria seja baseada em acompanhamento médico e mudanças de hábitos alimentares, de rotina e de higiene do paciente.

Herpes
O herpes labial é uma doença infectocontagiosa causada por um vírus (HSV). Ele se apresenta por pequenas vesículas que, ao se romperem, formam úlceras doloridas. “Baixa imunidade, manter contato íntimo e compartilhar objetos com uma pessoa que tenha herpes labial são fatores de risco para a doença, já que é altamente contagiosa e geralmente não manifesta sinais de ocorrência no início da infecção”, diz a especialista.

Aftas
As aftas são formas comuns de úlceras (feridas) na boca e costumam ser brancas ou amareladas e bastante doloridas. “Elas podem aparecer após trauma local (mordida ou atrito), baixa imunidade, estresse emocional, deficiência vitamínica, mudança hormonal, por causa de alguma doença específica ou por uso de algumas medicações”, diz Luana.

Boca seca / xerostomia
O sintoma de boca seca (xerostomia) pode acontecer pela diminuição do fluxo salivar ou pela alteração da composição da saliva. Suas causas podem ser de desordens autoimunes (AIDS e lúpus), desordens hormonais (diabetes e disfunção da tireoide), desordens neuronais (parkinson e paralisia cerebral), depressão, consumo de alguns remédios (mais de 500 remédios podem afetar as glândulas salivares), entre outras.

Ressecamento dos lábios
O ressecamento labial pode ser causado por dias de muito frio ou muito calor, poluição, baixa umidade do ar, alguns tipos de medicamentos ou pode estar associado à hipossalivação (diminuição do fluxo salivar). “Ao contrário do que muitos fazem, passar a língua nos lábios não é aconselhável. Ainda que, num primeiro momento, alivie o sintoma, a saliva pode agredir (pela ação de algumas enzimas) e ressecar ainda mais o lábio. O ideal é procurar a orientação do cirurgião-dentista ( para eliminar a hipótese de alguma outra doença), beber bastante água e passar produtos hidratantes no local”, diz Luana.

Tártaro
O tártaro dentário é a calcificação da placa bacteriana que não foi removida durante a escovação. “Ele é caracterizado por uma camada mais escura, amarelada e pode ser observado na base dos dentes mesmo após escovação. O tratamento e remoção do tártaro devem ser realizados pelo cirurgião-dentista que fará uma raspagem e alisamento dos elementos dentais afetados, além de remover a placa bacteriana, deixando os dentes mais saudáveis”, diz Luana.

Sensibilidade dental
A sensibilidade dental pode ser definida com uma dor aguda, de curta duração, causada pela exposição da dentina (parte mais interna do dente). Diversos fatores podem ocasionar esse problema, entre eles: escovação com força excessiva, gengivite, bruxismo, erosão ácida, clareamento dental, restaurações mal adaptadas ou quebradas e etc.

Bruxismo
O bruxismo se caracteriza pelo hábito de apertar os dentes ou rangê-los com frequência. Essa prática pode causar dores dentais, musculares e articulares, além de desgaste dentário. “Estresse, ansiedade e desalinhamento dental, são algumas das suas causas”, diz a especialista.

Doença do beijo (mononucleose infecciosa)
A mononucleose é uma doença infectocontagiosa causada por um vírus e é conhecida como doença do beijo por ser transmitida de uma pessoa para outra principalmente pela saliva. Os principais sintomas apresentados pelo paciente infectado são: mal estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas no pescoço e inflamação no fígado.

HPV
O Papilomavírus Humano (HPV) pode ser transmitido pelo sexo oral sem proteção. O HPV normalmente afeta o palato (céu da boca), língua ou lábios, mas também pode aparecer em outros lugares da boca e garganta. Os sinais da doença incluem pequenas verrugas esbranquiçadas, as quais podem se juntar e formar placas. “O diagnóstico da lesão é importante e se dá com análise clínica e, quando necessário, biópsia. O tratamento não garante a cura, pois o HPV pode voltar”, diz Luana.


com informações de: Terra

veja também