Confeiteiros cristãos podem recusar encomenda de "bolo gay", segundo procurador-geral

A empresa recorreu à decisão e um caso está em aberto no Tribunal de Recurso da região. O caso foi programado para ser ouvido no início deste ano.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quarta-feira, 11 Maio de 2016 as 10:39

Um dos três juízes que presidem o caso, perguntou se a frase "casamento entre homossexuais" pode ser considerada uma blasfêmia. (Foto: Reuters).
Um dos três juízes que presidem o caso, perguntou se a frase "casamento entre homossexuais" pode ser considerada uma blasfêmia. (Foto: Reuters).

A padaria cujo os donos são cristãos e que está no centro do “caso do bolo gay” não deveria ter sido considerada culpada de discriminação. Foi o que disse o Procurador Geral da Irlanda do Norte disse ao tribunal.

A Ashers Baking Company se recusou a fazer um bolo com o slogan "casamento entre homossexuais" de Gareth Lee, que é um ativista LGBT. A padaria de propriedade cristã foi considerada culpada de discriminação contra Lee por um tribunal do condado em 2014.

A empresa recorreu à decisão e um caso está em aberto no Tribunal de Recurso da região. O caso foi programado para ser ouvido no início deste ano, mas foi adiado após uma última intervenção por John Larkin, o Procurador Geral da Irlanda do Norte.

Foi concedida a permissão para a participação de Larkin depois que ele levantou preocupações de que a legislação de igualdades da Irlanda do Norte poderia discriminar aqueles que possuem uma crença religiosa. Ele disse ao tribunal que este caso era muito mais amplo que o bolo em questão. "Este caso é sobre expressão", disse ele.

Ele acrescentou que Lee tinha "recusado alguns dos excelentes chocolates da Ashers porque ele era gay. Então eu estaria do outro lado da corte", disse. "Mas não é sobre isso, trata-se de expressão e se é legal sob o direito constitucional da Irlanda do Norte que a Ashers obrigue, articule ou expresse ou diga uma mensagem política que está em desacordo com os seus pontos de vista políticos em particular de seus pontos de vista religiosos", pontuou.

Contra a religião

Ele disse que a orientação sexual de Lee era de "irrelevância suprema" para a padaria. No entanto, um advogado de Lee disse que a família McArthur, dona da padaria Ashers, não foram forçados a fazer nada contra suas crenças.

"Este discurso não é mais forçado do que qualquer um dos comerciantes de entrega ou dos correios ou qualquer uma das empresas que imprimiu os inúmeros nos painéis nos arredores de Belfast e no resto da Irlanda do Norte para as eleições para a Assembleia esta semana", comentou.

Um dos três juízes que presidem o caso, perguntou se a frase "casamento entre homossexuais" pode ser considerada uma blasfêmia. O advogado de Lee disse que não era uma blasfêmia, pois a campanha para o casamento gay foi um reconhecimento civil. "Não é um abuso contra a religião. Não é como se eles estivessem apoiando o casamento gay”, acrescentou.

"Só porque você faz um bolo com 'Larne Ladies Football Club' não significa que você deve apoiá-los, mesmo que todos os seus funcionários fossem rivais do arco de ‘Larne Ladies Football Club’”, disse ele.

veja também