Sequestro das mais de 200 meninas nigerianas pelo Boko Haram completa um ano

Mesmo após um ano do ataque à escola em Chibok, muitas das meninas sequestradas, de maioria cristã, continuam sob o poder dos radicais

fonte: Guiame, com informações da BBC

Atualizado: Terça-feira, 14 Abril de 2015 as 3:37

Campanha #BringBackOurGirls" (Tragam Nossas Meninas de Volta, em português)
Campanha #BringBackOurGirls" (Tragam Nossas Meninas de Volta, em português)

Em 14 de abril de 2014, exatamente um anos atrás, a cidade de Chibok, no nordeste da Nigéria, foi marcada por um ataque do grupo Boko Haram a uma escola.

As primeiras notícias informava que 100 meninas haviam sido sequestradas, mas a verdade é que, no total, mais de 250 garotas nigerianas, a maioria cristã, foram sequestradas pelos radicais e até hoje muitas permanecem sob o poder do grupo.

Quase um mês após o sequestro, o Boko Haram divulgou um vídeo em que boa parte das meninas aparece e os parentes das estudantes conseguiram identificá-las na gravação.

Abubakar Shekau, líder do grupo radical, disse que o objetivo era islamizar as garotas e depois vendê-las ou forçá-las a casar com membros do grupo, fato que realmente aconteceu.

Muitos países se colocaram à disposição do governo nigeriano para ajudar na busca pelas meninas sequestradas. Michelle Obama, primeira-dama americana, fomentou a campanha quando publicou uma foto segurando um cartaz com a frase "#BringBackOurGirls" (Tragam Nossas Meninas de Volta, em português). "Nossas orações estão com as meninas nigerianas desaparecidas e suas famílias", escreveu Michelle.

Uma equipe da Portas Abertas está na Nigéria e busca novas informações sobre o caso das meninas. Fontes dizem que a maioria das meninas ainda está dada como desaparecida.

A parte boa das informações é que há a prabilidade de conversão de membros do Boko Haram ao cristianismo. "Estamos muitos animados com isso. Nossa missão, porém, é refugiar tais convertidos da Nigéria. Estamos trabalhando arduamente para equipar a igreja local, para ajudar os convertidos crescer em seu conhecimento de Cristo e tornar-se missionários para seu próprio povo", diz um membro da equipe da Portas Abertas.

Os pais das meninas vivem uma dura incerteza, tanto quanto à sobrevivência das filhas, quanto à lavagem cerebral que são submetidas, podendo gerar uma reedução espiritual, fazendo-as abandonar o cristianismo pelo islã.

O caso das meninas sequestradas em Chibok é algo pelo qual a Igreja deve continuar clamando. Ore em favor dessas garotas, de suas famílias e dos radicais do Boko Haram.

Leia mais notícias sobre o caso:

"Oro para que esses homens encontrem a Deus, sejam perdoados", diz garota que fugiu do Boko Haram

Garota que fugiu do Boko Haram pede que terroristas sejam perdoados: "Eles não sabem o que fazem"

Menina que conseguiu fugir conta a situação das garotas sequestradas na Nigéria

Nigerianas sequestradas contam como fugiram do Boko Haram

 

 

veja também