MENU

Santos vence na Ressacada, mas Avaí fica com a vaga nas oitavas

Santos vence na Ressacada, mas Avaí fica com a vaga nas oitavas

Atualizado: Quinta-feira, 19 Agosto de 2010 as 7:14

Não deu para o Santos. O Avaí fez valer a vantagem conquistada no primeiro jogo, quinta-feira passada, no Pacaembu, quando venceu por 3 a 1, e está nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Peixe quebrou um jejum que durava três jogos e voltou a vencer: mas por um insuficiente 1 a 0, nesta quarta, no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Faltaram mais dois gols para a equipe alvinegra. É o fim do sonho santista de conquistar tudo em 2010. O time é o atual campeão paulista e da Copa do Brasil. Já o time catarinense continua na luta para chegar à primeira Taça Libertadores de sua história.

Agora, o Avaí aguarda o vencedor de Universidad San Martín-PER e Emelec-EQU, que se enfrentam nos dias 15 e 23 de setembro.   Com 14 minutos de jogo, o Avaí poderia estar vencendo o Santos por 2 a 0. A equipe da casa começou em cima, tocando muito bem a bola e envolvendo a equipe visitante, que dava muitos espaços, principalmente entre o zagueiro Durval e o lateral-esquerdo Léo. Por ali, abriu-se um enorme espaço que o lateral-direito Patric, do Avaí, soube ocupar. Aos 40 segundos de jogo, Patric avançou por ali, chegou até a entrada da área, sem ser incomodado, e mandou uma bomba de pé direito. Rafael espalmou.

O Santos tinha dificuldades para sair jogando. Sofria com a forte marcação do Avaí. Rudnei e, principalmente, Marcinho Guerreiro eram carrapatos que não desgrudavam de Paulo Henrique Ganso e Neymar. Aos 14, a equipe catarinense teve uma grande chance para marcar, mas o capitão santista Edu Dracena salvou. Primeiro, o zagueiro se atrasou para sair e deu condições para Rudinei, que entrou livre pelo meio e tocou na saída de Rafael. Dracena correu, correu e conseguiu alcançar a bola, quando ela já começava a ultrapassar a linha fatal. Valeu como um gol alvinegro.

A partir dos 20 minutos, porém, o jogo mudou de lado. O Peixe colou a bola no chão e passou a tocar bem, sempre em direção do gol, como tem sido o seu estilo neste ano. Marquinhos, que foi revelado pelo Avaí e até hoje é reverenciado pela torcida, apareceu e dividiu as atenções com Ganso. Aos 23, ele acertou um lindo toque de calcanhar para Zé Eduardo, que dominou, passou pela marcação e, mesmo sem ângulo, pegou um chute certeiro, que entrou no canto direito de Renan. Um belo gol, que renovava as esperanças santistas.

O Santos adiantou cercou o Avaí, que ficou preso em sem campo sem poder sair. Vinha bola de todos os lados e a defesa catarinense ia se virando do jeito que dava. Ganso, Neymar e Marquinhos, com menção honrosa a Zé Eduardo, comandavam as ações. O Peixe voltava a jogar bem, como não se via desde as melhores noites da Copa do Brasil. Mas faltava o gol, algo que sobrou na campanha vitoriosa do mata-mata nacional. Na verdade, faltavam ainda mais dois gols.

Avaí segura o Peixe e a vaga

Dois gols que não vieram. O Santos começou o segundo tempo com a bola nos pés, trocando passes, mas insistindo muito nas jogadas pelo meio. Isso porque os dois laterais, Pará e Léo, não apareceram para o apoio. Marcando implacavelmente, o meio de campo do Avaí ia destruindo as jogadas do Peixe e, graças aos espaços deixados pelos santistas, criou chances de gol.

Aos 7 e 15, o time catarinense só não empatou o jogo porque Rafael salvou. No primeiro lance, Robinho escapou pela direita e chutou cruzado, tantando acertar o ângulo direito. No segundo, Vandinho pegou a bola na entrada da área e chutou rasteiro, buscando o canto direito do goleiro santista. Nos dois lances, o camisa 1 do Peixe espalmou.

Com o paredão azul cada vez mais fechado, graças principalmente à entrada do volante Marcos no lugar do meia Davi, o Santos sofria para se aproximar. Marquinhos, que fez um ótimo primeiro tempo, perdeu fôlego no segundo, virou presa fácil para a marcação e foi substituído por Madson, aos 27 minutos.

A alteração não surtiu efeito. O Santos continuou sem conseguir entrar na defesa adversária. Dorival, então, foi para o tudo ou nada. Tirou o lateral-esquerdo Léo para colocar mais um atacante, Marcel. Mesmo assim, o ataque do Santos continuava descoordenado. Marcel, por exemplo, a não ser por uma cabeçada aos 40, sem muito perigo, não fez nenhuma diferença.

Apesar de todo o volume de jogo do Peixe, o Avaí não passou por nenhum grande apuro no segundo tempo e, até com certa tranquilidade, assegurou sua classificação

veja também