MENU

Será que não estamos pedindo o que já temos?

Quando interagimos com Deus, produzimos com Ele, os resultados que Ele planejou.

fonte: Guiame, Darci Lourenção

Atualizado: Quinta-feira, 30 Abril de 2020 as 3

(Foto: Crosswalk)
(Foto: Crosswalk)

Quero analisar com você alguns comportamentos e atitudes que temos em nosso relacionamento com Deus. Para isso faço um questionamento: Será que não estamos pedindo o que já temos? 

Precisamos lembrar que tudo foi criado por amor de nós. Veja o que o apóstolo Paulo disse à igreja de Corinto: “Porque todas as coisas existem por amor de vós, para que a graça, multiplicando-se, torne abundantes as ações de graças por meio de muitos, para glória de Deus.” (2 Coríntios 4:15)

O que move Deus é simplesmente o “amor”. Aliás, Ele é amor. Sendo assim, age conforme a Sua própria essência imutável. Veja o que o apóstolo João diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16). Ah, você conhece isso! Sabe, portanto, que foi o amor de Deus que enviou Jesus para sua salvação e, como consequência, nos deu o privilégio de usufruir a vida eterna.

No entanto, quando Deus faz (cumpre) sua parte, resta a cada um de nós fazermos a nossa, ainda que seja, simplesmente, crer!

Quando interagimos com Deus, produzimos com Ele, os resultados que Ele planejou. Mas, você sabia que somos responsáveis pelos resultados que alcançamos? Temos que defender e proteger isso.

Os sentidos estão a nossa disposição, e como seus condutores, somos responsáveis pelos resultados que alcançamos.

Ora, um dia discursa ao outro dia o seu esplendor, e você, provavelmente, encontrará esse esplendor no seu dia: um belo nascer do Sol, o prazer de uma boa noite de sono, poder abrir os olhos em uma nova manhã, sentir o aroma prazeroso da natureza em uma praça, ter um momento de comunhão com um amigo, com seu cônjuge ou filho etc.

Agora pergunto: Você valoriza pequenos momentos ou os deixa passar batido? Veja: Você já os tem! Mas pode não os ver. Habitualmente, com nossa rotina no piloto automático, vivenciamos essas coisas de maneira superficial e rápida e, aportamos para outra atividade.

Como aproveitar melhor o que já temos?

Se você começar a contemplar e internalizar essas vivências diárias mais positivas, por vinte, trinta segundos, deixando que entrem fundo em sua consciência, que entranhe em seu interior esses momentos mais positivos, eles irão se acumular e fazer você ser mais positivo de maneira geral.

Com isso, você conseguirá renovar e mudar o formato do seu cérebro e as suas entranhas - a parte do corpo que abriga o coração, que usamos como referência ao lugar onde estão os sentimentos e emoções. Essas entranhas também são a porção mais profunda, distante, impossível de ser alcançada. (Etimologicamente a origem da palavra entranha vem do latim interanea; plural de interaneum, e significa "intestino").

Esse é um princípio que pode se tornar um estilo de vida, sendo utilizado para qualquer experiência positiva de segurança, satisfação, aceitação, bem-estar e unidade. Deixe que sentimentos e pensamentos sejam moldados, agindo como diz em Filipenses: Tudo o que é puro... se entranhe em você.

Ao absorver atitudes positivas, você se torna mais positivo. Por se tornar mais positivo, você absorve mais os momentos positivos. É você quem escolhe a natureza de sua colheita, uns plantam trigo, outros joio. Observe o que você pensa. Não deixe seus pensamentos correrem soltos.

Nós temos o suficiente para ganharmos todas as demandas diárias de nossas vidas, como mais que vencedores, pois temos a vida e estamos vivos!

E se isso não bastasse, nós temos ao Senhor conosco, e não são as nossas armas humanas que garantem as nossas vitórias, mas Ele em nossas batalhas, pois garante, como Jesus garantiu, dizendo “estarei convosco todos os dias” (Mateus 28:20).

Atravessaremos os trechos mais obscuros e menos promissores a pés enxutos.

Hoje, olhe para o que você tem de mais precioso: sua vida.

Depois, contemple Jesus, observe sua fé e verá uma infinidade de bens que o Pai te concedeu, e então diga a si mesmo: “Bendize, ó minha alma ao Senhor”.

Lembre-se que, todos os dias, o Pai ama você!

Por Darci Lourenção, psicóloga, pastora, coach, escritora e conferencista. Foi Deã e Professora de Aconselhamento Cristão. Autora dos livros “Na intimidade há cura”, “A equação do amor” e “Viva sem compulsão”.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Nem tudo está perdido... o melhor está por vir

veja também