MENU

Rolezinho é pouco

Rolezinho é pouco

Atualizado: Terça-feira, 28 Janeiro de 2014 as 10:59

RolezinhoEstou absolutamente consciente da absurda e vergonhosa desigualdade social e da camuflada atitude racista presente no tecido cultural brasileiro. Acredito na necessidade do engajamento militante por transformações das estruturas econômicas e de poder político. Propago a atitude crítica em relação à superficialidade da democracia, quando existem milhões de cidadãos em situação de abandono, vitimados por um Estado envolvido em corrupção sistêmica e com sua máquina pública loteada à mercê de interesses particulares de setores ocupados apenas com a perpetuação de seus privilégios. Sou favor de toda e qualquer manifestação pacífica em termos de protestos e reivindicações justas para o bem comum. 
 
Caso você acredite que todo posicionamento com implicações sociais e políticas pode ser enquadrado em uma das duas categorias, direita e esquerda, considero seu ponto de vista reducionista e ultrapassado. A sugestão de que quem apoia rolezinho é de esquerda, e portanto progressista, e quem não apoia é de direita, e portanto reacionário, é um anacronismo que polariza a discussão, impede a melhor compreensão dos fatos, atrapalha a necessária identificação do conflito subjacente ao fenômeno social, e atrasa a urgente construção coletiva de alternativas de caminhos de justiça e paz. 
 
Uma coisa é o rolezinho da galera da periferia, que ocupou os shoppings centers em busca de um espaço de lazer, azaração e desejo de consumo, em que a atitude transgressiva é inerente aos atos da adolescência e da juventude e a crítica à estrutura social é uma dimensão indireta. Outra coisa é a instrumentalização feita pelos militantes profissionais e grupos sociais organizados, que se apressaram em ideologizar / antropologizar / sociologizar / academicizar o movimento. Digo logo, eu acredito é na rapaziada. 
 
Acho chata essa mania de categorizar ideologicamente todo fenômeno ou comportamento social e explicar de maneira inteligente tudo o que acontece. Acho ridículo esse pessoal que considera o Big Brother um case de psicologia comportamental e um retrato sociológico e antropológico do Brasil. Da mesma maneira, não curto o pessoal que se apropria do rolezinho da molecada e se intromete de maneira oportunista para enfiar no meio da multidão suas bandeiras e gritos de guerra. Rolezinho com caráter político não é mais rolezinho, é protesto, passeata, movimento. A molecada quer pegar umas mina, tirar umas fotos bacanas para postar no face e, se der pra comprar um tênis mizuno, tá bom demais. Rolezinho não é militância. O que sugere, ainda outra coisa, a saber, a relevância das militâncias: a necessária mobilização popular a partir da reflexão crítica dos fatos socias. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.
 
Essa discussão sobre rolezinho me fez lembrar a diferença entre emancipação e libertação, especialmente a partir do pensamento do semiótico Walter Mignolo e do filósofo Enrique Dussel, ambos argentinos. Emancipação é originalmente a busca da liberdade. Implica o rompimento dos vínculos que impedem a autodeterminação. Exige a rebelião do indivíduo (ou grupo social) contra o que o limita e aprisiona a toda e qualquer condição de existência adversa independentemente de sua vontade própria.
 
Mignolo critica o conceito de emancipação, afirmando que se enquadra no universo discursivo do iluminismo, e, portanto, do que chamamos modernidade, que pretendia universalizar o modelo da classe social emancipada das monarquias, baseado na liberdade individual, fundamento da expansão colonial da Europa. Dussel sugere o termo libertação como mais adequado, pois implica o rompimento com as categorias do iluminismo europeu e do pensamento colonial moderno. A emancipação sugere a ascensão na estrutura social estabelecida pela burguesia europeia, enquanto a libertação implica o questionamento e a transformação dessa estrutura. Em termos simples, emancipado é quem sobe a escada social, libertário é quem questiona a existência da escada e acredita inaceitável que se considere justa e definitiva uma sociedade estratificada. 
 
A garotada que ocupa os shoppings centers não está fazendo crítica ao capitalismo neoliberal, e se calhar tá mais a fim de um boné john john e um smartphone com câmera fotográfica turbinada do que interessada em grandes debates e reivindicações de classe. Tudo indica que está mais comprometida com a emancipação. Apenas indiretamente está dizendo que não aceita como natural seu lugar na base da pirâmide e não vai mais permanecer nos perímetros geo-sociais delimitados pela burguesia. E todos têm sua razão. Quem vive longe da justiça não deve ser criticado por aspirar ao conforto. 
 
Também é verdadeiro que, além da emancipação, precisamos caminhar a passos mais largos na direção da libertação. Não basta distribuir ou dar acesso aos bens de consumo. É imperativo acelerar os processos de transformação das estruturas que promovem a perpetuação dos abismos sociais. 
 
Mais do que prática repetitiva, mantenedora do status quo, que tolera a inconformidade desde que submetida ao controle, carecemos de uma práxis libertadora, nos termos do teólogo espanhol Casiano Floristan. Práxis é ação reflexiva, com a coragem de perguntar por que as coisas são como são, questionar se precisam continuar assim, e criativa o suficiente para propor outro jeito de ser gente e ser sociedade, e lançar as sementes que fazem surgir um outro mundo possível.
 
Os fatos ocorridos no JK Iguatemi, em São Paulo, no sábado 18 de janeiro último, ilustram os conceitos de emancipação e libertação. Os rolezinhos geraram um constrangimento que levou o shopping a fechar as suas portas. Na calçada, ficaram tanto a molecada que em sua maioria queria apenas emancipação, quanto os grupos sociais organizados, que militam por libertação. Tomara a molecada aprenda que rolezinho se faz na praça de alimentação, mas militância se faz na calçada. Tomara as duas multidões se encontrem além da busca de emancipação, e marchem juntas a passos largos, rua afora pelo nosso Brasil, clamando e se mobilizando por libertação.
 
 
- Ed René Kivitz
via Facebook
 

veja também