Provérbios para Brasília

Para os políticos atuais, aqueles que estão exercendo o seu turno, dedico dois pensamentos, ambos no capítulo 29 de Provérbios.

fonte: Guiame, Edmilson Ferreira Mendes

Atualizado: Quinta-feira, 26 Dezembro de 2019 as 4:27

(Foto: Pinterest)
(Foto: Pinterest)

A virada chegou. Por mais que os dias sejam iguais, todos com 24 horas, todos com variações climáticas, a virada sempre traz consigo um clima diferente, uma esperança nova, uma expectativa de mudança. 2019 simplesmente não foi fácil. Independente da área ou setor. Tendo ou não fé no Cristo. Sendo ou não pessimista. 2019 foi um ano de superar desafios, reaprender lutas, criar para mudar, se movimentar para não ser engolido pela mesmice, pelo desânimo, pela derrota.

Como nação vivemos um novo governo com todos os seus erros e acertos. Infelizmente, a maior parte da mídia, escolheu um lado, e este foi o seu próprio lado, divulgando apenas os conteúdos que interessavam a sua agenda em declarada oposição ao governo atual. Notas positivas foram raras, discretas e sem nenhum destaque, embora muitas coisas positivas tenham sido feitas.

Na outra ponta, outros veículos cometeram o erro inverso, só falaram de uma agenda positiva e praticamente fecharam os olhos para erros, corrupções e desvios que, mesmo se não foram provados, precisam ser devidamente denunciados e noticiados.

Ou seja, a agenda negativa, aquela que fala sobre erros, corrupções, mentiras e escândalos, evidente que tem de ser noticiada, mas somente ela? Enfim, dos profissionais que deveríamos receber informações de qualidade com isenção e equilíbrio, tanto negativas quanto positivas, acabamos por receber um amontoado de cinismos, mi-mi-mis, fofocas e, descaradamente com o carimbo de “interesse próprio”, aquelas notícias que defendem filosofias e ideologias que lhes beneficiam, independente de serem ou não corretas, independente de grande parcela da população não concordar com as mesmas.

Mas está tudo bem? Deveríamos estar estourando rojões pra comemorar? Nem tanto! Deveríamos sim continuar no conceito passado por Jesus e seus ensinos contidos no novo testamento, dar a César o que é de César, orar por nossas autoridades, interceder por nosso governo e, ao mesmo tempo, vigiar, fiscalizar, denunciar e estarmos atentos aos líderes políticos que lá estão, sejam eles aqueles pelos quais tenhamos ou não simpatia.

Para os políticos atuais, aqueles que estão exercendo o seu turno, dedico dois pensamentos, ambos no capítulo 29 de Provérbios, estão nos versos 2 e 4. Veja a clareza das palavras, parecem ter sido escolhidas neste tempo, olhando para o nosso Brasil: “Quando o governo é formado de homens justos e honestos o povo vive feliz, mas quando os líderes de uma nação são maus e desonestos o povo chora de tristeza.”, “Um rei justo e honesto ajuda seu país a crescer e viver em paz; o rei que quer ficar rico às custas do povo acaba destruindo sua nação.”

Brasília, a nação está cansada de ser extorquida, humilhada, explorada, zombada. Certamente não é todo o povo brasileiro, mas uma grande parte compõe o que denominamos de povo de Deus, como tal, está lançando mão de sua principal arma, a oração. Oramos para um Deus Santo, Soberano, Amoroso e Justo. Ele a tudo e a todos controla com sua forte mão, não zombem e nem usem seu nome em vão, seja para garantir votos, seja para iludir os que amam a Cristo. Apenas façam o que é justo, com zelo, transparência e correção, pois Ele é tanto o que exalta, quanto o que humilha, exemplos na história não faltam. É só assim, nos caminhos dEle, que teremos um feliz 2020.

Edmilson Ferreira Mendes é teólogo. Atua profissionalmente há mais de 20 anos na área de Propaganda e Marketing. Voluntariamente, exerce o pastorado há mais de dez anos. Além de conferencista e preletor em vários eventos, também é escritor, autor de quatro livros: '"Adolescência Virtual", "Por que esta geração não acorda?", "Caminhos" e "Aliança".

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Manjedoura, marco inicial

veja também