MENU

Como vencer o medo

O medo apequena a fé, enfraquece o amor e escure a esperança.

fonte: Guiame, Hernandes Dias Lopes

Atualizado: Sexta-feira, 19 Junho de 2020 as 2:30

(Foto: Crosswalk)
(Foto: Crosswalk)

O medo faz parte da vida humana. Revela nossa limitação e fragilidade. Não somos autossuficientes. Não temos recursos em nós mesmos para superarmos todas as adversidades que se nos sobrevém. A pandemia do coronavírus alarma o mundo, abala as nações e deixa os povos vulneráveis. Precisamos administrar os temores que assaltam o nosso coração. Onde podemos encontrar ajuda? Como podemos aquietar nossa alma aflita? Qual é o refúgio verdadeiro na hora que nossa vida é varrida pela fúria das ondas e açoitada pelos ventos contrários? O apóstolo Paulo diz que Deus não nos deu espírito de medo, mas de poder. O medo atormenta e oprime. O medo tira nossos olhos de Deus para colocá-los nas circunstâncias. O medo apequena a fé, enfraquece o amor e escure a esperança. Como vencer o medo?

Em primeiro lugar, vencemos o medo quando temos consciência de que Deus está no controle de todas as coisas. Nada pega Deus de surpresa nem qualquer situação escapa ao seu conhecimento. Ele tudo vê, tudo conhece e a todos sonda. Ele está assentado no trono, tem as rédeas da história em suas mãos e também o controle de todas as coisas, inclusive dessa pandemia que assusta a humanidade. Vale destacar que mesmo quando perdemos o controle, ele continua no controle. Mesmo quando não sabemos o que fazer, ele controla e dirige os acontecimentos. Mesmo quando os homens entram em pânico, ele permanece imperturbável em seu governo. A história não está à deriva nem caminhando sem rumo ladeira a baixo. Deus não apenas está no controle, mas está trabalhando para aqueles que nele esperam. Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus.

Em segundo lugar, vencemos o medo quando temos a convicção de que Deus é o nosso refúgio e fortaleza na tribulação. O fato de Deus estar no controle não significa que o dia da adversidade não chegue. Faz parte do tratamento de Deus conosco termos que lidar com situações adversas. Não raro precisamos navegar por mares encapelados, caminhar por desertos tórridos e descer a vales escuros. Nessas horas Deus nos prova para nos aprovar. As tempestades vêm não para nos destruir, mas para tonificar as musculaturas da nossa alma. Nas tribulações desenvolvemos a paciência triunfadora e através dessa paciência, temos experiências com Deus e saímos da prova mais fortes. Como o metal lançado ao fogo, percebemos que o fogo da prova só queima nossas escórias. Saímos da fornalha de Deus mais puros e mais preciosos aos seus olhos.

Em terceiro lugar, vencemos o medo quando temos a experiência de lançar sobre Deus todos os nossos temores. Em nos vindo o temor, devemos confiar no Senhor. Dele vem o nosso socorro. Ele é o nosso refúgio. Debaixo de suas asas encontramos proteção dos perigos que nos ameaçam. Deus é maior do que os problemas que nos afligem. O que nos ameaça está rigorosamente sob o seu controle. Se ele está conosco, ainda que andemos pelo vale da sombra da morte, não precisamos temer. Se ele é por nós, quem será contra nós? Porque nós estamos nele e ele está em nós, podemos ter plena certeza de que nem a morte nem a vida, nem anjos nem principados, nem coisas do presente nem do porvir poderão nos separar do seu amor. Não sobrecarregue seu coração com o medo. Esse fardo é pesado demais para você levar. Lance sobre o Senhor toda a sua ansiedade. Deixe aos pés do Senhor os seus temores. Entregue, confie e descanse. Ele é poderoso para cuidar de você agora e sempre. Sua bondade e sua misericórdia vão escoltar você até à glória. Ele mesmo tomará você pela mão, guiará você com seu conselho eterno e depois receberá você na glória. Medo não, confiança em Deus, sim!

Por Hernandes Dias Lopes - pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, escritor, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil e diretor executivo da Editora Luz para o Caminho.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Três lições da pandemia

veja também