Inversão de valores, a vida de ponta-cabeça

A vida está de ponta-cabeça. Os valores estão invertidos. Não existe mais o certo e o errado.

Fonte: Guiame, Hernandes Dias LopesAtualizado: quarta-feira, 29 de dezembro de 2021 18:11
(Foto: Unsplash/Julian Hochgesang)
(Foto: Unsplash/Julian Hochgesang)

Historiadores de escol afirmaram, e com razão, que o império romano só caiu nas mãos dos bárbaros porque já estava podre por dentro. Como somos lerdos em aprender com os erros da história, estamos fadados a cometer os mesmos desvarios e colher os mesmos resultados amargos.

Em nome do progressismo, estamos assistindo uma realidade inglória da destruição dos valores morais. Agendas progressistas não querem apenas tolerância para se praticar toda sorte de desvarios comportamentais, mas querem também empurrar goela abaixo um estilo de vida às avessas para toda a sociedade. 

Jeitosamente, militantes ferrenhos dessa inversão de valores se infiltram em todos os setores da sociedade, laborando sem pausa na desconstrução da ética judaico-cristã. Querem jogar fora todo o legado que herdamos dos nossos antepassados. Querem uma sociedade sem limites, rendida à ditadura do relativismo moral. 

Pelas lentes embaçadas dessa cosmovisão, o certo é errado e o errado é certo; a luz é escuridão e a escuridão é luz; o doce é amargo e o amargo é doce. A vida está de ponta-cabeça. Os valores estão invertidos. Não existe mais o certo e o errado.

Alistaremos aqui, quatro aspectos dessa inversão de valores:

Em primeiro lugar, a inversão de valores quanto à dignidade da vida. Os ativistas pró-aborto fazem uma distinção grotesca entre vida humana e pessoa humana. Admitem que o feto é uma vida humana, mas negam direito à vida àqueles que dizem não ser ainda uma pessoa humana. Assim, veem o feto que está sendo formado como uma massa indesejável que pode ser descartada do corpo da mãe, como uma verruga pestilenta. 

Certamente, o aborto pode ter o amparo das leis humanas, mas jamais terá o aval da lei de Deus. A vida começa na concepção e Deus é o autor da vida. É prerrogativa divina dar a vida e tirar a vida. O aborto é assassinato e assassinato com requintes de crueldade. Ser a favor do aborto é abraçar a cultura da morte, em nome dos direitos humanos. É negar o mais sagrado dos direitos, o direito à vida, o direito de nascer e de viver.

Em segundo lugar, a inversão de valores quanto à dignidade do gênero. Os ativistas radicais, na contramão da ciência, querem emplacar a ideia de que a criança nasce neutra e ela mesma é que deve escolher se quer ser do gênero masculino ou feminino. Desde a concepção, porém, essa definição de gênero já é estabelecida biologicamente. 

O zigoto, o embrião e o feto já trazem essa definição. Todos os órgãos internos e externos do menino e da menina se desenvolvem, naturalmente, desde o ventre materno. Afirmar que a decisão de gênero é uma questão pós-nascimento é conspirar contra a ciência e contra os valores básicos que sustentaram a família e a sociedade desde as priscas eras.

Em terceiro lugar, a inversão de valores quanto à dignidade do casamento. O casamento foi a primeira instituição divina. Deus criou o homem e a mulher distintos e uniu-os em casamento para uma relação de complementaridade. Só uma relação heterossexual pode cumprir o mandato cultural de procriação e perpetuação da raça. 

A relação homoafetiva pode ser aceita e regulamentada pelas leis dos homens, mas jamais será sancionada pela lei de Deus. A sociedade humana muda, as leis humanas mudam, mas a Palavra de Deus é imutável. Ela não se dobra diante da cultura. Ela não é julgada pela cultura. Ela continua sendo a única norma absoluta de fé e de conduta que devemos seguir, se quisermos viver em consonância com o propósito para o qual fomos criados.

Em quarto lugar, a inversão de valores quanto à dignidade da família. Há uma cruzada ostensiva contra a família tradicional neste tempo. Há um esforço colossal para acabar com a ideia de pai e mãe, homem e mulher, menino e menina. Querem impor até mesmo uma linguagem neutra, para apagar de vez com o conceito de masculino e feminino. Infelizmente, o esforço para implementar essa agenda conta com o apoio de parlamentos e cortes. 

A grande mídia, o cinema e o teatro estão de mãos dadas para tirar do mastro a bandeira da família tradicional, conforme instituída por Deus, para fincar um novo estandarte, o estandarte da família permissiva, acéfala e desgovernada como uma nau sem rumo. A pergunta do salmista cruza os séculos e chega até nós, com voz retumbante: “Ora, destruídos os fundamentos, o que poderá fazer o justo?” (Sl 11.3).

Hernandes Dias Lopes é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, escritor, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil e diretor executivo da Editora Luz para o Caminho.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Os pilares da Reforma Protestante

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições