Teologia de Palha

Teologia de Palha

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:27

N um voo doméstico há alguns dias,  li numa dessas revistas insossas de uma linha aérea qualquer, uma entrevista com a senhora Lily Marinho, esposa do falecido "mogul" Roberto Marinho, fundador das organizações Globo.

P ergunta:  " -  A senhora é religiosa?"

R esposta:  " - Sou católica mas às vezes fico zangada com Deus. Uma vez perguntei a um padre: Se Deus é tão bondoso porque deixa acontecer incêndios, essas coisas…? Ele disse que Cristo morreu com 33 anos e não teve tempo de pagar em vida o mal da humanidade, então as pessoas tem que pagar o que Cristo não teve tempo de fazer…"

"E ita teologiazinha vagabunda! Isso lá é resposta que um sacerdote da suposta fé apostólica dá a um fiel em conflito?" Onde o tal sacerdote aprendeu sua teologia? Estava bêbado ou dormia nas aulas em seus dias de seminário? Que soteriologia enviesada é essa que ele inventou? Foi insuficiente o sacrifício de Jesus? Resta realmente algo que o homem possa fazer para aprimorar sua salvação?

L utero certamente errou feio ao julgar a teologia de Tiago e despachar sua epístola como uma epístola de palha (a ser queimada); em sua obsessão com a teologia da graça, falhou em identificar coerência e consonância entre seu pensamento e aquele apresentado por Tiago. O irmão do Senhor alfineta em sua carta os religiosos de plantão, alertando que "a fé sem obras é morta." Não basta apresentar uma fé de discurso, recheada de rezas e ritos.

E aí? se a fé sem obras é mortas, estaria Tiago afirmando que a graça não é suficiente? está contradizendo o ensino Paulino que afirma que a salvação é pela graça, mediante a fé…? Temos que fazer obras para alcançarmos a salvação? Não, Tiago não está afirmando isto. O que o saudoso "joelho de camelo" está dizendo é basicamente a mesma coisa dita por Paulo. Fomos criados para as boas obras... A fé viva é dinâmica, e por essa razão, produz obras espontaneamente. As obras não levam à salvação, mas a salvação leva às obras! A fé que não gera obras está assim, virtualmente, morta!

O padre católico, de quem a socialite ouviu que as "pessoas tem que pagar o que Cristo não teve tempo de fazer", estava sem dúvida sob o efeito de algum "spirit" (em ingles qualquer bebida destilada como vodca, run, tequila…) ou mesmo de outro espírito qualquer que não o Santo, enviado para nos guiar em toda verdade. Quando neste estado, perde-se como faz-se perder, quer leigo, quer sacerdote!

Luiz C. Leite é pastor, psicanalista, administrador de empresas, conferencista e escritor. Autor de "O poder do foco", editora Memorial; e "A inteligência do Evangelho", editora Naós; além de vários títulos por publicar.

Confira o blog do escritor: http://luizvcc.wordpress.com/

- Clique no link para ver o vídeo do livro "O PODER DO FOCO"

- Clique no link para ver vídeo do livro "A INTELIGÊNCIA DO EVANGELHO"

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições