Atmosfera de Chanucá

Purim havia se tornado um feriado 189 anos antes por causa da milagrosa vitória sobre os persas, e Chanucá foi a resposta à milagrosa vitória sobre os gregos.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 8 de dezembro de 2020 17:13
(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

“E Iosef respondeu a Faraó, dizendo: “Não eu; D-us dará uma resposta [que trará] paz ao Faraó” (Bereishit 41:16).

CHANUKAH foi o último feriado judaico a ser estabelecido. Purim havia se tornado um feriado 189 anos antes por causa da milagrosa vitória sobre os persas, e Chanucá foi a resposta à milagrosa vitória sobre os gregos.

O mundo mudou drasticamente durante esses 189 anos. Quando Mordechai e Ester planejaram sua virada, os profetas ainda caminhavam pela face da terra. Quando Mattisyahu e seus filhos os realizaram, a profecia se foi há muito tempo e Hester Panim – o esconderijo do rosto de Deus – tornou-se bastante intenso.

A maneira como comemoramos os dois feriados reflete realmente essa diferença de realidades. Purim é muito pró-ativo, com muito o que fazer nas 24 horas do feriado: Megillah, Matanot L´Evyonim, Mishloach Manot e, claro, o Mishteh – a festa da bebida!

Chanucá, por outro lado, é tão passivo. Você pode fazer um seudah, mas não precisa. É uma “Mitzvah Reshut”. Basicamente, a única mitzvah “real” é a iluminação da Menorá, pelo menos uma vez por vela a cada noite, e apenas fica ao redor dela, sem usar sua luz, por cerca de meia hora. Latkes e sufganiot são puramente opcionais, nem mesmo um “Mitzvah Reshut”, e muito ricos em calorias.

Faz Chanukah parecer um feriado de “etiquetar”, que aconteceu por acaso no fundo do exílio grego porque era necessário. Purim tem esse sentimento bíblico, mas não Chanucá. Chanucá mal se sente rabínico, mais histórico, uma mera comemoração de um evento incrível.

Mas o que você diria se eu lhe dissesse que toda a história até Chanucá era apenas para tornar realidade o feriado de Chanucá? Até Purim era apenas um acúmulo de Chanucá, e Chanucá é o principal a que nos apegamos para ter uma passagem segura para a Era Messiânica, quando a luz de Chanucá brilha todos os dias para que Chanucá pare de ser apenas oito. dia de feriado.

Deixe-me sugerir uma analogia. Digamos que um pai queira entregar seus negócios ao filho. No começo, quando o filho aparece no trabalho para começar a aprender as cordas, o pai está por perto. E ele também tem seus funcionários direcionam o filho e o ajudam sempre que ele precisar de ajuda.

Mas, à medida que o tempo passa e o filho começa a se sentir mais confortável no escritório, familiarizando-se com todos os meandros do negócio, o pai sente menos necessidade de vigiar por cima do ombro do filho. Ele deliberadamente recua e dá espaço ao filho para começar a agir e se sentir mais como um chefe.

Eventualmente, o pai se remove completamente e deixa o negócio inteiro nas mãos de seu filho. Ele pode verificar os negócios de tempos em tempos e talvez até oferecer alguns conselhos de vez em quando. Mas, na maioria das vezes, o pai se afasta completamente para deixar o filho fazer as próprias coisas.

Hester panim, o esconderijo do rosto de D-us, é sempre uma faca de dois gumes. Por um lado, permite às pessoas negar a existência de D-us e dar as costas à Torah. Por outro lado, oferece a uma pessoa a oportunidade de enfatizar sua crença em Deus e na Torah, fazendo Sua vontade em um momento em que Sua existência não é óbvia.

Da mesma forma, existem dois níveis nos quais a história pode ser entendida. No Jardim do Éden, a Presença de D-us era inevitável. Mesmo depois de partir, ele ainda falava com as pessoas, e isso durou bem além da metade da história, até 3448 ou 313 AEC. É por isso que até os inimigos judeus, todo o culto a seus ídolos, ainda reconhecem a realidade do Deus judeu e, às vezes, até mostram a Ele respeito.

Mas D-us esteve se afastando da história o tempo todo. De um jeito ou de outro, D-us tornou cada vez mais difícil “vê-lo”. Hoje, é o mais difícil de todos graças à ciência, que fez um trabalho incrível de desmistificar a Criação a tal ponto que cientistas e evolucionistas se sentem completamente confiantes em seus pontos de vista heréticos.

Mas, como diz Chazal, uma luz brilha mais forte, mesmo que pequena, quando está mais escura. Como a lua disse a D-us, de que serve a luz quando já está clara? Agora a luz da lua é brilhante contra o céu noturno escuro, junto com o acompanhamento de estrelas.

Todos gostamos de viver na luz. As pessoas ficam deprimidas quando os dias ficam mais curtos no inverno. A noite é comparada à morte. As pessoas têm medo do escuro, e muitas vezes com razão.

Mas, por outro lado, uma pessoa pode olhar para a escuridão como um tempo para sua própria luz brilhar. Entre outras luminárias, sua luz pode ser invisível. Mas no escuro, até uma pequena luz é perceptível a uma certa distância. É por isso que a rebelião de Chanucá foi tão pequena, para enfatizar como, durante os tempos sombrios, poucos conseguem superar os muitos, ou seja, pequenas luzes podem conquistar grandes trevas.

Essa é a nossa oportunidade sempre que a escuridão nos envolve em qualquer nível, em qualquer lugar, seja na escuridão física ou emocional. Isso realmente não importa. De qualquer jeito é uma oportunidade de dar luz a um mundo sombrio e fazer uma grande diferença para a Criação e a história.

Afinal, a Criação foi feita em prol do livre arbítrio. O livre arbítrio foi dado ao homem para revelar D-us no mundo. Quando ele faz isso, ele recebe sua recompensa no mundo vindouro, o presente final que Deus fez para o homem receber. Quanto maior a vontade, maior a revelação, maior a recompensa no mundo vindouro.

Como o pai que dirige o negócio, D-us estava muito disponível nos “primeiros anos”. Era mais difícil revelar D-us porque Ele já era tão revelado por Ele mesmo. Profecia. Milagres. Todos eles gritaram que D-us estava vivo, bem e funcionando na história, então o teste principal foi garantir que você servisse ao D-us CERTO, e da maneira CERTA.

Como o pai que dá seus negócios ao filho, Deus, em certo sentido, entregou a Criação ao homem. Ah, ele está sempre lá, executando coisas nos bastidores, porque, afinal, ele é D-us. Como Ele NÃO pode estar envolvido em tudo.

Mas Ele faz isso de uma maneira que permite que as pessoas avancem e façam parecer que ELES são os que revelam D-us no mundo. É NOSSO trabalho principalmente fazer aquilo que torna real a existência de D-us para o homem, para que eles possam reconhecer Sua existência e se relacionar com ele. Chanucá fez, FAZ isso perfeitamente claro.

E o mesmo acontece com essas parashiot. Desde a Parasha Vayishlach, o mundo da família de Ia´aqov tornou-se cada vez mais sombrio. As coisas continuaram dando errado e piorando. Até a parashá desta semana, o que é perfeito para o Shabat Chanukah. É quando Ia´aqov Avinu e Iosef HaTzaddik mostram à família e às gerações futuras como iluminar as trevas e usá-las para revelar Deus, sem mais ocultá-lo.

Afinal, o Egito era um lugar MUITO escuro, espiritualmente. E, no entanto, Potifar primeiro, e depois o próprio Faraó, o “rei das trevas” reconheceu a realidade de Deus. Eles até se voltaram para Iosef por causa de sua conexão com D-us, um enorme Kiddush Hashem. Ele era uma luz brilhante de qualquer maneira, mas a luz de Iosef era ainda mais brilhante por causa de onde ela emitia luz.

É por isso que existem tantas dicas importantes para Chanucá nessas parashiot (sobre as quais você pode aprender nos meus livros, “A luz dos 36” e “Uma vez revelado, duas vezes oculto”). Chanucá é o fio que une toda a história, e é certamente a luz que unifica todas essas parashiot e, eventualmente, a família de Ia´aqov.

Chanukah Samayach.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Assim como Seu Nome

Siga-nos

Mais do Guiame