MENU

Descubra o Messias na Profecia de Miquéias 5:2 – Visão Rabínica e Cristã

Veremos o que os rabinos de hoje e os sábios judeus do passado dizem sobre Belém e o Messias na passagem de Miquéias 5:2.

fonte: Guiame, Mário Moreno

Atualizado: Segunda-feira, 6 Janeiro de 2020 as 4:21

(Foto: Pinterest)
(Foto: Pinterest)

Como um ministério, acreditamos que Ieshua é o Messias. Temos tanta certeza por causa de profecias como Miquéias 5:2 (5:1 na Bíblia Hebraica) que parecem identificar cedo Belém como o local de nascimento do Messias.

Por 2.000 anos, os cristãos apontaram e confiaram nessa profecia como uma peça de evidência para provar a verdadeira identidade espiritual de Ieshua.

Mas é isso que o Profeta Miquéias realmente prediz?

Miquéias profetizou: “Mas tu, Belém de Efrata, que é pouco para estar entre os milhares de Judá, de ti sairá a Mim que deve ser governante em Israel; cujas saídas são desde a antiguidade, desde os dias antigos.” (Miquéias 5:2 na Bíblia Cristã; ou 5:1 na Bíblia Hebraica).

Neste artigo, veremos o que os rabinos de hoje e os sábios judeus do passado dizem sobre Belém e o Messias nesta passagem. Então veremos como os cristãos ao longo dos séculos responderam.

Mas primeiro, vamos olhar para o profeta Miquéias.

Miquéias: Quem é semelhante a IHVH?

O nome Micah (מִיכָה) é uma forma abreviada de Micayahu (מִכָיָה וּ). No final de seu livro, Micah invoca seu nome para se gabar da fidelidade de Deus para restaurar um povo infiel.

Ele pergunta: Quem (Mi) é como (ka) Yah (yah)?

O livro de Miquéias começa com suas origens: a cidade agrícola de Moresheth, na Judeia, a cerca de 40 quilômetros a sudoeste de Jerusalém (Miquéias 1:1). 

Ele profetizou entre 737 e 696 aC, para os reinos do norte e do sul da nação dividida de Israel e Judá. Mas, principalmente, ele profetizou de sua base rural na Judéia, entre os pobres e desfavorecidos.

Ao mesmo tempo, o profeta Isaías foi recebido na corte da capital, Jerusalém. A mensagem de Miquéias, de fato, é consistente com a de Isaías. Por esse motivo, alguns estudiosos chegaram a especular que ele era um estudante de Isaías.

Miquéias alertou, por exemplo: “Ai dos que inventam iniquidade e praticam o mal em suas camas! Quando a manhã está clara, eles a executam, porque está no poder de suas mãos” (2:1).

Isaías também declarou: “Porque o terrível é levado a outro lugar, e o escarnecedor cessa, e todos os que observam a iniquidade são exterminados” (Is 29:20; ver também Isaías 32:6–7 e 33:15).

Sábios Judaicos: Século I

Antes do nascimento de Ieshua, alguns sacerdotes judeus e pelo menos uma tradução oficial das Escrituras acreditavam que Miquéias 5:2 significava que o Messias viria de Belém da Judéia, que em tempos mais antigos se chamava Efrata. (Encontramos esta cidade da Judéia mencionada em Gn 35:16, 35:19 e 48:7.)

Essas traduções das Escrituras para o idioma comum do povo, o aramaico, eram chamadas Targums. Uma tradução do Tanakh (Antigo Testamento) verifica que vários eruditos antigos acreditavam que o Messias nasceria em Belém.

Hoje, os rabinos ainda consideram esse Targum autoritário, dando uma visão dos pensamentos dos líderes judeus naquele momento. Vamos dar uma olhada nesta tradução atribuída ao trabalho de Jonathan (Yonatan) ben Uzziel, c. 50 aC.

O Targum Yonatan: primeiro século aC

“E tu, ó Belém Efrata, de ti sairás de Mim, o Messias, para exercer domínio sobre Israel.”

Na época do nascimento de Ieshua em Belém, cerca de 50 anos após a tradução acima ter sido lida pela primeira vez nas sinagogas, ainda era comum entender entre os líderes religiosos e o povo de Israel que o Messias viria de Belém na Judéia.

Lemos sobre isso nos evangelhos de Mateus e João.

Brit Chadashah: século I dC

O Evangelho de Mateus, embora escrito após a vida, morte e ressurreição de Ieshua, relata uma conversa entre o rei Herodes e os magos do Oriente, que estavam procurando o rei dos judeus: “Quando o rei Herodes ouviu isso [o nascimento de um rei] ele ficou perturbado, e toda a Jerusalém com ele. Quando ele reuniu todos os principais sacerdotes e mestres da lei do povo, perguntou-lhes onde nasceria o Messias ‘Em Belém, na Judéia’, responderam eles, pois é isso que o profeta escreveu”: ‘Mas você, Belém, na terra de Judá, não é de modo algum menos importante entre os governantes de Judá; porque de ti virá um governante que pastoreará o meu povo Israel” (Mateus 2:3–6).

Trinta anos após o nascimento de Ieshua, as pessoas comuns estavam diante dele no templo e afirmaram esse entendimento dizendo: “As Escrituras não dizem que o Messias virá dos descendentes de Davi e de Belém, a cidade onde Davi morava?” (João 7:41-42).

Essa crença, tanto dos estudiosos quanto das pessoas comuns, de que o Messias nasceria em Belém, permaneceu consistente por pelo menos dois séculos após a morte de Ieshua.

Midrash Rabbah: primeiro e segundo século

No estilo literário judeu típico, a história a seguir, conhecida como Midrash, foi escrita para ilustrar crenças judaicas significativas.

Confirma para Israel que, quando ocorrer um desastre, a libertação não está muito atrás e que até o estrangeiro sabia que o Consolador viria de Belém.

“A história a seguir apoia o que R. Judan disse em nome de R. Aibu: Aconteceu que um homem estava lavrando quando um de seus bois abateu. Um árabe passou e perguntou: ‘O que você é?’ Ele respondeu: ‘Eu sou judeu’. Ele lhe disse: ‘Desamarra o teu boi e desamarra o seu arado’ [como uma marca de luto]. ‘Por quê? ‘ele perguntou. “Porque o templo dos judeus é destruído.” Ele perguntou: ‘De onde você sabe disso?’ Ele respondeu: ‘Eu conheço desde o princípio do seu boi’. Enquanto conversava com ele, o boi baixou novamente. O árabe disse-lhe: ‘Aproveite o seu boi e amarre o seu arado, porque nasce o libertador dos judeus’. ‘Qual é o nome dele?’ ele perguntou; e ele respondeu: ‘O nome dele é “Consolador”.’ Qual é o nome do pai dele? Ele respondeu: ‘Ezequias’. ‘Onde é que eles vivem?’ Ele respondeu: ‘Em Birath Arba, em Belém de Judá. ‘” (Midrash Rabbah, Lamentações 1:51)

O Midrash acima é na verdade uma parte de uma história muito maior.

Os rabinos cujas vozes estão gravadas no Midrash completo discutem qual poderia ser o nome do Messias. Alguns dizem que seu nome seria Consolador, outros dizem Shiloh, Menachem, Yanun e David sem chegar a um consenso.

Tecida no tecido de suas discussões, essa parte se destaca. Ao referenciar o local de nascimento do Messias, isso demonstra que alguns rabinos esperavam que ele nascesse em Belém.

À medida que a história se desenrola, esse fazendeiro judeu vende o que tem, inicia um novo negócio em roupas infantis e vai de cidade em cidade procurando por essa criança, terminando sua jornada em Belém.

Nos próximos 800 anos, a crença de que o Messias nasceria em Belém mudaria drasticamente.

Sábios Judeus: Idade Média

O prolífico autor medieval Rabino Shlomo Itzhaki (1040-1105 dC), conhecido pelo acrônimo RaSHi, não acreditava que o Messias nasceria em Belém.

Em vez disso, ele acreditava que o Messias seria da linhagem de Davi, que nasceu em Belém. Em seu comentário sobre Miquéias 5:2, ele ligou Belém exclusivamente a Davi desta maneira: “E você, Belém, Efrata: de onde Davi emanou, como se afirma (I Sm 17:58): ‘O filho do seu escravo, Jessé, o belemita’. E Belém é chamada Efrata, como é dito (Gn 48:7): ‘No caminho para Efrata, isso é Belém.’” (Brachot 5a).

O rabino David Kimhi (1160–1235 dC), conhecido pelo acrônimo RaDaK, era um rabino medieval, comentarista bíblico, filósofo e gramático.

Ele também ligou Belém a Davi, acreditando que o Messias viria da semente de Davi, que era de Belém: “Ele [Micah] chamou de ‘Efrata’ para deixar claro de que Belém estava falando… de ti sairás de mim um juiz para governar em Israel. E este é o rei Messias, e a interpretação é que você será contado entre as cidades dos milhares de Judá. Você é jovem comparado a eles, mas mesmo assim, de você sairá para mim o Messias, pois ele será da descendência de Davi, que era de Beit Lehem” (Mekra’ot Gadolot, comentário de Radak sobre Micah).

Embora Radak acreditasse que esse “governante em Israel” é o Messias, ele continua dizendo que Ieshua não poderia ser o Messias, pois ele nunca governou Israel, mas foi governado por Israel – especificamente, pelo Sinédrio (conselho judaico).

O Sinédrio acusou Ieshua de blasfêmia e declarou: “Ele praticou feitiçaria e levou Israel a apostasia.” O veredicto: “Ele merece a morte” (Sinédrio 43a; Mt 26: 65–66).

Rabinos Judeus, Estudiosos, Autores: dias atuais

Hoje, muitos judeus renunciam ao entendimento dos primeiros sacerdotes e pessoas comuns que confiavam em Targum, Brit Chadashah e Midrash para entender esse versículo.

Em vez disso, seguem as opiniões de Rashi e Radak de que o Messias não nasceria em Belém, mas que ele viria da linhagem de Davi, que era de Belém.

Vemos essa agora típica visão judaica em várias publicações judaicas, como nos escritos do autor judeu ortodoxo Gerald Sigal: “Este versículo [Miquéias 5:2] se refere ao Messias, um descendente de Davi. Desde que Davi veio de Belém, a profecia de Miquéias não fala de Belém como o local de origem do Messias”.

“O texto não significa necessariamente que o Messias nascerá naquela cidade, mas que sua família se origina a partir daí. Da antiga família da casa de Davi sairá o Messias, cuja existência eventual era conhecida por D-us desde o início dos tempos”.

Crença cristã moderna

Muitos cristãos não foram expostos às ideias de Rashi, Radak ou rabinos modernos em relação a Miquéias 5:2, o que explica por que ainda acreditam no que o Evangelho conta, Targum Yonatan, sacerdotes e pessoas comuns acreditavam: Belém é o lugar do nascimento do Messias.

Os cristãos, portanto, respondem ao pensamento revisado nos últimos mil anos de várias maneiras:

Primeiro, eles concordam com os sábios judeus ao longo dos milênios que o Messias deve ser um descendente do rei Davi. Isto é confirmado com muitas Escrituras, que iremos descobrir ao longo desta série de profecias.

No entanto, esse fato não significa que o Messias não poderia ou não nasceria em Belém.

Segundo, a Brit Chadashah fornece uma visão dos pensamentos dos sacerdotes do Templo e das pessoas comuns na época de Ieshua: eles acreditavam que o Messias nasceria em Belém (ver Mateus 2:1–6; Lucas 2:4-7; João 7:41–42).

Terceiro, a ideia de Radak de que Ieshua não pode ser o Messias porque Ele nunca governou Israel (mas foi governado) precisa ser entendida considerando duas coisas:

1. Uma história cristã violenta ampliou a resistência judaica contra a fé cristã, vendo-a como um ataque à sua fé e vida. Isso levou os rabinos medievais a intensificar sua oposição a Ieshua como Messias.

2. Radak vê Ieshua como um homem e um falso professor.

Os cristãos, por outro lado, aceitam e creem que Ieshua veio ao mundo como Isaías descreve nesta profecia messiânica: “Porque para nós nasce um filho, nos é dado um filho; e o governo estará sobre Seus ombros; e Seu nome será chamado Maravilhoso, Conselheiro, D-us poderoso, Pai eterno, Príncipe da Paz” (Isaías 9:6; 9:5 na Bíblia Hebraica).

De acordo com esta e muitas outras profecias messiânicas, os cristãos acreditam que Ieshua é divino e que Ele governa todos os assuntos do homem, incluindo Israel, primeiro espiritualmente e logo fisicamente.

Esta posição é de fato a mais coerente por que além de tudo está de acordo com outros escritos rabínicos que nos ensinam que o Messias viria em duas etapas: como Ben Iosef – Filho de Iosef – e também como Ben David – Filho de David. O primeiro viria para sofrer e o segundo virá como o guerreiro que redimirá Israel de forma definitiva.

Por isso é necessário ter cuidado e examinar não somente as Escrituras como também a tradição judaica de forma completa para não errarmos. Ieshua além de ser o Messias nasceu também em Beit Lechen – Belém – para redimir e salvar a Israel e a todo aquele que deseja isso!

Baruch ha Shem!

*Tradução e Adaptação

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O mês de Kislêv

veja também