Festa das Cabanas para judeus e gentios

Sucot é um dos três festivais de peregrinação chamados Shelosh Regalim (três peregrinações) em que o povo judeu devia ir ao templo de Jerusalém como uma nação.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: sexta-feira, 2 de outubro de 2020 15:08
(Foto: Beth Shalom NB)
(Foto: Beth Shalom NB)

O feriado bíblico de Sucot (festa dos Tabernáculos).

“Em Sucot você habitará durante sete dias: todos os cidadãos de Israel habitarão em Sucot” (Lv 23:42).

Esta noite, ao entardecer, começamos a celebração de Sucot (festa dos Tabernáculos / cabanas), que completa o ciclo das festas da Torah.

Este maravilhoso feriado bíblico dura sete dias!

É um dos três festivais de peregrinação chamados Shelosh Regalim (três peregrinações) em que o povo judeu devia ir ao templo de Jerusalém juntos como uma nação.

Os outros dois são Pessach (Páscoa) e Shavuot (Festa das semanas) (Dt 16; Êx 23:14–17).

Um dos nomes de Sucot é o Festival das Nações. E certamente vemos sinais das Nações, abraçando-a hoje. Pessoas de todo o mundo se reúnem em Jerusalém para isso.

De acordo com o profeta Zacarias, este feriado também tem uma dimensão profética que ainda está para ser cumprida.

O Messias quando retornar e estabelecer o seu reino, todas as Nações deverão manter este feriado por subir a Jerusalém para celebrar Sucot (Zc 14:16–17).

Naquele dia, o Messias Ieshua vai se tornar Sucá de Israel (Tabernáculo). Sua presença vai abrigar Israel e ela já não vai ser oprimida pelas Nações.

O primeiro dia de Sucot é um sábado e a maioria das formas de trabalho são proibidas.

Nos outros dias do feriado são chamados de Chol Chol HaMoed (dias de semana do festival ou período intermediário). Durante estes dias a carga de trabalho é reduzida, e em Israel, muitas pessoas tiram a semana como férias.

Após o tempo sombrio e introspectivo de Iom Teruah (Rosh Hashaná/ ano novo judaico) e Iom Kipur (Dia da expiação), Sucot é uma celebração jubilosa de relacionamento renovado com D-us seguindo a expiação dos pecados.

Durante esta época festiva, recordamos como a fidelidade de D-us a nossos ancestrais enquanto eles vaguearam pelo deserto de Sinai por 40 anos antes de entrar na terra prometida de Israel.

“Sete dias habitareis debaixo de tendas: todos os naturais em Israel habitarão em tendas: para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito; eu sou o IHVH vosso Elohim” (Lv 23:42–43).

Em Sucot nos lembramos da bondade e misericórdia na liderança do Eterno a guiar Israel de dia com um pilar de nuvem e protegê-los durante a noite com um pilar de fogo e para lhes fornecer o maná diário de D-us.

Assim como Israel habitou em abrigos temporários – que em Hebraico se chama Sucot (Sucá é singular) – então habitamos em Sucot neste tempo.

A maioria das pessoas em Israel e o povo judeu ao redor do mundo, constrói uma cabana temporária ou abrigo com uma coberta de galhos ou folhas de palmeira.

Durante sete dias e noites, comemos na Sucá e consideramo-la nossa habitação; alguns ainda vivem na Sucá inteiramente para a duração do festival.

Arba Minim: As quatro espécies

“E ao primeiro dia tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmas, ramos de árvores espessas, e salgueiros de ribeiras; e vos alegrareis perante o IHVH vosso Elohim por sete dias” (Lv 23:40).

Outra observância efetuada em cada dia de Sucot, exceto Shabat, são as Quatro espécies (Arbah Minim): um etrog (cidra), um lulav (palmeira), três hadassim (galhos de murta) e dois aravot (ramos de salgueiro).Eles são ligados de tal forma que eles possam ser juntados facilmente.

O lulav, hadassim e aravot primeiro são ocupados com a mão direita e em seguida o etrog é tomado com a mão esquerda. Uma bênção é recitada sobre as quatro espécies:

“Bendito sejas tu, Eterno… que nos santificaste com teus mandamentos e mandou-nos tomar o lulav.”

Para leste e onde se situava o templo em Jerusalém, as quatro espécies são então agitadas em todas as seis direções: direita, esquerda, para a frente, para cima, para baixo e para trás.

A tradição rabínica explica que as quatro espécies representam as várias personalidades que compõem a comunidade de Israel. Eles são mantidos juntos e uma bênção é recitada sobre eles para abençoar a unidade de todas as pessoas, o que é enfatizada em Sucot.

A época de nossa alegria

“Você deve alegrar-se perante o IHVH teu Elohim” (Lv 23:40).

Um dos nomes para Sucot é Z’man Simchateinu (A temporada da nossa alegria). Nas Escrituras, na verdade, a alegria da palavra aparece várias vezes no contexto de Sucot.

“A festa dos tabernáculos guardarás sete dias, quando colheres da tua eira e do teu lagar. E na tua festa te alegrarás, tu, e teu filho, e tua filha, e o teu servo, e a tua serva, e o levita, e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão das tuas portas para dentro. Sete dias celebrarás a festa ao IHVH teu Elohim, no lugar que o IHVH escolher: porque o IHVH teu Elohim te há de abençoar em toda a tua colheita, e em toda a obra das tuas mãos; pelo que te alegrarás certamente” (Dt 16:13–15).

Desde que Sucot é também um festival da colheita, podemos bem imaginar que há grande motivo de alegria. Com efeito, um dos outros nomes para o feriado é a festa de colheita.

“E a festa da sega dos primeiros frutos do teu trabalho, que houveres semeado no campo, e a festa da colheita à saída do ano, quando tiveres colhido do campo o teu trabalho” (Êx 23:16).

A alegria deste feriado é tão singular e completa que muitos textos rabínicos só se referem a ele como HaChag (A Festa).

Durante os tempos antigos, todos os dias do Festival, exceto Shabat, caracterizou-se pela música, alegria e dança.

Até hoje, o povo judeu reune-se perto do Muro (Lamentações) ocidental para dançar, cantar e alegrar-se perante o Senhor. Pessoas enchem as sinagogas e as ruas, cantando e dançando com muita alegria, até as primeiras horas da manhã.

Isto é no cumprimento parcial da profecia. Os profetas nos dizem que um dia virá quando os exilados de Israel retornarão a Zion, suas ruas serão preenchidas com os sons de melodias alegres; e a dor vai desaparecer.

“Assim voltarão os resgatados do IHVH, e virão a Sião com júbilo, e perpétua alegria haverá sobre as suas cabeças: gozo e alegria alcançarão, a tristeza e o gemido fugirão” (Is 51.11).

A cerimônia de libação de água

“E vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação” (Is 12:3).

Nos tempos do templo, uma cerimônia especial de libação de água (oferta) ocorria diariamente durante Sucot.

Todos os dias, os sacerdotes, junto com uma procissão, iam para a Piscina de Shiloach (Siloé), que era alimentada pela fonte de Giom, a fonte original de água a Jerusalém. Na piscina de água corrente natural, eles enchiam um pote dourado.

A água era depois trazida de volta para o altar no templo para acompanhar o sacrifício da manhã. Este derramamento de água sobre o altar é chamado Nishuch haMayim (cerimônia de libação de água / literalmente, derramamento da água).

Esta água, oferecida não só celebra a esperança das chuvas de inverno em Israel, mas também simboliza a futura redenção messiânica quando o espírito de D-us (simbolizado pela água) será derramado sobre a nação de Israel.

Ieshua no último dia de Sucot: Hoshaná Rabá

“Lavo as minhas mãos na inocência; e assim andarei, IHVH, ao redor do teu altar” (Sl 26:6).

O sétimo e último dia de Sucot, chamado Hoshaná Rabá (Grande salvação), é marcado por serviços especiais da sinagoga.

Em comemoração dos sacerdotes circundando o altar com palmas nas suas mãos uma vez todos os dias de Sucot e sete vezes no sétimo dia, neste dia, sete hoshanot (voltas) são dadas em torno da sinagoga.

Este último dia de Sucot, provavelmente durante a cerimônia de água, Ieshua proclamou-se a fonte de água viva. Convidou todos os que estavam com sede que viessem e bebessem a água que representa o Espírito o Santo (Ruach Há Codesh).

“E, no último dia, o grande dia da festa, Ieshua pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a escritura, rios de água viva manarão do seu ventre. E isto disse ele do espírito, que haviam de receber os que nele cressem; porque o espírito santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado” (Jo 7:37–39).

Sucot no fim dos tempos e a nova Jerusalém

“Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém” (Zc 14:2).

Sucot também tem uma conexão com os últimos dias e a nova Jerusalém.

A Haftarah (porção profética das escrituras) que é lida para este feriado contém uma visão gráfica apocalíptica da destruição de todas as nações que vão atacar Jerusalém.

O julgamento sobre as nações é caracterizado por terremotos, pragas, pesada escuridão e sinais de destruição nuclear, intervenção pessoal de D-us manifestando tudo em nome de Israel (Zc 14:12-15).

Os olhos do mundo serão abertos e todas as Nações, verão que Israel é a menina dos olhos de D-us. Ai de quem ousar tocá-la.

O Senhor declara através do Profeta Zacarias, “E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que carregarem com ela certamente serão despedaçados, e ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra” (Zc 12:3).

Naqueles dias, todas as Nações terão de vir a Jerusalém para celebrar Sucot (Festa dos Tabernáculos). Aqueles que se recusarem serão amaldiçoados com a falta de chuva. (Zc 14:16–19).

Enquanto muitos cristãos acreditam que as festas moadim (nomeado em tempos de festas e festivais) de D-us foram abolidas, a profecia messiânica de Zacarias indica claramente que isso não é assim.

Hoje, muitos cristãos das Nações vêm todos os anos a Jerusalém para celebrar Sucot juntamente com Israel, em um belo prenúncio de que terá lugar após o Senhor retornar e estabelece seu reino messiânico na terra.

Linha do tempo de D-us

“Os reinos do mundo são reduzidos a nosso IHVH, e a seu Ungido, e ele reinará para todo o sempre” (Ap 11:15).

Enquanto as festas da primavera foram cumpridas pela morte e ressurreição de Ieshua, as festas de outono serão cumpridas com a sua segunda vinda.

Alguns acreditam que quando Ieshua retornar como rei Messias, ele vai ser saudado pela explosão do shofar (trombeta) sobre a festa das trombetas (Iom Teruah / Rosh Hashaná).

Seu povo vai reconhecê-lo como o seu Messias e haverá luto nacional, talvez no Iom Kipur (dia da expiação).

“E sobre a casa de David, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito” (Zc 12:10).

Em Sucot (festa dos Tabernáculos), D-us irá finalmente “Tabernácular”, com seu povo e habitar entre nós, estabelecer seu reino messiânico da justiça.

“Eis aqui o tabernáculo de Elohim com os homens, e com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Elohim estará com eles e será o seu Elohim” (Ap 21:3).

Este feriado recorda-nos que D-us não se esqueceu Israel.

E as escrituras parecem sugerir que isso é o tempo perfeito para as Nações lembrarem do povo de D-us e ficarem com eles.

Estamos ansiosos para o cumprimento profético de D-us para estabelecer seu Reino de justiça na terra, que isso aconteça ainda em nossos dias e nos preparemos para a vinda de Mashiach.

Que assim seja em nome de Ieshua!

Tradução: Mário Moreno

Título original: “Festival of Booths for both Jews and Gentiles‏”.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Yom Kipur: o dia mais sagrado no Judaísmo

Siga-nos

Mais do Guiame