MENU

Jornada à verdade

Talvez nunca saibamos quantas vezes sobrevivemos a algo perigoso por causa de futuros descendentes que estávamos destinados a ter.

fonte: Guiame, Mário Moreno

Atualizado: Segunda-feira, 20 Janeiro de 2020 as 4:20

(Foto: Shema Ysrael)
(Foto: Shema Ysrael)

E ele disse: “Não estenda a mão para o rapaz, nem faça a menor coisa para ele, pois agora eu sei que você é um piedoso por D-us, e não escondeu de mim seu filho, seu único” (Bereishit 22:12).

O MIDRASH DIZ que Avraham Avinu só sobreviveu ao forno de Ur Kasdim para que Ia´aqov pudesse eventualmente nascer. Se não fosse pelo futuro Ia´aqov, D-us teria deixado Avraham queimar até a morte naquele dia em Ur Kasdim – al Kiddush Hashem – e com ele, sua ideologia de D-us.

Talvez nunca saibamos quantas vezes sobrevivemos a algo perigoso por causa de futuros descendentes que estávamos destinados a ter. Mas, no caso de Avraham Avinu, é um tanto perturbador saber que ele foi salvo apenas no mérito de Ia´aqov Avinu, dado o que ele havia conseguido realizar no mundo.

Isso pode tornar o motivo mais claro. O Talmud diz que o “selo” de D-us é a Verdade (Yoma 69b). O que isso significa? D-us tem um selo? Onde Ele o carimba?

O selo de uma pessoa é sua marca de identificação, sua representação em um carimbo, como uma assinatura em um documento. Há uma razão pela qual as pessoas “leem” assinaturas como uma maneira de entender melhor alguém. As coisas que escolhemos e produzimos na vida são projeções de quem somos e de como pensamos.

Isso significa que D-us e a verdade são a mesma coisa. Portanto, quando as pessoas alcançam a Verdade absoluta, elas alcançam sua expressão máxima: D-us. Isso significa que a vida, que é a busca de D-us, é simultaneamente a busca da verdade.

Encontrar a Verdade não significa apenas encontrar D-us, mas também encontrar a si mesmo. A gematria da Verdade é 441, que pode ser reduzida ao seu mispar katan: 4 + 4 + 1 = 9. A gematria de Adão é 1 + 4 + 40 = 45 que, em mispar katan, também é 9. As pessoas que encontram a Verdade Suprema encontram o seu eu último. Encontrar os dois significa que eles não precisam mais permanecer no mundo, tendo terminado seu tikun.

A história dos Avot (Pais) é a história da busca da Verdade Suprema – Emet. Começou com Avraham – Ish Chesed, continuou com Yitzchak – Ish Gevurah e terminou com Ia´aqov – Ish Emet. Foi um processo de desenvolvimento que começou com Chesed, foi alterado com Gevurah e acabou como Emet. E “ma’aseh avot siman l’banim – as ações dos pais são um sinal para os filhos”, significa que nós também devemos replicar pessoalmente essa busca se realmente queremos a Verdade.

Chesed, ou bondade, não é a própria verdade. Pode ser uma expressão disso, mas também pode ser uma expressão exatamente do oposto. A história está cheia de exemplos de chesed sendo realizada com resultados trágicos. Jejuamos no primeiro dia após Rosh Hashaná para lembrar como Gedalias recebeu hospitaleiramente seu assassino em sua própria casa.

Da mesma forma, Gevurah tem toda uma história de erros. Eliseu foi duro com seu assistente e ele acabou indo na direção errada da vida. Quantos judeus seculares citaram disciplina severa no cheder ou em casa como pelo menos um motivo para deixar o judaísmo? Em que ponto a disciplina se torna demais, para os outros ou mesmo para si mesmo?

A resposta para ambos os problemas está em uma declaração do Talmud:

Nossos rabinos ensinaram: Sempre deixe a mão esquerda se afastar e a mão direita se aproximar. Não é como Eliseu, que jogou Gechazi fora com as duas mãos… (Sotah 47a).

Claramente o que o Talmud está buscando é um equilíbrio delicado entre Chesed e Gevurah. Chesed vai em uma direção, enquanto Gevurah vai no oposto, como Avraham e Yitzchak. No entanto, eles não se aniquilam, mas se mantêm em um caminho mais verdadeiro chamado …?

Curiosamente, pelo menos nas sefirot, é chamado Rachamim, ou Misericórdia. As 10 sefirot são ordenadas em três linhas verticais, sendo o lado direito Chesed, o lado esquerdo Gevurah e a linha do meio Rachamim. De alguma forma, o equilíbrio entre os dois é … Misericórdia? REALMENTE?

Quando olhamos pela última vez, a misericórdia não era uma coisa tão grande do ponto de vista de D-us. Como Rashi explica no primeiro verso da Torah, D-us REALMENTE queria fazer o mundo funcionar de acordo com o julgamento – que é Gevurah. Ele apenas adicionou misericórdia ao programa quando viu que o homem nunca poderia sobreviver apenas ao mundo do barulho.

E de volta a Rosh Hashaná, discutimos como Rabi Akiva morreu da maneira que ele morreu, e FELIZmente, porque ele merecia se elevar acima da misericórdia e receber um estrito estrago nas mãos dos romanos. Ele ganhou uma viagem direto para o Mundo Vindouro sem ter que passar por outro lugar. Por tudo isso, não parece que D-us goste muito de misericórdia, tanto quanto Ele nos mostrou!

Mas espere um pouco. Não acabamos de dizer que o selo de D-us é a verdade? Nós não dissemos que era julgamento. Dissemos que era a Verdade, algo que o Julgamento por si só não pode ser, por alguma razão muito profunda que está embutida nas sefirot. E essa é a verdade, a verdade final.

Isso mais tarde ajudará a explicar a vida de Ia´aqov. Ele começa de maneira simples, aprendendo dia e noite nas tendas da Torah. Mas então ele é duro com Eisav, obrigando-o a vender o direito de nascença por alimentos que salvam vidas. Então ele acaba enganando seu pai, a pedido de sua mãe, trazendo para si as bênçãos originalmente destinadas a Eisav.

A suposição é que ele já era um Ish Emet e, portanto, forçado a agir contrariamente ao seu instinto espiritual. A verdade mais exata era que ele estava realmente em uma jornada para se tornar Ish Emet, que o levou por Chesed e Gevurah a caminho de Tiferet e a beleza da Verdade absoluta.

As sementes disso são plantadas e nutridas no final da parashá, com a Akeidah. Primeiro, D-us fez o dever de conceder a Avraham um filho milagroso no final da vida. Então D-us agiu com Gevurah quando pediu a criança de volta através da Akeidah. E finalmente, D-us impediu Avraham de realizá-lo, um ato de rachamim, revelando o objetivo mais alto da misericórdia na Criação.

O povo judeu não é chamado de “Bnei Rachamim” sem motivo. Não é apenas porque o temos, ou pelo menos deveria tê-lo, mas porque é o que lutamos. E não apenas porque suaviza alguns dos obstáculos mais desagradáveis ​​da vida, mas porque é a maior expressão da verdade e, como veremos na próxima semana, b”H, somente quando a misericórdia é uma função da própria verdade.

O que mais podemos dizer? Que a nossa busca pela Verdade termina quando encontramos Ieshua ou melhor, quando somos encontrados por Ele! E isso é tão real que Ele mesmo identifica-se com a verdade dizendo: “Disse-lhe Ieshua: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao pai senão por mim” Jo 14.6.

Sendo assim aquilo que os patriarcas esperavam e buscavam realmente cumpriu-se na pessoa de Ieshua, que completou o anseio dos corações que buscavam A Verdade e não somente aqueles que diziam desejá-la mas não se empenhavam para tê-la!

Encontrar Ieshua o Ungido é o anseio de todo homem e o caminho já foi aberto para que isso possa acontecer. Basta entrar por este caminho e nele se encontrará a Verdade e também a Vida!

Que cada um de nós possamos já ter encontrado com a verdade para gozarmos das dimensões da vida – aqui e agora e também no mundo vindouro!

Baruch ha Shem!

Tradução e adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Guerra das guerras

veja também