Liderança pastoral

O Midrash nos diz que o manejo de ovelhas por Davi também foi o ímpeto para D’us escolhê-lo para liderar Seu rebanho.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 16 de junho de 2020 15:56
(Foto: Reprodução/Shema Ysrael)
(Foto: Reprodução/Shema Ysrael)

O Midrash nos diz que o manejo de ovelhas por Davi também foi o ímpeto para D’us escolhê-lo para liderar Seu rebanho.

Ovelhas. Você não acha que elas desempenhariam um papel importante na determinação de nossos líderes, mas eles fizeram. O Midrash diz que um dos atos definidores de Moshe que levou D’us a escolhê-lo como líder de Israel foi sua atitude em relação ao rebanho de animais. Uma vez, uma ovelha saiu da manada e Moshe vasculhou o deserto para encontrá-lo. Ele finalmente encontrou a criatura ressecada e exausta, e a alimentou e levou de volta para o resto do rebanho. D’us ficou impressionado. No caminho de casa, Moshe viu uma visão muito fascinante. Um arbusto em chamas. O resto é história.

O rei Davi também era pastor. O Midrash nos diz que o manejo de ovelhas por Davi também foi o ímpeto para D’us escolhê-lo para liderar Seu rebanho. David tinha um sistema de pastoreio muito calculado. Primeiro, ele permitiria que apenas as ovelhas jovens pastassem. Eles comeriam a grama mais tenra. Depois que terminaram, Davi permitiu que as ovelhas mais velhas pastassem. Dessa maneira, a grama mais dura do prado foi deixada para as ovelhas com mandíbulas mais fortes. O Midrash nos diz que D’us ficou impressionado com as habilidades de Davi de discernir as diferentes necessidades de diferentes faixas etárias e previu nessas ações as qualidades de liderança necessárias para ser o Rei de Israel.

Tanto pelas carreiras de dois de nossos maiores líderes judeus como pastores. O que me preocupa é a porção da Torah desta semana, que contém um longo episódio que também lida com ovelhas. Ele expõe em detalhes exatamente como Ia´aqov manipulou a genética e teve a perspicácia de cultivar um rebanho incrivelmente grande e diversificado. No entanto, estou preocupado. Por que uma longa narrativa de técnicas de criação aparentemente irrelevantes é detalhada de maneira tão complexa? A Torah gasta quase vinte versículos em meia dúzia de variedades de cores de ovelhas e explica como Ia´aqov os criou. Por que esses detalhes aparentemente insignificantes de reprodução são tão importantes na Torah? Vamos analisar a história:

Ia´aqov trabalhou quinze anos para seu sogro, Lavan. Por mais que trabalhasse arduamente, Lavan constantemente tentava negar a compensação a Ia´aqov. Finalmente, ele forçou Ia´aqov a aceitar uma parte das ovelhas como salário, mas apenas com certas estipulações. Ele apenas o compensaria com ovelhas que eram uma mutação do rebanho normal. Primeiro, ele estabeleceu os salários de Ia´aqov para serem pagos apenas com cordeiros manchados que nasceram do rebanho de Ia´aqov. Ia´aqov, em um procedimento que teria surpreendido até Gregor Mendel, produziu ovelhas exatamente de acordo com essas especificações. Em seguida, Lavan permitiu-lhe ovelhas listradas. Novamente, milagrosamente Ia´aqov cultivou seu rebanho para produzir uma recompensa de ovelhas listradas! A Torah repete o episódio em várias cores e listras. Qual poderia ser o significado de sua importância?

O rabino Aryeh Levin já esteve do lado de fora de sua yeshiva em Jerusalém, enquanto as crianças estavam em um intervalo de 15 minutos. Seu filho, Chaim, professor de yeshiva, estava de pé e observando, quando de repente seu pai sintonizou-o. “O que você vê meu filho?”, perguntou Rav Aryeh. “Por que?”, ele respondeu, “crianças brincando!”

“Conte-me sobre elas”, disse Reb Aryeh. “Bem”, respondeu Reb Chaim, “Dovid está parado perto da porta da escola, com as mãos nos bolsos, provavelmente não é atleta. Moishie está jogando descontroladamente, ele provavelmente é indisciplinado. Yankel está analisando como as nuvens estão flutuando. Eu acho que ele não foi contado no jogo. Mas apesar de tudo, elas são apenas um bando de crianças brincando.” Reb Aryeh virou-se para ele e exclamou: “Não, meu filho. Você não sabe cuidar das crianças”.

“Dovid está perto da porta com as mãos nos bolsos porque não tem suéter. Seus pais não podem comprar roupas de inverno para ele. Moishie é selvagem porque seu Rebe o repreendeu e ele está frustrado. E Yankel está deprimido porque sua mãe está doente e ele tem a responsabilidade de ajudar com toda a família”.

“Para ser um Rebe, você deve conhecer as necessidades de cada garoto e garantir a devida atenção para atender a essas necessidades.”

Ia´aqov teve uma tarefa muito difícil. Sua missão era criar doze tribos – cada uma sendo direcionada em um caminho único. Alguns filhos deveriam ser comerciantes, outros estudiosos. Judá estava destinado à realeza, enquanto Levi era adequado para ser um professor do povo comum. Cada filho, como cada judeu, tinha uma missão especial. Hashem precisava de um pai para as doze tribos que não criariam todos os seus filhos no mesmo molde. Se os destinos de Moshe e David foram determinados por seus cuidados e compaixão pelo rebanho de animais, talvez o desenvolvimento de doze tribos por Ia´aqov tenha sido pré-determinado pelo desenvolvimento de uma grande variedade de rebanhos. Somente alguém que soubesse cultivar a unidade na diversidade saberia produzir os antepassados ​​da nação judaica.

Neste relato diversas coisas nos chamam a atenção: cada líder deve ter a capacidade de enxergar o rebanho de forma global e ao mesmo tempo individual. O que significa isso? Significa que cabe ao líder alimentar as ovelhas em conjunto com algo que possa trazer-lhes satisfação e crescimento, mas ao mesmo tempo precisa cuidar de forma especial daquelas ovelhas que têm mais necessidades naquele momento.

Moshe foi atrás de uma ovelha perdida; David lutou com os ferozes predadores para preservar seu rebanho e Ia´aqov buscou estratégias físico-espirituais que lhe possibilitaram a multiplicação do rebanho, não importando o quanto seu “patrão” mudasse as regras.

O Grande Pastor – o Ungido – deveria reunir em todas estas características de liderança. Será que Ieshua agiu como este Grande Pastor?

Ele buscou a ovelha perdida? “E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” Mt 15.24. Em outro momento Ele envia seus discípulos a buscar: “Ieshua enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho das gentes, nem entrareis em cidade de samaritanos; mas ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel” Mt 10.5-6.

Ele lutou com os “predadores” para preservar o rebanho? “E estava na sinagoga deles um homem com um espírito imundo, o qual exclamou, dizendo: Ah! Que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Elohim. E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te e sai dele. Então, o espírito imundo, convulsionando-o e clamando com grande voz, saiu dele” Mc 1.23-26.

Este é um dos diversos exemplos de luta espiritual de Ieshua contra as trevas em busca da cura e libertação do homem.

Ele usou de estratégias para “multiplicar” o rebanho? “E seguia-o uma grande multidão da Galiléia, de Decápolis, de Jerusalém, da Judéia e dalém do Jordão” Mt 4.25.

A ocorrência de uma grande multidão era comum no ministério de Ieshua. Mas há algo interessante que ocorre na continuidade do ministério de Ieshua através de seus discípulos: “E, perseverando concordemente todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, louvando a Elohim e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à congregação aqueles que se haviam de salvar” At 2.46-47.

Somente estas características já seriam suficientes para demonstrar que Ieshua não era um líder comum; Ele na realidade era não somente representava a fusão de vários líderes como também carregava um conhecimento e uma autoridade jamais vista em Israel. Isso certamente o qualificava para ser distinguido como o “Ungido” – Messias.

Ieshua não fez muitos discípulos, mas a força e consistência de seus ensinamentos causaram um impacto tão intenso na vida daqueles homens que eles literalmente se transformaram em  “pequenos messias” que andaram pelo mundo não somente pregando e ensinando as Escrituras mas também fazendo os mesmos sinais que Ieshua fez!

Qual é a forma como tendo exercido nossa liderança em nossos dias? Se formos chamados a “prestar contas” de nosso ministério poderemos então mostrar as mesmas características do ministério de Ieshua nos nossos? E a efetividade? Que tipo de impacto estamos causando nas vidas que estão nosso redor e também às que estão distantes?

Estas são perguntas que precisam ser respondidas…

Ieshua deixou-nos um legado. O que estamos fazendo com ele? Lembre-se: todos um dia prestaremos contas não somente de nossos ministérios como também de nossas vidas!

Nosso alvo: buscar a semelhança mais próxima não somente com Ieshua mas também com o seu modo de viver e ensinar as Escrituras.

Baruch ha Shem!

Tradução e adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Na tua luz vemos a Luz‏

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições