Prazo: o ano 6.000

Os eventos que atualmente engolfam Israel representam os preparativos frenéticos necessários para o mundo se preparar para seu estado final.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 3 de novembro de 2020 15:39
(Foto: Crosswalk)
(Foto: Crosswalk)

O Talmud [Avodah Zarah 9A] ensina que o mundo como o conhecemos existirá por seis mil anos. O tempo designado para o Mashiach [Messias] é em algum lugar depois do ano 4.000, mas antes do ano 6.000. Cada mil corresponde a um dia da semana. Após a conclusão dos seis mil anos, o mundo entrará em um estágio de existência totalmente diferente, correspondente ao sábado. Enquanto estamos no ano 5.781, resta menos de um quarto de “dia”. Assim como o ritmo na sexta-feira aumenta à medida que o sábado se aproxima, atingindo um pico febril no último quarto do dia, os eventos que atualmente engolfam Israel representam os preparativos frenéticos necessários para o mundo se preparar para seu estado final.

A fim de obter uma perspectiva mais clara sobre os eventos recentes, devemos primeiro obter uma melhor compreensão do propósito do galut [exílio] em geral. Rav Dessler, em seu clássico Michtav Me’Eliyahu, explica da seguinte maneira:

A essência do galut é que a Shechinah [presença sagrada de Hashem] está no exílio – que a santidade e a espiritualidade parecem estar subordinadas. Quando somos exilados para um lugar onde a verdade é pisoteada, servir a Hashem parece ser sem importância e sem sentido. Aqueles que insistem em tais “práticas arcaicas” são objetos de escárnio. A missão da Congregação de Israel é permanecer firme em nossa crença e implementação dessa crença e não ser influenciados e desencorajados pelo ambiente contrário que nos rodeia.

Aqueles que permanecem firmes em seu compromisso com a Torah, reconhecendo-a como o único propósito da criação e passagem para a eternidade, enquanto veem o ‘sucesso’ da sociedade como superficial e transitório, ‘passaram’ no teste do galut, foram elevados através dele e, por sua vez, podem elevar o mundo inteiro.

A necessidade de exílio remonta ao início da odisseia do homem. Adom Harishon (o primeiro homem), antes de pecar, estava no nível do Jardim do Éden. Ele claramente via a espiritualidade como a única realidade verdadeira e a fisicalidade como nada mais do que uma capa que tenta obscurecê-la. Ao pecar, ele e o mundo inteiro foram empurrados para um estado de ocultação onde a fisicalidade aparece como realidade. A odisseia da humanidade, que se tornou o destino de Congregação de Israel, é primeiro trazer o mundo de volta ao estado de Adom Harishon antes de seu pecado e então catapultá-lo ainda mais alto à sua perfeição final.

O prazo para este processo é de 6.000 anos – o veículo usado é o galut.

Cada galut apresentou suas próprias dificuldades e desafios únicos. No entanto, o fio condutor é a oportunidade e a responsabilidade de ver através da cortina de fumaça da natureza e do físico e de reconhecer a verdade / realidade.

O tikun [correção] começou primeiro em uma base individual com os antepassados ​​e então foi transformado em uma tarefa nacional para as setenta almas que desceram a Mitzrayim [Egito].

Mitzrayim, nosso primeiro galut, era um ambiente de intenso envolvimento espiritual com as forças da impureza. Feitiçaria, demonismo e contato com os mortos eram seus meios de subjugar a natureza aos seus caprichos e desejos. O fato de não termos mudado nossos nomes, linguagem e modo de vestir mostrou nossa rejeição a essa sociedade e suas normas.

A odisseia continuou com o recebimento da Torah, seguida pelo pecado do Bezerro de Ouro. A construção do primeiro Beit Hamikdash [Templo] e sua destruição e subsequente Galut Bavel [Babilônia]. A construção do Segundo Beit Hamikdash, Galut Yavan [Grécia], sua destruição e nosso atual galut de Edom.

O pecado que levou a essa destruição foi o ódio infundado, com altivez em sua raiz. Você não está competindo comigo e não está tentando me machucar. No entanto, sua própria existência me devora. Essa arrogância leva à ousadia – sem nenhum constrangimento. Quem é você para me dizer o que é certo ou errado? Estilos de vida alternativos …

Enquanto o galut de Mitzrayim pelo menos tinha uma conexão com a espiritualidade, o galut de Edom é todo físico sensual. A tecnologia permite o domínio aparentemente completo sobre a natureza, aumentando a arrogância com a sensação de controle absoluto.

O estágio final deste galut nos encontra voltando para nossa terra, mas o galut da Shechinah [presença sagrada de Hashem] ainda está sendo perpetrado, mas desta vez por nosso próprio povo. É difícil citar tal coisa, mas o Vilna Gaon escreveu que na época anterior a Mashiach, o controle de Israel estaria nas mãos dos descendentes da multidão mista que se juntou a nós quando deixamos Mitzrayim. Seu lema será “A força de minha mão me trouxe isso” e o nome de Hashem estará visivelmente ausente de sua ladainha.

Este será o estágio final de teste antes de Mashiach. Aqueles que lutam contra a Torah irão arrogantemente reivindicar todos os sucessos. Eles tentarão disseminar a heresia e o desprezo pelo espiritual. Voltamos para a terra. Nós lutamos por isso. Nós o controlamos. Quem é Hashem? O teste, conclui Rav Dessler, será ver através da farsa de “nossa força” e concentrar nossas energias em ver a clareza da Mão de Hashem por meio de servi-Lo.

A odisseia continua. Os governantes, com presunçosa complacência, planejam uma revolução secular, tentando derrubar as fibras religiosas restantes que tecem seu caminho através da sociedade. A complacência é estilhaçada.

A única maneira de trazer paz é estar em paz com nossa missão na vida. Com isso, a clareza do Jardim do Éden brilhará novamente e o mundo inteiro reconhecerá Sua luz.

Tradução e adaptação:

Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O mês de Cheshvan e o pacto pós-dilúvio

Siga-nos

Mais do Guiame