A questão da roupa

“Falarás também a todos os que são sábios de coração, a quem eu tenho enchido do espírito da sabedoria, que façam vestes a Arão para santificá-lo; para que me administre o ofício sacerdotal.” (Êxodo 28:3)

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 15 de fevereiro de 2022 17:31
Vestes sacerdotais. (Imagem: YouTube / Messages of Christ)
Vestes sacerdotais. (Imagem: YouTube / Messages of Christ)

“Roupas”, dizem eles, “fazem o homem”. Mas você já se perguntou sobre o homem que faz as roupas?

A porção desta semana discute as vestimentas sacerdotais usadas pelo Kohen comum (Sacerdote) e do Kohen Gadol (sumo sacerdote). O kohen comum usava quatro vestes enquanto o sumo sacerdote usava oito.

As vestes do sumo sacerdote eram ornamentadas e complexas. Eles precisavam de artesãos altamente qualificados para bordar e moldá-los. Eles incluíam, entre outros, um peitoral com joias, uma túnica em formato de favo de mel, uma vestimenta parecida com avental e uma roupa especialmente projetada que foi adornada com sinos de ouro e romãs tecidos.

Tecer essas roupas foi uma tarefa bastante complexa, e Moshe teve que dirigir os artesãos com os detalhes das difíceis leis dos alfaiates. No entanto, quando Hashem cobra Moshe, ele descreveu a função das roupas de maneira muito diferente, então ele fez em dizer a Moshe para comandar os alfaiates.

O próprio Moshe foi informado por Hashem que o objetivo das vestes era para glória e esplendor – certamente maravilhosas, mas muito físicas em seus atributos. No entanto, quando é dito para comandar os artesãos, a mensagem que lhe é dito para transmitir foi bem diferente. “Você fará falar com as pessoas sábias que investi com um espírito de sabedoria, como eles farão vestes sagrados para santificar e ministrar para mim”. (Êx 28:1-3) “As roupas”, Moshe diz aos alfaiates, “não foram feitas para glória ou esplendor; eles eram para santificar e ministrar”. Por que a mudança na finalidade declarada?

Um rabino de Long Island participou de uma taharah (cerimônia ritual para preparar um judeu falecido por enterro) para um indivíduo cuja experiência estava enraizada em uma comunidade chasídica. Chevra Kadisha (Sociedades funerárias) são frequentemente imunes às emoções, trauma e pavor que normalmente acompanham uma alma morta em uma mesa.

O Chevra fez seu trabalho quase formal, com dificuldade uma palavra era falada, e isso não atingiu o rabino como algo estranho. Anos de trabalho com cadáveres podem emperrar os sentidos até mesmo dos homens mais difíceis. De repente, um murmúrio saltou para frente e para trás entre os membros chassídicos do Chevra. “Er Hut um visto? (Ele tem um visto?) “Eles se perguntaram. Então a conversa tomou um caminho estranho. Eles começaram a murmurar em um ingresso de primeira classe.

O rabino ficou preocupado. Por que alguém estava falando sobre planos de viagem durante este mais sagrado dos rituais? Essa não foi a hora nem o lugar. Apenas não fazia sentido.

Imediatamente a sala ficou em silêncio, agora estava cheio de admiração e uma sensação de reverência. “Er Hut a Visa!” exclamou o membro sênior do grupo. Toda a Chevra assentiu e a atmosfera subitamente se transformou.

Eles continuaram a se preparar para o funeral como se o falecido tivesse sido um grande sábio ou Rebbe Chasídico. O rabino foi incapaz de entender a súbita mudança na atmosfera até que o homem mais velho o chamasse. “Venha aqui”, disse ele. “Eu vou te mostrar uma coisa”. O velho levantou o braço do falecido para revelar sete números grosseiramente tatuados no antebraço do homem morto. “Voce sabe o que eles são?”

“Claro”, respondeu o rabino. “Eles são os números que os nazistas tatuavam em todos os prisioneiros nos campos de concentração”.

“Não”, disse o velho. “Esses números são o bilhete de primeira classe para Gan Eden. Eles são o visto e são os ingressos. Período.”

Os crachás que usamos têm significados diferentes para todos os indivíduos. Moshe, o homem de D-us que viu o mundo com uma visão profunda de espiritualidade, foi contada sobre o aspecto mais mundano das vestes sacerdotais. “Eles são para glória e honra.” Mas ele é dito para informar os artesãos, que geralmente veem apenas o esplendor e a glória do mundo corpóreo, com o verdadeiro propósito das vestes – “para santificar e ministrar”.

Muitas vezes vemos números, eventos e até mesmo roupas como mera manifestação de eventos naturais cujas memórias nos transmitam apenas de uma sensação de admiração para a história ou beleza dentro. Às vezes, nós mortais devemos ser lembrados de um sentido maior que glória e esplendor – ministrar a santificação do nome de D-us.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Imposições de posição

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições