A "paz que excede todo entendimento" vem de Deus, mas a iniciativa é sua

Deus nos responde com uma paz sobrenatural quando apresentamos a Ele às nossas necessidades.

Fonte: Guiame, Marisa LoboAtualizado: quinta-feira, 23 de dezembro de 2021 18:44
(Foto: Majestic Lukas/Unsplash)
(Foto: Majestic Lukas/Unsplash)

Nossa relação com Deus tem muita coisa a ver com a psicologia. Isso porque, na clínica psicológica, o psicoterapeuta geralmente é uma figura de estímulo em relação ao seu cliente, ficando a cargo do paciente as mais importantes iniciativas em busca da resolução dos seus problemas.

Isso acontece porque o psicólogo só pode ajudar, de fato, quando a pessoa necessitada vem até ele disposta não só a lhe pedir ajuda, como a admitir as suas dificuldades, fraquezas e virtudes.

Se trata, portanto, de uma relação de extrema confiança, motivo pelo qual nós, profissionais da área, estamos condicionados a um Código de Ética que nos impõe a obrigação do sigilo.

Muito embora Deus saiba de tudo o que se passa em nossa vida, independentemente das nossas confissões, a sua soberania não lhe impede de estabelecer conosco uma relação tão íntima que seja capaz de exigir iniciativas da nossa parte, exatamente como numa relação cliente-terapeuta.

Em outras palavras: Ele já sabe, mas quer nos ouvir dizer com toda a atenção do universo e a paciência da eternidade!

Imagino que esse tipo de interação de Deus para conosco visa nos fazer entender que nós também temos a responsabilidade de nos achegar a Ele, assim como Ele, unicamente por seu amor e graça, se achegou a nós (João 3:16).

O Senhor não faz da sua onipotência um instrumento de distanciamento entre Criador e criatura. Antes, porém, parece fazer questão de se apresentar como alguém disposto a ouvir, tal como um pai amoroso. É aqui onde entra o sentido da paz que "excede todo o entendimento".

No livro de Filipenses 4, nos versos 6 e 7, a Palavra de Deus fala de uma paz diferente da humana, pois ela existe além do "entendimento". No entanto, a passagem condiciona isso a iniciativas prévias da nossa parte, o que demonstra a importância que o Senhor dá aos que se achegam a Ele. Observe meus grifos:

"Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus."

Podemos extrair três coisas no texto que dizem respeito a nós, que são: apresentar as necessidades a Deus; persistir na súplica pelas necessidades; agradecer por tudo o que Deus é.

Não é o Senhor quem apresenta petições, faz orações ou dá graças a Ele mesmo. Somos nós! É por isso que "a paz de Deus, que excede todo o entendimento", aparece no texto como um resultado direto dessas ações e não o contrário.

Em outras palavras, finalmente, Deus nos responde com uma paz sobrenatural quando apresentamos a Ele às nossas necessidades, insistimos para que elas sejam atendidas e, independentemente da resposta, já nos mostramos gratos pelo simples fato de poder nos achegar a Ele.

Não é questão de mérito nosso, mas de relacionamento entre Criador e criatura. É um Deus que faz questão de nos ouvir e derramar sobre nós a sua maravilhosa graça. Existe “terapia” melhor do que essa?

Marisa Lobo é psicóloga, especialista em Direitos Humanos, presidente do movimento Pró-Mulher e autora dos livros "Por que as pessoas Mentem?", "A Ideologia de Gênero na Educação" e "Famílias em Perigo".

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Por que a Justiça não condena os ataques do grupo Porta dos Fundos aos cristãos?

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições