Quando Deus agrega valor ao rejeitado

O cego que não conseguia ver, foi o homem que teve a visão mais aberta do Novo Testamento.

Fonte: Guiame, Melina BotteghinAtualizado: sexta-feira, 17 de julho de 2020 12:11
(Foto: Getty Images/iStockphoto)
(Foto: Getty Images/iStockphoto)

Assistindo a semifinal do MasterChef Júnior na versão americana, temporada seis, vi algumas crianças produzirem pratos incríveis e elaborados, dignos de um restaurante estrelado. Mas o que realmente chamou a minha atenção foi o desafio proposto.

Eram quatro crianças, disputando duas vagas. Cada um receberia um peixe escolhido por outro finalista já classificado. O salmão, o robalo, a cavala e a sardinha. Dois peixes nobres, um peixe relativamente fácil e… a sardinha. 

Isso mesmo, parece até injusto pensar que enquanto um utilizaria um peixe como o salmão, outra criança deveria fazer algo extraordinário, digno de uma estrela Michelin, com um peixe que é utilizado para pescar os outros, tem um sabor marcante e um cheiro bem forte.

Para falar a verdade, ninguém presta muita atenção em sardinhas. Sardinhas não são glamurosas, não ocupam um lugar de luxo e na maioria das vezes são vendidas em latas. Sardinhas não ocupam um lugar de luxo na cadeia alimentar, ou têm um nome grandioso. 

Jesus estava andando na beira da estrada passando por Jericó, um lugar que muitos evitavam e no meio do caminho havia um cego que esmolava por lá. Ninguém dava muita bola para pessoas nessas condições, eram consideradas pecadoras e indignas, as sardinhas dos pratos chiques.

Mas aquele cego que não conseguia ver, foi o homem que teve a visão mais aberta do Novo Testamento.

“Jesus, filho de Davi! Tem misericórdia de mim!” (Marcos 10:47)

Reparem que ele não O chama de Jesus de Nazaré, ou Jesus filho de José, ou de Jesus o curandeiro, milagreiro, etc.

A forma com o que o cego chama Jesus mostra a revelação espiritual dada aquele mendigo. Não aos grandes reis, aos honrados sacerdotes ou aos respeitados sábios. Mas a um mendigo cego no meio da estrada em um lugar desprezado.

O Messias viria da raiz de Davi. Em outras palavras, ele clamou: “Jesus, Messias, filho de Deus, tem misericórdia de mim”.

E ele alcançou misericórdia de uma forma honrosa. Por que para esse cego Jesus faz a pergunta mais abrangente do Novo Testamento: “O que quer que Eu lhe faça?” (Marcos 10:51)

Ele poderia pedir qualquer coisa, mas pediu uma só.

Eu quero TE VER. E ELE VIU.

A menina que ficou com a sardinha, elevou essa proteína barata a um nível estratosférico, de acordo com os jurados. Ela teve esse prato considerado o melhor da edição do MasterChef Júnior nos Estados Unidos e conseguiu uma vaga para a final.

Por Melina Botteghin, estudante de teologia, esposa, mãe, missionária por vocação e publicitária de formação.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O movimento no tanque dos tubarões

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições