MENU

A cura que vem pelo amor

A cura que vem pelo amor

Atualizado: Quinta-feira, 1 Outubro de 2009 as 12

"O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões" (Pv 10:12). 

Segundo a Psicologia Analítica-Comportamental, o ser humano possui três necessidades que precisam ser satisfeitas para que tenha equilíbrio emocional: segurança, novidade e amor.

Já foi comprovado que o indivíduo que cresce num ambiente desprovido de amor, ainda que cercado de cuidados básicos, tornar-se-á no futuro alguém com sérias dificuldades de relacionamento.    

Há um caso, ocorrido na Rússia,  que corrobora para essa teoria. Um líder dessa nação resolveu fazer uma experiência com bebes, retirando-os do convívio de suas mães logo ao nascer. Estas foram levadas para uma instituição, onde foram cuidadas, alimentadas, mas nunca abraçadas ou acariciadas, e, conforme determinação desse líder, não seria permitido que falassem com elas em hipótese alguma. Cria-se que privando-as de ouvirem o idioma russo elas falariam naturalmente o hebraico, "língua dos anjos", segundo eles. Resultado: Todas morreram. Faltou-lhes o amor. 

Parece um verdadeiro absurdo esse episódio, mas infelizmente é real.    

Um dos atributos morais de Deus é que Ele é Amor (1 Jo 4: 8). Seu amor é altruísta, pois abraça o mundo inteiro. A manifestação principal desse amor foi a de enviar seu único Filho, Jesus, para morrer em lugar dos pecadores (1 Jo 4: 9, 10). Embora Deus e o homem possuam a capacidade de amar, nenhum ser humano é capaz de amar com o mesmo grau de intensidade como Deus ama.   

Somos feitos á imagem e semelhança de Deus,  mas somos imperfeitos por residir em nós a natureza adâmica. Mas Ele nos capacita a amar através da pessoa de Jesus Cristo, pela fé.   

"Para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os seus santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura e a profundidade; e conhecer o amor de Deus, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus" (Ef 3: 17- 19).         

Percebemos que Deus deseja que seus filhos estejam arraigados e fundados em amor. E para qual objetivo? Para que estes compreendam toda a extensão desse amor, que supera qualquer entendimento humano, e, para que, cheios da Sua plenitude, possamos exercer esse mesmo amor uns para com os outros.      

O amor, juntamente com o perdão, tem o poder de sarar as feridas da alma. E Aquele cuja alma está enferma necessita de se sentir amado e aceito, para que haja restauração.     

Já foi comprovado que as doenças ditas psicossomáticas têm sua origem em transtornos emocionais. Pessoas com dificuldades de elaborar suas perdas e dores da alma tendem a somatizar, ou seja, manifestar no físico algo de origem psíquica. Quando o indivíduo recebe apoio e se sente amado os sintomas tendem a desaparecer. 

O amor verdadeiro não está resumido a sentimentos e emoções, mas a atitudes que o acompanham. Quando Deus manifestou Seu amor por nós Ele tomou uma atitude: Ele deu seu Filho Unigênito.  Ele não ficou apenas lá do céu olhando para a humanidade caída e sentindo piedade. Não! Ele agiu à altura.   

"Meus filhinhos, não amemos de palavras, nem de língua, mas por obra e em verdade"(1 Jo 3: 18).        

A Palavra de Deus traz exemplos das características do amor e de como ele precisa ser manifesto para que seja eficaz.  O exemplo mais conhecido é o descrito 1 Co 13: 4- 8: "O amor é sofredor, é benigno, o amor não é invejoso, o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba".   

O Espírito de Deus é quem nos capacita a amar e o amor é um dos frutos do Espírito (Gl 5: 22). Quando nos submetemos a ação do Espírito Santo, Ele derrama sobre nós uma unção de amor, independente das circunstâncias, para que possamos ser usados por Deus naquilo que for necessário.  

O amor de Deus em nós pode ser aperfeiçoado, conforme a própria Palavra diz. A observância de Seus preceitos está  intimamente ligada a essa condição e, assim, vir a manifestar as mesmas  obras que Jesus Cristo realizava enquanto estava andando entre nós. 

" Mas qualquer que guarda a Sua Palavra, o amor de Deus está Nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos Nele. Aquele que diz que está Nele deve andar como Ele andou" (1 Jo 2: 5, 6).  

Como podemos manifestar o amor de Deus, imitar os passos de Jesus e andar como Ele andou?   

"Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, pois Deus era com Ele" ( At 10: 38).   

Deus espera que seus filhos andem por toda a parte fazendo o bem e curando a todos que estão oprimidos. Pelo texto de 1 Jo 2: 5, 6, percebemos que Ele não se referiu a um grupo especial de crentes, mas àqueles cujo amor Nele está verdadeiramente aperfeiçoado pela obediência a Palavra.   

Vimos que há doenças originadas em traumas emocionais, mas outras  têm causas espirituais, fruto de opressão maligna. Tanto uma quanto outra tem no Nome de Jesus o remédio para  a cura. Precisamos andar fazendo o bem, assim como fez Jesus, e manifestarmos o Seu amor. 

Faço minhas as palavras do apóstolo Paulo: " A graça do Senhor Jesus Cristo, e o Amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos. Amém" ( 2 Co 13: 13).    

Mônica Valentim.

Mônica Valentim é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.    

veja também