MENU

Deus pode contar comigo?

Deus pode contar comigo?

Atualizado: Segunda-feira, 19 Julho de 2010 as 7:19

Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou; na esperança que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. (Rm 8: 19-21)

Vivemos atualmente uma época efervescente, onde aquilo que adquirimos hoje será ultrapassado amanhã, pois haverá surgido um modelo novo, com novo designe e ferramentas mais modernas.

Nunca, em toda história, o homem esteve tão absorvido com os excessos de tecnologia, mas, ao mesmo tempo estado tão distante do criador. Talvez essa seja uma tentativa de substituir o maior e mais importante relacionamento da vida  (o do homem com Deus) por tantos inventos; na verdade uma alternativa humana para preencher os grandes vazios de sua alma, que geme angustiada esperando  sua redenção.

O texto de Romanos 8: 19 a 22, fala que a criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Ela aguarda por cada um de nós que recebeu o poder para ser chamado filho de Deus (Jo 1:12).

Manifestação significa revelação, expressão. Manifesta-se aquilo que está oculto e que precisa vir à luz; expressamos sozinhos ou publicamente. Quando nos expressamos transmitimos não apenas palavras, mas atitudes e sentimentos. É o sentimento que revela a profundidade do amor de Deus. Só o seu sentimento de filho, o seu amor pelo Pai, pode mudar a história da criação.

Desde que o pecado entrou no mundo, toda a criação geme oprimida debaixo de um jugo de escravidão que lhe foi imposta. A vaidade e a cobiça impõem uma condição opressora de vida, onde as pessoas valem pelo que fazem ou têm, e não pelo que são. Um império de medo, onde as pessoas temem a morte, a exposição, o dano, a perda e o prejuízo. Seres obcecados pela satisfação de suas necessidades, e que subsistem no desespero de sua sobrevivência. O príncipe deste mundo cegou o seu entendimento para que não lhes resplandeça a luz do evangelho.

Deus espera que seus filhos manifestem Sua glória e façam diferença em todos os lugares. Não precisamos ocupar cargos importantes ou funções de destaque para influenciar pessoas positivamente. O Evangelho não é uma religião morta, ''mas é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê'' (Rm 1: 16). Precisamos fazer diferença com o Evangelho vivo em nós. As nossas atitudes pautadas pela Palavra de Deus farão com que os outros se sintam atraídos por Jesus.

Nas Escrituras encontramos exemplos dignos de serem imitados. Pessoas de diversas classes sociais que fizeram a diferença. Cito a história da menina que era escrava na casa do general Naamã. Ela teria  todas as desculpas possíveis para se revoltar com a sua situação, mas, ao invés disso, manifestou a sua luz num lugar onde havia escuridão.

Os siros, numa das suas investidas, haviam levado presa, da terra de Israel, uma menina que ficou ao serviço da mulher de Naamã. Disse ela a sua senhora: Oxalá que o meu Senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria! Pois este o curaria da sua lepra (2 Rs 5: 2, 3).

Essa menina foi tirada do seio de sua família de forma violenta e levada para uma terra distante. Tornou-se escrava na casa de um general; uma autoridade importante já naquela época, mas que, por um infortúnio, havia se tornado doente de uma moléstia das mais estigmatizantes: a lepra. Mas o coração dessa menina tornou-se sensível à dor daquele homem, e ousou manifestar-se diante daquele povo estranho, declarando que havia um homem em sua terra que Deus usava com grande poder.  Poderia por vingança desejar a morte do seu inimigo, mas preferiu demonstrar compaixão.

 Jesus Cristo disse: “Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de restaurar o sabor?” (Mt 5:13a). O sal possui funções importantes: dar sabor, conservar, combater fungos, etc. Precisamos, assim como o sal, dar sabor e provocar a sede das pessoas por Jesus. Será que elas gostariam de ser como nós? Qual é a reação que provoco nas pessoas? Será que sou apenas mais um na multidão?

Compartilhar a fé vai além de falar de bíblia o tempo todo. Ninguém agüenta mais discursos. As pessoas reparam em nossas atitudes frente aos problemas e enfermidades. Como posso pregar que Jesus salva e cura se estou sempre ansioso, doente e reclamando da vida? Será que minha fé em Jesus é apenas ideológica? Esses e outros questionamentos carecem de uma resposta reflexiva.

Alguns cristãos estão tão acomodados a uma vida rotineira e ritualística que não percebem que Deus deseja muito mais para eles. O Senhor quer que pratiquem aquilo que Jesus deixou como modelo.

Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai. (Jo 14: 12)

Por que muitos de nós esperamos que os pastores, os presbíteros, os missionários e outros irmãos de liderança obedeçam a esta determinação de Jesus? Em nenhum momento vemos O Senhor se referir aos ''formalmente'' investidos de autoridade eclesiástica. A única condição apontada por Ele é: Crer.  Jesus está falando comigo e com você também.

Podemos ser pessoas simples diante da sociedade, ou até pessoas de destaque. Para Deus isso é o que menos importa. Ele quer ver em nós um referencial do Seu Reino onde quer que estejamos.

Outro exemplo de pessoas que tinham um bom testemunho diante do povo era o centurião Cornélio. Ele pertencia ao reino imperialista da época que oprimia a nação judaica. Poderia ser visto como inimigo do povo de Deus, mas, ao contrário, era visto como um homem justo.

E, descendo Pedro para junto dos varões que lhe foram enviados por Cornélio, disse: Sou eu a quem procurais; qual é a causa por que estás aqui? E eles disseram: Cornélio, o centurião, o varão justo e temente a Deus, e que tem bom testemunho  de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse a sua casa e ouvisse as tuas palavras. (At 10: 21, 22)

A vida desse centurião romano impactava àqueles que conviviam com ele. Ele fazia a diferença.

A ARDENTE EXPECTAÇÃO DA CRIATURA AGUARDA A MANIFESTAÇÃO DOS FILHOS DE DEUS. Somos a resposta de Deus para o mundo. Responda a si mesmo: Deus pode contar comigo?  

Mônica Valentim   é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.  

veja também