MENU

Fé e Psicologia: Relações Possíveis

Fé e Psicologia: Relações Possíveis

Atualizado: Quarta-feira, 20 Outubro de 2010 as 10:28

"E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus " (Rm 12: 2)

Há uma corrente de pensamento no meio cristão evangélico que defende a idéia de que fé e ciência não se misturam. Ambas são como água e óleo, formam uma mistura heterogênea, afirmam eles.

Quando examinamos as Escrituras, deixando de lado todo raciocínio tendencioso, percebemos que Deus é um Pai tão especial que nos proporcionou um manual completo de vida.

Em geral concordamos que seja da vontade de Deus que estejamos bem espiritualmente, até para que possamos ter comunhão plena com Seu Espírito, sem impedimentos; mas na 3ª Carta do Apóstolo João o Espírito Santo o inspirou  a escrever:

"Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma " (3 Jo: 2)

Deus deseja que tenhamos vida plena, e isso abrange espírito, alma e corpo, "que precisam ser conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Ts 5: 23).

Para entendermos a alma do homem precisamos separá-la do conceito de espírito. O espírito do homem possibilita a este ter comunhão com o Espírito de Deus, mediante sua conversão ao Senhorio de Jesus Cristo. Chamamos também de "novo nascimento" (Jo 3: 3), onde o espírito do homem é recriado e o Espírito Santo passa a habitar nele; ele passa a ser "nova criatura" (2 Co 5: 17).

A alma do homem abrange seu intelecto ou mente, suas vontades e emoções. Com ela o sujeito interpreta o mundo e, da mesma forma,  possibilita  o mundo interpretá-lo.

Para ajudar a compreender a alma do homem temos a Psicologia, que a princípio teve como conceito principal "Ciência que estuda a alma" (Séc XIX). Deriva-se das palavras gregas  psiquê que significa "alma" e logia que significa "estudo de".  Possui diversas correntes e teorias, sendo a Teoria Cognitiva- Comportamental uma delas.

As bases teóricas das terapias cognitivo-comportamentais passaram a ser desenvolvidas no início do século XX. As terapias designadas de terapias cognitivo-comportamentais (TCC), denominam-se assim porque constituem uma integração de conceitos e técnicas cognitivas e comportamentais. É uma técnica reeducativa e que foi desenvolvida, aprimorada e extensamente difundida na Europa e nos Estados Unidos nas últimas décadas.

A Terapia Cognitivo-Comportamental centra-se nos problemas que estão sendo apresentados pelo paciente no momento em que este procura a terapia, sendo que seu objetivo é ajudá-lo a aprender novas estratégias para atuar no ambiente de forma a promover mudanças necessárias.

O pressuposto central da Teoria Comportamental é o de que um comportamento disfuncional foi aprendido e que pode ser desencadeado por sinais internos e externos associados a ele. A Terapia Comportamental auxilia o indivíduo a modificar a relação entre a situação que está criando dificuldade e a habitual reação emocional e comportamental que ele tem naquela circunstância, mediante a aprendizagem de uma nova modalidade de reação. A nova aprendizagem é conseguida através de técnicas apropriadas a cada caso.

Um dos objetivos da TCC é corrigir as distorções cognitivas (relativas ao conhecimento) que estão gerando problemas ao indivíduo e fazer com que este desenvolva meios eficazes para enfrentá-los. As técnicas comportamentais são empregadas para modificar condutas inadequadas relacionadas com o transtorno psicológico em questão.

A Terapia Cognitiva é uma abordagem classificada como mentalista, no sentido de que vê os fatores cognitivos (relativos ao conhecimento) como os principais fatores envolvidos na etiologia (origem) dos transtornos psicológicos. Já a abordagem comportamental valoriza os fatores ambientais e a forma como se dá a interação de um organismo com o meio.

O texto de Romanos 12: 2 é bastante lido, mas pouco entendido. Nele Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, revela o grande segredo que o Pai Celestial quis compartilhar com seus filhos, para que estes pudessem desfrutar da Sua bênção completa, ou seja, experimentar sua boa, agradável e perfeita vontade: Não se conformar com o mundo, mas ser transformados pela renovação da mente.

Para Deus mudar a minha vida e eu deixar de tomar a forma imperfeita do mundo, Ele precisa mudar a minha idéia. Se Deus  não transformar a minha mente e meu coração  será impossível uma mudança qualitativa em minha vida. Ele trabalha de dentro para fora.

Podemos perceber que a Terapia Cognitiva - Comportamental trabalha com os princípios de Romanos 12: 2, pois estimula o indivíduo aprender uma nova maneira de agir, ou seja, comportar-se diante do problema mediante uma mudança de mente. É aprendida uma nova modalidade de reação a partir de como se interpreta os problemas e as condutas inadequadas poderão ser modificadas.

Nós  podemos transformar nossa maneira de pensar, e conseqüentemente nossa vida, por meio do conhecimento da Palavra de Deus. Nela encontramos toda a vontade de Deus para seus filhos. Ele não deseja que seus filhos tenham uma vida medíocre, mas sim vida abundante.

Não podemos ter uma vida conformada, semelhante à forma do mundo. Conformar é acomodar, condescender (ceder espontaneamente). Conformar é assumir a forma do tempo em que vivemos. É assumir a forma que gradativamente o tempo nos impõe sem encontrar resistência.

A acomodação, a resignação nos aprisiona numa área do conformismo onde desistimos de sonhar, planejar e lutar por uma vida melhor, e mais do que isso, escraviza a nossa mente impedindo que ela realize vôos mais elevados. Deixamos de experimentar a perfeita vontade de Deus.

A renovação da mente produz transformação:

"Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória ,vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação, tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos e qual a sobre-excelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder ". (Ef 1: 16-19)

Você é hoje o retrato expresso da sua mente. Você tem o que sua mente lhe dá. Só teremos mais, só alçaremos vôos mais elevados se nossa mente voar mais alto. Só chegaremos a algum lugar se a nossa mente chegar primeiro.

Toda mudança de comportamento, de atitude é resultado de uma mudança mental. Novos pensamentos produzem novas atitudes. Mente nova produz transformações. Mude a mente e você mudará a sua vida!

Mônica Valentim   é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.  

veja também