MENU

Na matemática de Deus a ordem dos fatores altera o produto

Na matemática de Deus a ordem dos fatores altera o produto

Atualizado: Quarta-feira, 14 Dezembro de 2011 as 2:51

Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim, por isso que ele esta à minha mão direita, nunca vacilarei (Sl 16: 8)

Em Matemática, comutatividade é uma propriedade de operações binárias, ou de ordem mais alta, em que a ordem dos fatores não altera o produto ou resultado final. Giuseppe Peano, matemático italiano, no século 19, formulou esse axioma para construir os números naturais com as operações de adição e multiplicação e suas propriedades. Como exemplo, podemos citar: 2+3=5 ou 3+2=5, ou ainda, 6x4=24 ou 4x6=24. Seja qual for a ordem dos números o resultado sempre será o mesmo.

Na maioria das vezes o homem tenta adaptar princípios humanos às questões espirituais. Quando necessita solucionar problemas que se apresentam em sua vida costuma inverter as prioridades (os fatores), colocando o que deveria ser primazia em segundo lugar, e tudo isso com a ilusão de que conseguirá o mesmo resultado (produto).

Em se tratando de vida cristã não podemos (e não devemos) utilizar o princípio matemático aqui apresentado. Com certeza iremos amargar uma grande frustração. Se tentarmos enfrentar os problemas, tentações, dores, decisões, entre outros, nos posicionando a frente do mal sairemos “tosquiados”. A dianteira sempre pertencerá a Deus. Ele age em nosso favor de várias maneiras, conforme a necessidade. Uma hora Ele é um escudo protetor, noutra é Aquele que abre o caminho, já em outra derruba toda barreira que se interpõe entre nós e a Sua bênção.

No texto que serve de base a esta mensagem percebemos claramente qual o segredo de Tê-lo agindo por nós: Por continuamente o Senhor à nossa frente. Quando a Palavra usa o termo "ele está à minha mão direita", refere-se ao Seu auxílio eficaz, que produz os resultados esperados, por isso o versículo conclui "nunca vacilarei", não há como errar.  Davi pode experimentar o agir de Deus durante toda sua vida e reinado porque tinha isso como alvo maior. Ele depositava toda sua confiança e dependência Naquele cujo "caminho é perfeito, e sua Palavra é provada; e é um escudo para todos os que nele confiam}" (Sl 18: 30).

Quando aprendemos esse princípio bíblico passamos a experimentar o sobrenatural de Deus em nossa vida. Muitas vezes estamos tão absorvidos com os costumes do mundo auto-suficiente pós-moderno, que não damos a Deus a chance de agir por nós. Mesmo nas questões mais simples, ou nas consideradas impossíveis, Deus quer manifestar Seu poder, pois "as coisas que são impossíveis aos homens são possíveis para Deus}" (Lc 18: 27).

A atitude correta a seguir quando questões precisam ser solucionadas, ou decisões necessitam ser tomadas é buscar-se, primeiramente, a orientação pela Palavra de Deus. Em Hebreus 1: 1 o Espírito Santo nos esclarece:

Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho.

O Filho é a Palavra de Deus, como nos afirma João 1: 1 e 14. Aquele que dá ouvidos a Palavra de Deus estará recebendo a direção do próprio Senhor Jesus, e contará com o Seu poder operando naquilo que for necessário, pois Sua "Palavra é viva e eficaz" (Hb 4: 12a). Ela nos garante: "Eu irei adiante de ti, e endireitarei os caminhos tortos; quebrarei as portas de bronze e despedaçarei os ferrolhos de ferro" (Is 45: 2). Nenhuma barreira espiritual permanecerá bloqueando o caminho dos justos, impedindo as bênçãos. Mas precisamos colocá-lo à nossa frente.

Israel experimentou o sobrenatural de Deus por ocasião da sua saída do cativeiro no Egito. Se eles tentassem andar a frente do Senhor teriam logrado grande destruição, mas, ao contrário, seus perseguidores é que amargaram a derrota.

E O Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para guiá-los pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo, para alumiá-los, para que caminhassem de dia e de noite (Ex 13: 21).

O Pai tem prazer em zelar por Seus filhos. Ser dependente Dele não é fraqueza; é demonstração de confiança plena em Seu amor e fidelidade.  Quando buscamos na Palavra de Deus Sua direção a respeito de qualquer assunto, e a apresentamos em oração, Ele dá ordens aos Seus anjos para agirem em nosso favor realizando aquilo que for necessário: "Bendizei ao Senhor, anjos seus, magníficos em poder, que cumpris as suas ordens, obedecendo à voz da sua Palavra" (Sl 103: 20). Oração baseada na promessa da Palavra de Deus, e em Nome de Jesus traz o poder operante de Deus em nosso favor.

Quantas dores e frustrações poderiam ser evitadas em nossa jornada cristã se aprendêssemos a agir como as criancinhas que serviram de exemplo para Jesus nos ensinar: "Em verdade vos digo que qualquer que não receber o Reino de Deus como criança de maneira nenhuma entrará nele" (Mc 10: 15). Ele não estava se referindo à imaturidade infantil, mas à confiança e dependência que as crianças demonstram aos seus pais. Em sua simplicidade infantil elas não questionam se seus pais estão errados ou certos; o que importa para elas é saberem que seus pais tudo farão para supri-las e protegê-las.

Deus é Pai para aqueles que decidem serem filhos. E, assim como um pai humano cuida dos filhos, Ele também cuida daqueles que são Seus.  Se ainda não vivenciamos o agir de Deus em nossas vidas precisamos nos examinar, e ver se temos buscado o Senhor por último quando enfrentamos tribulações. Tentamos nós mesmos "dar um jeito". Para os que decidem observar a Palavra fica uma promessa do Senhor: "A justiça irá adiante dele, e ele nos fará andar no caminho aberto pelos seus passos" (Sl 85: 13).

&O5279; &O5279;Mônica Valentim   é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.  

veja também