MENU

Por que Jesus veio?

Por que Jesus veio?

Atualizado: Terça-feira, 16 Agosto de 2011 as 11:18

"O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância". (Jo 10: 10)

Muitos no mundo têm uma idéia totalmente equivocada sobre quem é Jesus e o porquê da sua vinda a terra. Para eles, Jesus foi um profeta que veio dar-nos algum tipo de credo segundo o qual devemos viver; veio trazer-nos um código de ética para nos endireitar (uma lista de faça e não faça); veio para começar uma nova religião ou fundar uma nova igreja.

Nenhuma dessas alternativas corresponde ao verdadeiro propósito da vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele mesmo nos responde em João 10: 10b _ "eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância".

Essa palavra vida (zoé) é a maior palavra do Evangelho. O homem precisava da vida, porque estava espiritualmente morto. A morte espiritual, que é a natureza pecaminosa, foi transmitida ao homem no momento da sua queda.

"Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram" (Rm 5: 12).

O propósito da morte de Jesus é a erradicação dessa natureza humana, influenciada pelo diabo, trazendo a vida aos que recebem a salvação, e o direito de reinarem, não só na eternidade, mas também aqui na terra.

"Porque, se, pela ofensa de um só [Adão], a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por um só, Jesus Cristo" (Rm 5: 17).

A única coisa que pode saciar a fome espiritual do homem é a natureza de Deus, a saber: a vida eterna. Nada pode substituí-la.

Quando alguém ouve a mensagem do Evangelho e se converte dos seus pecados, tem seu espírito recriado e recebe a natureza de Deus, ou seja, a vida de Deus em sua vida. Esse ato divino, instantaneamente, transporta o homem da potestade das trevas para o reino do Filho do Seu amor (Cl 1: 13). Essa vida, natureza, existência e substância de Deus transformaram imediatamente o seu espírito.  

O homem nascido de novo passou da morte espiritual, isto é, o domínio de Satanás para a vida. Deixou de ser servo do diabo para tornar-se filho de Deus.

Além da salvação da alma e do livramento da condenação eterna, Deus providenciou promessas grandiosas aos seus filhos, para que estes se tornem participantes da Sua natureza divina:

"Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e a piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude, pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que [objetivo] por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo" (2 Pd 1: 3, 4).

Essa corrupção da qual escapamos e fomos libertos, citada no texto de 2 Pedro 1:4, é a morte espiritual, a natureza pecaminosa. O controle satânico que havia sobre nossas vidas chegou ao fim. Em 2 Coríntios 5: 17 lemos: "as coisas velhas já passaram". A natureza e a vida de Deus habitam em nós. Já não há mais condenação para os que estão em Cristo Jesus.

"Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte" (Rm 8: 1, 2).

Para sabermos quais coisas pertence à lei do pecado da morte, ou seja, a maldição da Lei devemos examinar o texto de Deuteronômio 28: 15 a 68. O que importa para nós é o fato de que pelo sacrifício de Jesus fomos libertos, tanto da maldição da lei, quanto da lei do pecado da morte.

"Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro" (Gl 3: 13).

A lei do Espírito de vida diz respeito a todas as promessas do Senhor para os seus filhos. Precisamos buscar em Sua Palavra conhecermos Sua vontade ao nosso respeito, senão poderemos ser destruídos pela ação do mal:

"O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento [...] Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor: como a alva será a sua saída; e ele a nós virá como a chuva serôdia que rega a terra" (Oséias 4: 6a e 6: 3).

Temos que nos preparar para vivermos os planos de paz do Senhor para nós; planos que darão o fim que esperamos (Jm 29: 11), e não permitir que a mentira do diabo influencie nossas mentes, pois o Senhor promete: "Porque deveras HÁ UM FIM BOM; não será frustrada a tua esperança" (Pv 23: 18).

Precisamos conhecer a vontade de Deus para nós e nos aprontarmos para vivê-la em nossa vida, caso contrário daremos espaço a ação do inimigo em nossas vidas por nossa desobediência.

"E o servo que soube a vontade do seu Senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites" (Lc 12: 47).  

Mônica Valentim

Este texto faz parte do livro "Amplia tua tenda: Reflexões para uma vida vitoriosa", de Mônica Valentim.

Mônica Valentim   é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.  

veja também