MENU

Quem guerreia suas guerras? As estratégias de Deus para vencermos o mal

Quem guerreia suas guerras? As estratégias de Deus para vencermos o mal

Atualizado: Terça-feira, 27 Outubro de 2009 as 12

"Depois destas coisas e destes atos de fidelidade, veio Senaqueribe, rei da Assíria e entrando em Judá, acampou-se contra as cidades fortes, a fim de apoderar-se delas.    

Quando Ezequias viu que Senaqueribe tinha vindo com o propósito de guerrear contra Jerusalém, teve conselho com os seus príncipes e os seus poderosos, para que se tapassem as fontes das águas que havia fora da cidade; e eles o ajudaram.    

Ezequias, cobrando o ânimo, edificou todo o muro que estava demolido, levantando torres sobre ele, fez outro muro por fora, fortificou a Milo na cidade de Davi e fez armas e escudos em abundância" (2 Cr 32: 1, 2, 3 , 5).    

Há momentos em nossas vidas que tudo parece calmo; as coisas fluem com certa naturalidade. Estamos bem com Deus e com nosso compromisso com o Seu Reino. Somos fiéis nos dízimos, não deixamos de ir à Casa do Senhor. Até que... nos vemos cercados por problemas e tribulações inesperadas que nos deixam paralisados, sem saber como reagirmos; justamente por estarmos tão confiantes que não nos damos conta que o nosso adversário não dorme. 

Se voltarmos ao capítulo 31 de 2 Crônicas, veremos as atitudes do rei Ezequias para com Deus e toda sua fidelidade: 

"E assim fez Ezequias em todo o Judá; e fez o que era bom, reto e verdadeiro perante o Senhor, seu Deus. E em toda obra que começou no serviço da Casa de Deus, e na lei, e nos mandamentos, para buscar o seu Deus, com todo o seu coração o fez e prosperou" ( 2 Cr 31: 20, 21).    

Já ouvi diversos pregadores dizerem que se um crente não enfrenta problema algum, sempre está tudo bem, tudo flui, é amado por todos, então é aí que está havendo  problema. Segundo eles, esse crente não estaria representando ameaça alguma para o Reino de Satanás. 

Exageros à parte, podemos encontrar algum sentido nessa teoria. Ao contrário, um crente que está sempre atento às investidas do mal, que combate o pecado, procura praticar a Palavra de Deus, e não ser apenas ouvinte estático, poderá vir a ser um alvo para as investidas do adversário, já que ele está "invadindo seu território".    

Quando nos deparamos com as tribulações podemos tomar duas atitudes:

1-chorar amargamente e olharmos para  nossas quase inexistentes possibilidades;                        

2-nos fortalecermos em Deus e usarmos suas armas e estratégias.    

Quando Ezequias percebeu que Senaqueribe estava avançando com suas tropas, foi reunir-se com o conselho de príncipes para traçar um plano estratégico, a fim de barrar a invasão do inimigo. Decidiram, então, cortar algo que o inimigo pudesse usar para se fortificar: taparam as fontes das águas. Dessa forma, o inimigo seria enfraquecido.   

Da mesma forma, em nossas lutas, precisamos estar atentos a fim de identificar algo que esteja dando força ao nosso adversário, e cortarmos, ou seja, taparmos as brechas.  

Na guerra espiritual usamos armas espirituais que são invisíveis, mas poderosas.    

"Porque sas armas da nossa milícia não são carnais [físicas], mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;" ( 2 Co 10: 4). 

Deus nos deu armas poderosas para serem usadas nas guerras espirituais; e muitos de nós agimos como se estivéssemos entregues a própria sorte; quando não é verdade.    

Uma das armas que o Senhor nos dotou é o Nome de  Jesus.    

"Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra;" (Fl 2: 9, 10).   

O Senhor Jesus disse: "E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu Nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes, e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes causará dano algum; imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão" (Mc 16: 17, 18).     

Essa arma poderosa já seria suficiente, mas Ele nos deu muito mais: 

"E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela Palavra do seu testemunho; e não amaram a sua vida até a morte" (Ap 12: 11).  

Tanto o Nome de Jesus, quanto o Seu Sangue, devem ser usados para enfrentarmos o mal. Eles já são garantia de vitória. Da mesma forma, precisamos conhecer Sua Palavra, Suas promessas, e as apresentá-las em oração, e assim, contar com os anjos do Senhor para agirem em nosso favor.    

"Bendizei ao Senhor, anjos seus, magníficos em poder, que cumpris as suas ordens, obedecendo a voz da sua Palavra" (Sl 103: 20).

O povo de Deus tem de ser forte, destemido, pois, afinal, Jesus já venceu o diabo e destruiu todas as obras dele: "Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo" (1 Jo 3: 8 b). Contudo, infelizmente, não é o que se vê ante as investidas do inimigo. Para muita gente, a fé é maravilhosa, até surgirem os problemas.    

Com certeza o Senhor peleja pelo seu povo, mas há coisas que seus filhos precisam fazer para que a mão de Deus opere em seu favor.Muitas vezes o inimigo nos ataca por não estarmos atentos, ou termos deixado "brechas espirituais" abertas, possibilitando assim sua investida. 

Vemos, pelo texto citado de 2 Cr 32: 5, 6 que o rei Ezequias tomou algumas decisões que foram fundamentais para vencer seus inimigos:  

1. Ele se fortificou: Além de Ezequias tomar decisões no campo físico, ele se fortaleceu em Deus. Ele sabia em quem depositava sua confiança. Assim como disse o salmista Davi acerca do Senhor dos Exércitos: "Com ele, a minha mão ficará firme, e o meu braço o fortalecerá" ( Sl 89: 21).   

2. Edificou todo muro quebrado: Os muros têm a função de proteção contra os ataques externos. Muros rachados, com brechas, são acesso fácil para a entrada de toda a sorte de invasores.     

3. Edificou as torres: A função das torres nas fortalezas são de vigilância. Ali as sentinelas montam guarda para identificar todo possível ataque do adversário. Jesus disse: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade o espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mt 26: 41). Observe que a advertência é para que primeiramente vigiemos, tomemos conta do ambiente e de nós mesmos. Nada adianta ficarmos orando, e vivermos displicentemente, como se fossemos imunes a todo tipo de ataque do mal.

4. Levantou outro muro para fora;  Além dos muros principais, Ezequias levantou outros muros em redor da cidade para que esta se tornasse intransponível. O Senhor Jeová fez a mesma promessa ao povo de Judá, se estes permanecessem fiéis e confiantes Nele: "Naquele dia se entoará este cântico na terra de Judá: Uma forte cidade temos, a quem Deus pôs a salvação por muros e antemuros"( Is 26: 1).

5. Fez armas e escudos em abundância: Equipou-se de poderio bélico para contra-atacar seus inimigos. Da mesma forma, devemos nos equipar da armadura de Deus (Ef 6: 14- 1    

6. Pôs oficiais de guerra sobre o povo: Um exército sem comandantes capacitados não terá condições de vencer, nem o mais fraco adversário. Nem o soldado mais capacitado saberá tomar as melhores decisões sozinho. Hoje o crente conta com a capacitação do Espírito Santo, Ensinador de Justiça (Jl 2: 23), que o instrui sobre as decisões que deverão ser tomadas para alcançarmos a vitória.   

Existem algumas atitudes que devemos tomar, no campo prático,  para que tenhamos êxito sobre os problemas ou tribulações: Não amolecer o nosso coração: Se alguém deixar o seu coração amolecer, sua força será insignificante: "Se te mostrares frouxo no dia da angústia, a tua força será pequena" (Pv 24: 10). O inimigo adora a pessoa que concorda com os sentidos e confessa o que, aparentemente, é.Temos de confessar somente o que o nosso Deus diz ao nosso respeito. Se você não tem o que dizer, não diga o que não deve.  

Não temer: Quem deixa o medo entrar em sua vida treme. Ao tremer, a pessoa  abre a porta para o adversário, o qual não entra para fazer uma "visita?, ou apenas para assustar, mas para "matar, roubar e destruir" (Jo 10: 10). 

Não se aterrorizar: Não é bom deixar o terror dominar o coração. Vindo o terror, ou qualquer seta inflamada do diabo, a melhor maneira de se livrar do mal é vigiar para que ele não entre em seu coração (1 Ts 5: 22). Se o mal persistir, ore  (Cl 4: 2). Na verdade, nada que pertence ao diabo deve ser permitido em nossa vida. Quem deixa um desejo errado, uma paixão, um pensamento mal se alojar em seu interior, coloca-se nas mãos do diabo para cair em tentação e ter sua vida destruída por ele.  

Após preparar-se para enfrentar os inimigos, Ezequias deu uma palavra de estímulo ao povo, incentivando-o a confiar no Senhor dos Exércitos:    

"Esforçai-vos e tende bom ânimo; não temais, nem vos espanteis por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele, porque há um maior conosco do que com ele. Com ele está o braço de carne, mas conosco, o Senhor, nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras. E o povo descansou nas palavras de Ezequias, rei de Judá" ( 2 Cr 32: 7, 8). 

Somente a certeza de que o próprio Senhor é quem guerreia nossas guerras já seria o bastante para nós. Ele nos capacita, nos dá estratégias, nos equipa com as armas espirituais necessárias, mas também nos promete pelejar em nosso favor (Ex 14: 14).    

Precisamos nos colocar sempre na presença de Deus, vigiarmos, orarmos, estarmos atentos para ouvir a voz do Espírito de Deus falando ao nosso espírito e nos fortalecermos na Sua força. Assim, estaremos a um passo de conquistar a vitória.   

Equipados com as armas espirituais que o próprio Senhor nos colocou a disposição e, sabendo que Ele próprio guerreará nossas guerras não precisamos temer as investidas do inimigo, pois ele já é um perdedor com o destino traçado.    

"E o Deus de paz esmagará em breve a Satanás debaixo dos nossos pés" (Rm 16: 20 a). 

Mônica Valentim

Mônica Valentim é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.    

veja também