MENU

Repensando a lição da mulher de Ló

Repensando a lição da mulher de Ló

Atualizado: Quinta-feira, 3 Setembro de 2009 as 12

"Lembrai-vos da mulher de Ló"(Lc 17: 32).   

Muitas mulheres foram lembradas nas páginas das Sagradas Escrituras, ou por terem contribuído com algo decisivo para a conquista e libertação do povo de Deus, como Jael, que matou Sísera, capitão do exército do rei de Canaã, o qual oprimia os israelitas; ou como Débora; mulher profetisa que julgava a Israel naquele tempo. 

Outras, sob a ótica da moral da sociedade, nem seriam dignas de serem lembradas, quanto mais reconhecidas, como Raabe, a meretriz. Mas esta, não só foi citada por ter acolhido os espias que foram a Jericó, possibilitando conhecer o inimigo, bem como traçar estratégias para o ataque, como foi citada na genealogia de Jesus Cristo ( Mt 1: 5).   

A mulher de Ló não tem nome. Ao menos não é citado. Mas a sua atitude é lembrada até os dias de hoje.   

Quantos vivem presos a coisas, lembranças, pecados, sentimentos e comportamentos negativos que  paralisam, impedindo seguir à diante, avançar, progredir. Muitos vivem imersos num sentimento de autocomiseração, encontrando desculpas para serem como são.    

Essa mulher citada pelo Senhor Jesus como ilustração, ao discorrer sobre a vinda súbita do Reino de Deus, nos aponta para a tendência do homem em resistir a obedecer a Deus e confiar nos seus planos perfeitos. Sua  resistência a abandonar algo, que de certa forma é prazeroso, o faz perder o verdadeiro foco da vontade perfeita de Deus para sua vida.  Cria-se atalhos, que não o levarão ao destino final.       

Quando essa mulher olhou para trás, percebeu que tudo aquilo que lhe era cômodo, a satisfazia, ainda que imperfeito, estava sendo destruído. Não confiou no grande Deus que tinha preparado o melhor para ela e sua família. Preferia permanecer naquela sociedade corrompida pelo pecado a enfrentar o desconhecido. Penalidade: transformou-se em estátua de sal (Gn 19: 26). 

O apóstolo Paulo escrevendo aos crentes de Filipos, se compara a um atleta numa corrida, esforçando-se; totalmente concentrado naquilo que faz, para não ficar aquém do alvo que Cristo estabeleceu para sua vida. Não olhando para os lados, se distraindo com coisas sem importância, mas perseverando até conquistar seu objetivo.      

"Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Jesus Cristo" ( Fl 3: 13 e 14).  

Ele corria pela coroa incorruptível, preparada para aqueles que são fiéis até a morte. Em 2 Tm 4: 7, ele escreve:"Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé".          

 Precisamos nos transformar pela renovação da nossa mente, como o mesmo apóstolo falou aos romanos. Mente renovada, atitudes e comportamentos mudados.  

"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" ( Rm 12: 2). 

A Psicologia Cognitiva- comportamental se utiliza desse princípio em suas abordagens terapêuticas, partindo da premissa que a atividade cognitiva (mental) influencia o comportamento e que ela pode ser modificada e alterada. O comportamento desejado pode ser influenciado pela mudança da mente. Ela se foca nas conexões entre o que a pessoa pensa de si mesma, ou a situação (a parte cognitiva), e como isso afeta a maneira como ela age (a parte comportamental). Concentra-se basicamente no que está acontecendo em sua vida, ao invés de buscar causas no passado.    A Ciência utilizando princípios da Palavra de Deus. 

Quando buscamos conhecer aquilo que somos na pessoa de Cristo, temos a possibilidade de desenvolvermos nossa auto-estima. Nossa mente se renova; já não reagimos como pessoas imaturas, sem conhecimento espiritual.

Ainda que o ambiente ao nosso redor seja o mesmo, já não o somos. Temos em Deus, condições necessárias para não seguir o curso da sociedade, que insiste em ditar padrões de comportamento; comportamento, muitas das vezes, corrompido pelo pecado e,  infelizmente, aceito por algumas pessoas ditas cristãs.         

Tudo aquilo que nos detém, impossibilitando avançar para o alvo perfeito do Senhor para nós, deve ser deixado para trás: egoísmo, obstinação, pecado, desculpas humanas, amizades erradas, entre outras.

Se você, pela Palavra revelada de Deus, já conhece aquilo que Deus quer de você, fazer em você e através de você, porque insiste em olhar para trás? Acaso tem algo tão melhor que a vontade perfeita de Deus para sua vida?    

"Corríeis bem; quem vos impediu para que não obedeçais à verdade ? Essa persuasão não vem daquele que vos chamou" ( Gl 5: 7, 8).    

Que a lição da mulher de Ló nos sirva de alerta, e prossigamos para o alvo, que é Jesus. Façamos como o escritor aos Hebreus nos diz:   

"Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé", ( Hb 12: 1, 2 a). 

Mônica Valentim

Mônica Valentim é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.    

veja também