MENU

Vem pra mesa do Rei

Vem pra mesa do Rei

Atualizado: Terça-feira, 30 Outubro de 2012 as 2:35

 

“E disse Davi: Há ainda alguém que ficasse na casa de Saul, para que lhe faça bem por amor a Jônatas? [...] Então, disse Ziba ao rei: Ainda há um filho de Jônatas, aleijado de ambos os pés [...] E, vindo Mefibosete, filho de Jônatas, filho de Saul a Davi, se prostrou com o rosto por terra e se inclinou a Davi; e disse Davi: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui o teu servo. E disse-lhe Davi: Não temas, porque decerto usarei contigo de beneficência por amor de Jônatas, teu pai, e te restituirei todas as terras de Saul, teu pai, e tu de contínuo comerás pão à minha mesa” (2 Sm 9.1, 3b, 6, 7).
 
Há várias pessoas no mundo que vivenciaram grandes tragédias. Desastres, doenças, perdas financeiras e posição social. Não são poucas aquelas que, infelizmente, não conseguem superá-las e transformá-las em degraus para alcançar algum objetivo maior. A minoria apresenta capacidade de superação e se levanta para “dar a volta por cima”, deixando de dar importância ao que as circunstâncias lhe roubaram.
 
A deficiência física é um exemplo (seja ela congênita ou adquirida). Pode ser paralisante, não apenas no corpo em si, mas por deixar o indivíduo atado a conceitos pré-estabelecidos por uma sociedade preconceituosa, onde o valor é medido pelo resultado da produção. E a maioria se engana ao acreditar que apenas os “fisicamente perfeitos” possuem a capacidade de ser útil.
 
Se nos dias atuais muitos são vítimas de preconceitos por apresentarem algum grau de deficiência, seja ela física ou intelectual, quanto mais na Antiguidade, onde um indivíduo coxo, cego ou surdo era visto como amaldiçoado, e, na maioria das vezes, vivia isolado dos demais e dependia da caridade alheia para sobreviver, quando não mendigava. Este era o caso de Mefibosete, o homem de quem vamos falar.
 
Mefibosete nasceu num "berço de ouro" de um "palácio real", pois era neto do Rei Saul, filho do Príncipe Jônatas (2 Sam 4.4). Entretanto, uma tragédia se abateu sobre sua vida quando ele tinha apenas cinco anos de idade. Israel foi derrotado em uma sangrenta batalha no monte Gilboa. A notícia da morte de Saul, Jônatas e Isbosete chegou até a casa real enchendo todos de terror.
 
A babá de Mefibosete, temendo que o menino também fosse morto, o toma em seus braços e foge correndo, mas, na pressa, acaba tropeçando e deixando o menino cair. Na queda, Mefibosete despedaça os pés e fica aleijado. Agora, ele está órfão de pai e mãe. Perdeu a majestade, perdeu a saúde e vive escondido em um humilde povoado, numa cidade chamada Lo
 
Debar (sem pasto), onde havia sequidão e miséria, e cujos habitantes eram todos mendigos ou doentes.
 
Passou a depender da caridade alheia. Um bom homem, cujo nome era Maquir, que foi quem o amparou, adotando-o como filho. Seu exílio forçado aparentemente o livrou de ser enforcado, junto com os demais da casa real. Mas, o que ele ignorava é que havia uma aliança entre seu pai Jônatas e o rei Davi, de que suas sementes cresceriam juntas. Davi comprometeu-se a sempre demonstrar bondade para com a família de Jônatas (1 Sm 20.11-23).
 
Bem diferente de seu pai Saul, o príncipe Jônatas revelou ser um homem justo. Vemos isto na atitude que ele tomou diante do conflito entre seu pai, o Rei Saul, e Davi. Ele não permitiu que os laços familiares e as ambições pessoais interferissem em seu juízo da situação. Ele examinou o conflito com imparcialidade. Jônatas não tomou partido do pai, mas rendeu-se às evidências e saiu em defesa de Davi.
 
Jônatas não se deixou dominar pelo ciúme, inveja e ambição pessoal, o que seria de se esperar visto que o aclamado herói nacional Davi era, na época, considerado por muitos como um forte concorrente ao trono de Israel, ao qual, ele, Príncipe Jônatas, era o herdeiro natural. (1 Sm 20.14-16). Tal ato de justiça seria um dia lembrado por Davi, o que beneficiaria seu filho Mefibosete.
 
A princípio, Mefibosete temeu Davi. Quando chamado à sua presença se prostra com o rosto em terra, demonstrando reconhecer que não merecia nenhum favor daquele a quem seu avô perseguiu ferozmente. Dirigiu-se ao rei humildemente como servo, mas ouviu deste: “Não temas, porque usarei contigo de beneficência por amor de Jônatas, teu pai, e te restituirei as terras de Saul, teu pai, e tu de contínuo comerás pão à minha mesa” (2 Sm 9.7). Que grande privilégio! Aquele que era tido como pária da sociedade, agora é exaltado e passa a desfrutar da mesa do rei!
 
Davi não foi vingativo, apesar de Saul ter sido o seu maior inimigo. Ele mostrou bondade para com a casa de Saul. Os reis costumavam eliminar os descendentes de uma linhagem real que poderiam reivindicar o Reino (Jz 9.5 e 2 Cr 22.10). Davi nos ensina o que declara Romanos 12.21: “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”.
 
A princípio Mefibosete não se sente confortável com a atitude bondosa de Davi; se considera indigno de obter tal favor do rei, conforme ele mesmo declara:
 
“Porque toda a casa de meu pai não era senão de homens dignos de morte diante do rei, meu senhor; e, contudo, puseste a teu servo entre os
 
que comem à tua mesa; e que mais direito tenho eu de clamar ao rei”? (2 Sm 19.28).
 
E quantos hoje, que após terem sido resgatados da vida enganosa e miserável do pecado não se comporta tal qual Mefibosete, se sentindo indignos do favor e graça de Deus! Mas o Senhor nos amou quando ainda éramos inimigos e nos reconciliou consigo pela morte do Seu Filho (Rm 5.10). Assim como Davi e Jônatas Ele fez uma Aliança conosco. Estávamos separados e espiritualmente mortos por causa do pecado de Adão (Rm 5.12).
 
Mas, assim como herdamos o mal pelo pecado de um só homem (Adão), Deus nos afirma em Sua Palavra que , ao recebermos o dom da justiça reinaremos nesta vida. Tal qual Mefibosete temos o direito de participar da mesa do Rei e comermos do melhor, não apenas na Eternidade, mas aqui na terra:
 
“Porque, se, pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que receberam a abundância da graça e do dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, Jesus Cristo” (Rm 5.17).
 
Assim como Davi resgatou a dignidade de Mefibosete fazendo-o participar da mesa real, apesar do preconceito da época com relação aos deficientes físicos, Deus, na pessoa de Jesus Cristo “nos resgatou do Império das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do Seu amor” (Cl 1.13). Também estávamos na condição de coxos, surdos, cegos e mudos espiritualmente, mas agora Ele nos transforma “e nos faz idôneos [capazes] para participar da herança dos santos na luz” (Cl 1.12). “Na luz” aponta para a revelação da Sua Palavra. Precisamos conhecer qual herança o Senhor nos deixou, e esta consta nas Escrituras, para podermos reivindicá-la e desfrutá-la.
 
Cada um de nós que fomos comprados pelo sangue de Jesus Cristo e resgatados da condição de bastardos, hoje, como filhos, somos convidados pelo Rei a participar da mesa real. Ela está posta. Só o Senhor nos ergue e nos faz assentar como príncipes em Seu Reino. Cada promessa do Senhor para os herdeiros está em Sua Palavra e é nosso manjar. Jesus afirmou: “... quem de mim se alimenta também viverá por mim” (Jo 6.57b). Jesus Cristo é tudo o que precisamos. Nele nada nos falta. Vem você também pra mesa do Rei!
 
“Quem é como o Senhor, nosso Deus, que habita nas alturas; que se curva para ver o que está nos céus e na terra; que do pó levanta o pequeno e do monturo, ergue o necessitado, para fazê-lo assentar com os príncipes do seu povo” (Sl 113.5-8).
 
 
por Mônica Valentim

veja também