Prisão perpétua sim no Brasil!

A falácia de “alienação parental” foi o ponto nevrálgico em que a Justiça caiu de joelhos perante o lobby pedófilo.

Fonte: Guiame, Patrícia AlonsoAtualizado: quinta-feira, 27 de agosto de 2020 16:10
Pedófilo preso. (Foto: Reprodução/ AFP)
Pedófilo preso. (Foto: Reprodução/ AFP)

Para aqueles que ignoraram que a legalização da pedofilia era um absurdo, agora terão de engolir mais uma.

Além da pedofilia incestuosa já ser legal no Brasil através da Lei da Alienação Parental, agora o ‘lobby pedófilo’ a fim de safar esses criminosos estão colocando um projeto de Lei no Congresso Nacional para que o Brasil reconheça que a pedofilia seja uma doença, e passe as mãos na cabeça desses criminosos.

Sim, em 27/08/2020, através da deputada Marina Santos (Solidariedade-PI), foi colocada a PL 4246/2020 para tratar do tema.

Importante salientar que a PEDOFILIA não existe no ordenamento jurídico brasileiro, pasme com essa informação, mas é uma grande verdade.

Existe sim, estupro de vulnerável, previsto no art. 217-A do Código Penal, entretanto, o que mais temos visto atualmente é o crime de PEDOFILIA INCESTUOSA.

Como se não bastasse a simples alegação de defesa de que o crime acima nada mais é do “educação sexual familiar”, ou a pior de todas, a falácia de “alienação parental” foi o ponto nevrálgico em que a JUSTIÇA caiu de JOELHOS perante o Lobby Pedófilo, agora, a nova “modinha” é passar a mão na cabeça deste criminoso e afirma: “Eu sinto a sua dor”!

Sim, isso mesmo. Quem já não viu nas redes sociais uma Psicóloga Miriam Heine, com voz doce, fazendo uma palestra e alegando que precisamos ser complacentes com os pedófilos?

Essa “modinha” não vem de hoje. No Jornal pedófilo “Paidika”, em 1993 o pastor luterano Ralph Underwagger assim se pronunciou a respeito: Assuma o risco, as consequências do risco, e faça a afirmação: isso é algo bom. Os pedófilos precisam se tornar mais positivos e afirmar que a pedofilia é uma expressão aceitável da vontade de Deus por amor e unidade entre os seres humanos. Só assim será respondida a pergunta, se isso é possível ou não. Isso acontece? Isso pode ser bom? Isso é o que ainda não sabemos, como os pedófilos podem se comportar de maneira amorosa. É sobre isso que você precisa conversar. Você precisa se envolver no discurso e fazê-lo enquanto age. Mateus 11 fala sobre a sabedoria de Deus e o caminho pelo qual a sabedoria de Deus, como a nossa, só pode seguir depois. Os pedófilos precisam se tornar mais positivos e afirmar que os pedófilos são uma expressão aceitável da vontade de Deus por amor e unidade entre os seres humanos”.

Pois bem, caro leitor, está impressionado? Mas quero deixar bem claro que o Congresso Nacional Brasileiro em 01/10/2009 já deixava claro que era a favor da pedofilia e mais, que a criança precisava conviver com essa realidade, razão pela qual passou o Projeto de Lei abrindo o caminho para pedofilia incestuosa.

Olha o que a relatora Maria do Rosário falou na época: Quantas vezes, nas situações de abuso sexual, nós trabalhamos na legislação aquele que promove o abuso? E não deve ser apenas do ponto de vista do abuso, quero me referir que é outra questão. Não deve haver apenas uma atitude de busca de responsabilização criminal, mas um tratamento para que este veja que cometeu um abuso, não perca o contato com essa família e tenha a possibilidade de manter essa relação, porque há vínculos também constituídos. Então, se nós trabalhamos isso para o abuso, que é algo que a sociedade rejeita tão fortemente, e não ao acaso... Imaginem essa condição. Nós queremos que se preservem, nessa condição, os vínculos.
Aqui todo o projeto de lei trabalha com a ideia de manter e ampliar vínculos”.

Portanto, queridos, o que podemos fazer agora é chorar, pois já está regulamentado a pedofilia incestuosa, e isso cada dia mais será reconhecido como “doença”. Só posso dizer: “Cuide de sua criança e lute para que pelo menos essa PL que foi colocada hoje no Congresso tenha uma POLÍTICO de fibra que rompe com as algemas do “politicamente correto” e introduza no Brasil a PRISÃO PERPÉTUA. Somente assim poderemos colocar esses indivíduos com impulso animal no lugar certo, na prisão, para sempre.

Essa é a minha opinião!

Por Patrícia Regina Alonso, mãe, advogada há 20 anos, teóloga, musicista formada pelo Conservatório Musical Ernesto Nazareth. Foi capelã do Hospital das Clínicas de São Paulo. É membro da ADVEC. Escritora do Livro “Alienação Parental o Lado obscuro da Justiça Brasileira” e colaborou no livro “A invisibilidade de crianças e mulheres vítimas da perversidade da Lei da Alienação Parental”.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições