MENU

Cristãos não podem ser possuídos por demônios

Cristãos não podem ser possuídos por demônios

Atualizado: Sexta-feira, 10 Setembro de 2010 as 11:34

Segundo as opiniões de Wayne Grudem, B. J. Oropeza, Caio Fábio, Paulo Romeiro e Ricardo Gondim, para citar apenas alguns, o cristão não pode ser possuído por espíritos malignos.

Assim como fizemos com o grupo anterior, vamos ver quais são os principais argumentos utilizados por estas pessoas para defender o seu ponto de vista.

a) Wayne Grudem

O teólogo reformado, Wayne Grudem, que encontra certa dificuldade para definir o significado da palavra “possuído”, faz a seguinte declaração no que se refere à possibilidade de um cristão ser possuído por espíritos malignos:

[...] "Será que um cristão pode ser possuído por demônios?”. A resposta depende do significado que se atribui a “possuído”. Como o termo parece não se basear em nenhuma palavra encontrada no Novo Testamento grego, as pessoas podem defini-lo de maneiras diversas [...]. Se “possuído por demônios” significa para elas que a vontade da pessoa está completamente dominada por um demônio, de modo que tal pessoa já não tem capacidade de decidir fazer o bem e obedecer a Deus, então a resposta certamente seria não, pois a Bíblia garante que o pecado não terá domínio sobre nós, já que fomos ressuscitados com Cristo [...].13

Aqui, Grudem, que defende o ponto de vista ortodoxo tradicional da Teologia Reformada, nega a possibilidade da possessão demoníaca ocorrer em cristãos baseado na doutrina da justificação. Uma vez que a doutrina soteriológica da justificação declara que o cristão foi restaurado à medida da justiça de Deus,14 através de Cristo, logo, não faz sentido aceitar que o cristão justificado possa ser possuído por espíritos malignos.

b) B. J. Oropeza

Outro teólogo, B. J. Oropeza, que partilha da mesma opinião de Grudem no tocante à impossibilidade da possessão demoníaca ocorrer em cristãos, oferece, porém, uma argumentação mais detalhada em relação a este assunto:

Se os cristãos são batizados no corpo de Cristo e têm o Espírito Santo habitando neles, parece contraditório dizer que aqueles que permanecem fielmente “em Cristo” podem ser possuídos por demônios [...]. Cristo libertou os cristãos do reino das trevas, e em última análise, em nenhum sentido o diabo pode mais tocálos (Cl 1.13; 1 Jo 4.4; 5.18). Não creio que cristãos cheios do Espírito Santo possam ficar endemoninhados. O que dizer então dos casos comprovados de cristãos possuídos por demônios? Alguns casos podem ser distúrbio mental, enquanto outros casos de opressão demoníaca (ataques) podem ser confundidos com possessão. Outros casos, ainda, podem ser indivíduos inseguros e de ânimo fraco fingindo estar possuídos ou se auto-induzindo a acreditar que estão possuídos para ganhar atenção .15

Em outras palavras, Oropeza está querendo dizer que aqueles que são verdadeiramente convertidos a Cristo, isto é, “são batizados no corpo de Cristo e têm o Espírito Santo habitando neles” não podem ser possuídos por demônios. Esta conversão real e verdadeira do cristão o imuniza contra a penetração de demônios em seu ser, pois “Cristo libertou os cristãos do reino das trevas”.

c) Caio Fábio

Caio Fábio, em seu livro intitulado Principados e Potestades, nos oferece seis razões pelas quais ele não acredita na possibilidade da possessão demoníaca acontecer em crentes. Estas razões são mencionadas abaixo em resumo:

1ª razão: o crente é santuário do Espírito Santo . [...] Paulo garante que não há possibilidade de convivência entre Cristo (Rm 8.9) e o maligno (Ef 2.2). “Que harmonia [há] entre Cristo e o maligno?” (2 Co 6.15). 2ª razão: o Espírito Santo é zeloso pelo seu santuário . [...] 3ª razão: o crente é propriedade de Deus. [...] A propriedade é exclusiva. Essa “propriedade” não será loteada e vendida ao diabo. 4ª razão: Jesus é o valente que tomou posse da propriedade . [...] Jesus me fascinou pela sua valentia e coragem diante da cruz. Essa valentia é a mesma no que diz respeito a guardar os seus filhos das investidas do diabo na tentativa de possuí-los. [...] 5ª razão: O Espírito Santo intercede pelos crentes em suas fraquezas. [...] O cristão não é um super-homem, mas é superprotegido graças à intercessão do Espírito Santo nas horas de maior fraqueza e necessidade. [...] 6ª razão: O imutável amor de Cristo garante a segurança. [...] O que nos dá segurança é o fato de o amor ser o de Cristo Jesus. [...] Um filho de Deus jamais ficará possesso por espíritos malignos. Esta é a confiança .16

Essa defesa apaixonada que Caio Fábio faz da impossibilidade da possessão demoníaca ocorrer em cristãos, baseada nestes seis itens por ele mencionados, leva em conta três elementos principais relacionados a cada uma das Pessoas da Trindade. Nós vemos: 1) o papel do Espírito Santo como habitante da vida do cristão e como seu intercessor (itens 1, 2 e 5); 2) o papel de Cristo como o nosso protetor e como alguém que nos ama (itens 4 e 6) e 3) o papel de Deus Pai como Aquele que nos tem como Sua propriedade exclusiva (item 3). Tais razões são bastante sensatas e biblicamente equilibradas.

d) Paulo Romeiro

O conhecido teólogo e apologista cristão, Paulo Romeiro, em seu interessante livro intitulado Evangélicos em Crise, faz o seguinte comentário referente à possessão demoníaca de cristãos:

[...] a Bíblia não ensina que um cristão pode ficar possesso ou ser habitado por um demônio. Pode, sim, ser atacado, oprimido de várias maneiras por demônios, mas não possuído por eles ou ficar endemoninhado.17 Algumas páginas depois, Paulo Romeiro conclui o seu pensamento com as seguintes palavras: É totalmente antibíblico expulsar demônio de uma pessoa que nasceu de novo e que vive em Cristo. A Palavra de Deus dá total segurança ao crente fiel, pois o Filho de Deus se manifestou para destruir as obras do diabo (1 Jo 3.8). [...] João disse ainda: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, aquele que nasceu de Deus [Deus] o guarda, e o maligno não lhe toca” (1 Jo 5.18). Ora, se o maligno nem pode tocar naquele que é nascido de Deus, como vai habitar nele? Biblicamente impossível.18 Paulo Romeiro, em seus dizeres, assim como Oropeza, admite que o cristão possa ser atacado e oprimido pelo demônio, mas jamais possesso. Além disso, Romeiro, tal como Caio Fábio, se alicerça na segurança de que desfruta o crente em Jesus, o qual lhe assegura total proteção diante das tentativas demoníacas de possuí-lo.

e) Ricardo Gondim

Por fim, o pastor e escritor Ricardo Gondim assim se expressa no que concerne ao tema da possessão demoníaca em cristãos:

Que um membro nominal de igreja possa ser possesso, não há qualquer dúvida. Porém, aqueles que já lavaram suas roupas no sangue do cordeiro não podem sucumbir a uma escravidão abjeta como a possessão .19

Notamos nesta declaração de Gondim que, para ele, a questão toda se resume na verdadeira identidade daquele que é possuído. Em outras palavras, para Gondim não basta freqüentar uma igreja para ser cristão, antes, você deve sê-lo em essência. Sendo assim, “cristãos nominais” podem ser possuídos por demônios, mas “cristãos em essência” não.

No momento oportuno, voltaremos a tratar dessa questão sobre a identidade daquele que é possuído com maiores detalhes. Agora, porém, voltemos a nossa atenção para alguns dos principais textos bíblicos que são usados por muitos a fim de poderem comprovar a possessão demoníaca em cristãos.

13 GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. São Paulo, Edições Vida Nova, 1999, p.345.

14 Confira o verbete JUSTIFICAÇÃO, em: ERICKSON, Millard J. Conciso Dicionário de Teologia Cristã. Rio de Janeiro, Juerp, 1995, p.94.

15 OROPEZA, B. J. 99 Perguntas sobre Anjos, Demônios e Batalha Espiritual. São Paulo, Editora Mundo Cristão, 2000, p.134.                                                           

16 FILHO, Caio Fábio D’Araújo. Principados e Potestades. São Paulo, Editora Mundo Cristão, 1997, pp.30-33. O acréscimo entre colchetes é meu.

17 ROMEIRO, Paulo. Evangélicos em Crise. São Paulo, Editora Mundo Cristão, 1995, p.127.

18 Idem, Ibidem, p.133. O acréscimo entre colchetes é meu.                                                           

19 GONDIM, Ricardo. Os Santos em Guerra. São Paulo, Abba Press, 1999, p.167.

Carlos Augusto Vailatti   é Bacharel em Teologia pelo IBES - Instituto Betel de Ensino Superior (SP) e Mestre em Teologia (Th.M.), com especialização em Teologia Bíblica, pelo STSC - Seminário Teológico Servo de Cristo (SP). Além disso, é também professor de diversas disciplinas bíblico-teológicas. É casado com Noeli Guimarães Vailatti.

Contato:

Blog:   www.blogdovailatti.blogspot.com  

Email:   [email protected]

veja também