MENU

Eu pequei, e agora?

Eu pequei, e agora?

Atualizado: Quinta-feira, 26 Agosto de 2010 as 10:47

Bem que eu estou tentando ser um esposo melhor, mas de vez em quando… Bem que eu estou tentando ser uma esposa melhor, mas de vez em quando… Bem que estou tentando ser um filho melhor, mas de vez em quando… Bem que eu estou tentando ser um aluno melhor, mas de vez em quando… Bem que eu estou tentado ser um cristão melhor, mas de vez em quando… Bem que eu tentei, mas na hora "H"… Não deu: eu pequei! E agora? O que fazer?

O dilema do "não posso", mas "não consigo"; do "desejo", mas "não devo" é o dilema de todos nós. A exemplo de Paulo: miserável seres humanos que somos! O que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse continuo fazendo (Rm 7:19 – NVI). Essa é a luta nossa de cada dia. Muitos são os que se encontram nocauteados pelo pecado, sem forças para continuar, entregues. O que fazer? Alegra-nos saber, que toda vez que nós pecamos não é o fim da linha. Deus sempre pode recomeçar de novo conosco.

O versículo 13, de II Timóteo capítulo 2 é fantástico! Lá está escrito: Se somos infiéis ele permanece fiel; porque não pode negar-se a si mesmo. Nós sabemos que a Bíblia não foi escrita em português, mas em grego. Por isso, observe a palavrinha "infiéis" que aparece neste versículo. Essa palavra é um verbo no presente na língua original (gr. apistoumen) e tem um significado revelador.

Poderíamos parafrasear a expressão da seguinte maneira: "se deixarmos de viver a altura da nossa profissão" ou "se pecarmos e nos revelarmos instáveis nas provas e tentações". A resposta que esperamos segundo a lógica dos outros versículos é: "Ele também será infiel", mas, não é isso que acontece! O paradoxo do amor de Deus não permite tal coisa. A verdade é proclamada de modo triunfante: Ele permanece fiel! A grande afirmação do versículo é que por mais inconstantes e infiéis que os homens sejam, o amor de Deus continuará inalterável.

Agora entenda bem o que estamos querendo dizer. O objetivo do versículo não é abrir a porta pra a apostasia, não é dar uma licença para pecar, não é dar uma autorização para andarmos de acordo com a nossa vontade, mas sim fornecer um bálsamo para consciências perturbadas. Isso é graça, maravilhosa graça… Continue insistindo, continua caminhando e crescendo na santificação pessoal! E lembre-se sempre, toda vez que você errar, cair, for "infiel", Deus pode recomeçar tudo de novo com você! Confesse, se arrependa, clame por misericórdia. Ele é fiel.

Como entender tão grande amor?

Eleilton William de Souza Freitas   é missionário, casado, e graduando em teologia. É líder do Ministério Jovem da Igreja Adventista da Promessa, no bairro de Vila Maria, em São Paulo.  

veja também