MENU

A morte e a vida no poder da sua Língua

A morte e a vida no poder da sua Língua

Atualizado: Terça-feira, 2 Outubro de 2012 as 8:13

Desde pequeno eu tive muitos problemas com o que falava.

Eu Era muito negativo porque vivia muitas vezes em uma ambiente onde havia muitas palavras negativas.

Embora eu já fosse cristão, e a maior parte dos meus parentes também, nós não tínhamos entendimento, conhecimento da palavra revelada.

Cresci com essa deformidade, falava o que pensava, mesmo sem avaliar as consequências.

Conheci minha esposa, Georgia, ela tinha 14 anos e eu 17. Eu não era nenhum pouco romântico, mas, bem divertido. No primeiro dia de namoro eu disse a ela: "eu quero te dizer que eu gostei muito de você, mas que eu tenho sérios problemas com minhas palavras. Eu 'estouro' muito rápido. quer namorar comigo mesmo assim?".

Creio que nem eu nem a Georgia, sabíamos o tamanho do problema que estávamos prestes a enfrentar futuramente como casal. 4 anos mais tarde nos casamos, e agora, estávamos nos conhecendo mais e mais, vendo as falhas um do outro que, no namoro, não vimos.

Primeira vez que fui ao mercado fazer compras, Georgia colocava, de cada produto, três, quatro, cinco unidades! Eu dizia: "pra que colocar tantos iguais? coloca um de cada!" e, quando chegava no caixa, na hora de pagar, eu dizia: "lá se vai meu dinheiro!".

Nosso relacionamento ficou muito tenso, a cada dia enfraquecia, porque eu sempre estava falando negativo e machucava Georgia com minhas palavras.

Além de eu ter problemas com minha língua, Georgia era muito ciumenta, na verdade, doente de ciúmes. Agora, imagina, éramos uma dupla DINAMITE e não Dinâmica!

Foi quando conhecemos o Rhema Brasil, fizemos nossa matrícula e começamos a estudar a palavra de Deus juntos.

No primeiro módulo, fundamentos da fé, fui impactado com as grandezas das revelações.

Aprendi que a morte a a vida estão no poder da minha língua e que, aquele que bem a utiliza come do seu fruto.

Foi aí que iniciei o processo de "esticar o pavio" exercei o fruto do espírito, domínio próprio, que sempre esteve no meu espírito mas não tinha consciência da sua precença e poder.

Fui a cada dia mudando minhas palavras, falando o que era bom, boas palavras para minha esposa, para mim mesmo, sobre minha vida, família, ministério, em fim, uma mudança radical.

No começo não foi fácil, eu não acordei no outro dia transformado simplesmente porque eu queria mudar, melhorar, não! foi um longo processo que dura até hoje.

O apóstola Paulo diz: "não que eu já tenha alcançado a perfeição (maturidade plena) mas uma coisa faço, esquecendo-me das coisas que para traz ficaram, avanço!..."

É isso que você tem que fazer. Não importa como você era, o que você fez e disse, ou quantas pessoas foram machucadas com as suas palavras, e até mesmo você que foi atingido com suas próprias palavras negativas! O que importa agora é, MUDE SUAS PALAVRAS, inicie o processo de transformação a cada dia! Melhore, fale mais a palavra, ria mais, viva mais e, todos que estiverem a sua volta serão abençoados com a sua vida cheia da alegria do Senhor.

 

Eliezer Rodrigues

veja também