MENU

Diagnóstico: instrumento de prevenção do empresário

Diagnóstico: instrumento de prevenção do empresário

Atualizado: Quarta-feira, 21 Julho de 2010 as 5:17

1- Causas da deterioração

2- Função do Diagnóstico

3, 4 e 5- Conduta: Empresários, Reestruturadores e Estrutura

6 - Análise de Mercado

7- Reconhecendo Indícios de Deterioração

8- Estágios da deterioração e formas de recuperação

9- Diagnóstico como instrumento de prevenção

''O senhor faz diferença entre os que O servem e os ímpios''  Malaquias 3:18

Ciclo de Vida: Toda empresa tem seu ciclo de vida. Nasce, cresce, desenvolve e começa a descer. O mais difícil é empreender e para ''arrumar'' a empresa, pode ser chamado o reestruturador. Entretanto, o ''timing'' em que a percepção do processo de deterioração inicia é do empresário que, tomada a decisão a tempo, economiza e retoma o desenvolvimento rapidamente. Portanto, não é preciso abrir mão do desenvolvimento. 1-   Causas da Deterioração de uma Empresa: Não diversificação dos produtos/serviços (vide ''case da Du Pont''); custo elevado da matéria prima (pode inviabilizar o negócio), concessão de crédito: prazo e limite adequado a cada um; imobilização em ativos (esterilizando o capital de giro), crédito bancário abundante (credibilidade da empresa/sócios).Ausência de controles/gestão.

Se o Diagnóstico revelar uma situação adversa: ''Ele me invocará e Eu lhe responderei; na sua angústia eu estarei com ele, livrá-lo-ei com longevidade e lhe mostrarei a minha salvação''. Salmo 91: 15 e 16.

2-   Função do Diagnóstico: É um instrumento de gestão cuja finalidade é determinar a viabilidade da empresa/negócio, elaborar o fluxo de caixa da reestruturação, determinar o prazo da reestruturação, determinar se é recuperação, ou se é recuperação judicial, agregar o Plano de Reestruturação determinando as linhas de ação a seguir no alongamento do perfil da dívida/priorizar e alongar pagamentos.

3-   Conduta do Empresário: Apresentado o Diagnóstico, Plano de Reestruturação, cabe ao empresário apoiar, acompanhar e participar em co-gestão da execução do ''Plano de Reestruturação'', em conjunto com o reestruturador.

4-   Conduta dos Reestruturadores: Reestruturação/Recuperação de Empresa é ''Mudança de Curso'' / ''Turn Around'', como é o chamado no original. Assim, a mudança de curso deve acontecer logo nos primeiros  dias de execução do Plano de Reestruturação. Portanto, a característica principal do trabalho é a mudança de curso, logo de início.

5-   Conduta da Estrutura: A empresa deve agir como um todo, desde o topo até ao menor nível da estrutura e todos devem ter conhecimento dos objetivos a serem alcançados ao longo do tempo da reestruturação  e por quanto tempo será o esforço.

6-   Análise de Mercado: O empresário deve acompanhar constantemente a evolução das vendas/faturamento e estar disposto a fazer mudanças e inovações a fim de ''manter a empresa viva''. O pós crise exigiu uma profunda mudança no mercado, não só quanto a preço, mas novos produtos que pudessem sustentar o faturamento.

7-   Reconhecendo Indícios de Deterioração:  é obrigação do empresário reconhecer sinais de deterioração e a implementação de um Diagnóstico pode ser:

Diagnóstico preventivo: permite que a reestruturação seja apenas Gestão. Diagnóstico ao seu tempo: permite que o trabalho seja de recuperação. Diagnóstico fora de tempo: poderá ensejar recuperação judicial. Os indícios de deterioração são sinais de alerta a que o empresário deve estar atento, pois tomando decisão a tempo evita de que sua empresa passe por um processo mais complexo de recuperação e mais caro também. Pode ocorrer um deles isoladamente, ou uma combinação deles:

Falta de capital de giro Falta de recursos para compra de matéria prima Restrições aumentando Inadimplência aumentando Vendas caindo, abaixo do ponto de equilíbrio 8-   Estágios da Deterioração e Formas de Recuperação:

Quando a deterioração está em seu início, a recuperação poderá ser apenas gestão. Quando evolui um pouco mais, a recuperação entra em seu processo normal, na maioria das vezes demandando até três anos para sanear completamente. Quando a deterioração está mais forte, certamente ocorrerá o caso de recuperação judicial, onde o prazo de saneamento está acima dos três anos. 9-    Diagnóstico como Instrumento de Prevenção:

O empresário deve, tão logo identifique sinal, ou sinais de deterioração, imediatamente pedir um Diagnóstico, pois só assim tomará as medidas corretivas a tempo, procurando apoio especializado.

''Toda arma forjada contra ti não prosperará; toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás; esta é a herança dos  servos do Senhor e o seu direito que de mim procede, diz o Senhor. Isaias: 54:17''.

Josué Ratola é Reestruturador Sênior da Mancinelli & Ratola Consultoria em Recuperação de Empresas; professor universitário nas áreas de Adm. Empresarial: Financeira e Orçamentáia, Teoria Geral da Administração, entre outras. Já passou por inúmeros bancos, como Citibank (início), Unibanco (Superintendente Regional), Itaú (Superintendente Regional), Montrealbank (Diretor Executivo) e foi Diretor Executivo do Consórcio Nacional Massey Ferguson

veja também