MENU

Cheira Mal

Cheira Mal

Atualizado: Terça-feira, 14 Setembro de 2010 as 11:50

“A inveja é a podridão dos ossos” (Pv 14.30). O autor sagrado bem expressou que a inveja é doença. É um cancro, porque destrói a pessoa por dentro. Piores do que o aspecto dessa doença são os seus efeitos malignos. A inveja é um tumor em tudo semelhante ao carcinoma: ela deteriora a pessoa inteiramente, desgastando-a completamente.

Foi Frei Luiz de Souza, famoso escritor português, quem comparou a inveja ao ferro consumido pela ferrugem. E é mesmo. O invejoso é um autófago, porque se devora a si mesmo. Destruindo-se, o invejoso também destrói os outros, como carcoma. Isso porque os mandamentos da lei da inveja são uns e os mandamentos da lei de Deus são outros. Escreveu Vieira: “Os da lei de Deus dizem: não matarás, não furtarás, não levantarás falso testemunho. Os da lei da inveja dizem: não serás honrado, não serás rico, não serás valente, não serás sábio, não serás disposto”.

Mas, afinal, o que é inveja?

É pesar, lamentar pelo bem alheio. O invejoso se irrita com a felicidade dos outros. Contrai os lábios, ao invés de abri-los num sorriso, vendo sorrir alguém. A inveja, sem dúvida, é a homenagem que a inferioridade tributa ao mérito. É o invejoso emagrecendo de ver a gordura alheia, como escreveu Horácio.

Jesus Cristo foi levado a julgamento por causa da inveja dos líderes religiosos de sua época (Mt 27.18). Observavam que agradava ao povo, com suas pregações e maravilhas, que modificava os preceitos por tantos anos observados, que confrontava os fariseus, os doutores da Lei e os principais sacerdotes, com autoridade divina. Então, resolveram julgá-lo como alguém que usurpava o lugar de Deus, infringia a Lei, anunciava sua própria ressurreição. E condenaram Jesus Cristo.

Não só mataram a Jesus Cristo por inveja, mas também, mais tarde, pregavam o evangelho por inveja (Fl 1.15). Pode alguém pregar por inveja? A idéia seria esta: se eles podem, por que não posso também? O mesmo pensamento dominou a mente de Simão, o mágico. Ele abraçou a fé e observava os sinais e milagres praticados pelos apóstolos, através da imposição das mãos. Então, ofereceu-lhes dinheiro para que obtivesse o mesmo poder. Pedro lhe respondeu: “Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus” (At 8.9-25). Ele foi movido pela inveja; queria fazer igual, mas com a motivação errada.

De outra feita, os judeus em Tessalônica, movidos de inveja, reuniram homens de má índole para assaltarem a casa de Jasom e prenderem Paulo e Silas; eles diziam: “Estes que transtornaram o mundo chegaram também aqui” (At 17.1-9). Com sua religião, suas práticas legalistas, os judeus apenas afastavam os gentios; a nova mensagem estava atraindo a muitos, inclusive mulheres distintas da sociedade. Por isso, havia um sentimento negativo em seus corações que os levava a agir com violência e desprezo contra os servos do Senhor.

O escritor de Provérbios tinha razão: inveja é podridão e cheira mal.

Rev. Tácito da Gama Leite

Dr. Tácito da Gama Leite Filho   é escritor, autor de 84 Livros; doutor em Teologia (Pontifícia Universidade Católica - RJ); doutor em Psicologia (Florida Christian University, Miame - FL - USA); fundador e diretor do CETEO - Centro de Estudos Teológicos Brasileiro - www.ceteo.com.br .

veja também