MENU

Por que Devemos Dizimar na Casa de Deus

Por que Devemos Dizimar na Casa de Deus

Atualizado: Terça-feira, 3 Agosto de 2010 as 11:26

"Não me compraste por dinheiro, cana aromática, nem com a gordura dos teus sacrifícios me satisfizestes, mas me destes trabalho com teus pecados, e me cansastes com as tuas iniquidades.". ( Isaías 43:24 )

É a forma que Deus estabeleceu para que, através de sua prática, homens fiéis pudessem ter o privilégio de cooperar e participar do crescimento de sua obra.

É a maior prova de que o homem espiritual, o novo homem, pode dar a Deus de que está totalmente desligado das coisas materiais, devolvendo apenas 10% de tudo o que Ele lhe tem confiado, deixando-o em condições e com plena liberdade de reivindicar, cobrar dEle o suprimento de suas necessidades; "...trazei todos os dízimos a casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa e provai-me nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.  ( Malaquias 3:10 )

Observe que há um imperativo da parte de Deus: "...trazei...", define bem o lugar para onde levar: "...na casa do tesouro...", que é a Igreja; mostra também o seu destino, a sua aplicação: "...haja mantimento...", ou seja, que ela tenha tudo que for necessário para que possa exercer a sua atividade. Como uma "agência organizada do reino de Deus", encontramos também um cheque assinado em branco por Deus. Vejamos: "...provai-me nisto...", em quê ? Nas nossas necessidades diárias, nos nossos planos, etc.

Quero, pois, incentivá-lo e mostrar que vale a pena ser fiel a Deus em todos os sentidos, principalmente nos dízimos e ofertas. E a sua prática é de bom alvitre e demonstra obediência e desprendimento das coisas materiais, que destroem muitas vidas e famílias.

Quando o rei Ezequiel realizou as suas reformas, uma das áreas que estabeleceu e que muito abençoou o povo individualmente e toda a nação foi o incentivar a volta do povo para Deus e para a sua Lei. Vejamos:

"Logo que se divulgou esta ordem os filhos de Israel trouxeram em abundância as primícias do cereal do vinho, do azeite, do mel e de todo produto do campo, também os dízimos de tudo trouxeram em abundância. ( 2 Crônicas 31:05 ).

Notemos as palavras abundância e primícias: o povo participava liberalmente e do melhor que possuía, e o resultado foi a bênção devolvida abundantemente sobre eles e a nação.

Essa benção foi testemunhada pela palavras do sumo sacerdote Azarias, em resposta ao rei Ezequias : "... lhe respondeu: desde que se começou a trazer na casa do Senhor estas ofertas, temos comido e nos temos fartados dela, e o Senhor abençoou ao seu povo, e esta grande quantidade é o que sobra..." (2 Crônicas 31:10).

A única maneira que o homem tem para saber que será atendido é se ele for fiel a esta lei, pois de forma nenhuma Deus "quebrará uma regra espiritual, estabelecida por ele para nos abençoar

E o dar vem antes do receber; nós não teríamos Jesus se, antes, ele não nos tivesse sido dado "... porque Deus amou o mundo... ele deu..." (João 3:16).

É uma lei natural e amplamente praticada por nós: Sempre nos comprometemos antes de sabermos o resultado final. Por exemplo:

a) pagamos caro por uma calça, antes de usá-la no dia-a-dia, e quando passamos a utilizá-la, percebemos que ela não valia o preço que pagamos. Fomos enganados;

b) podemos comprar uma passagem pensando que vamos chegar a um determinado lugar e pagamos antecipadamente, porém, pode acontecer um acidente de percurso e não chegarmos ao nosso destino.

Nos dois exemplos assumimos papéis de que não sabíamos o desfecho final, mas assumimos o risco, porque precisávamos da roupa e tínhamos de viajar. Se agimos assim com as necessidades materiais, físicas, por que não sermos assim com as necessidades espirituais? Pensemos nisto, principalmente quando encontrarmos base bíblica, pois a Bíblia deve ser a nossa única regra de fé e prática.

Temos que parar com a "axiologia"; acho que é, acho que não é... A Bíblia promete e garante a repreensão do devorador, do migrador, do destruidor, que é o diabo, em suas diversas caras. E quando isso ocorre, são certas as bênçãos do Senhor sobre as nossas vidas. Assim, se quisermos ser prósperos, a forma é o exercício da prática do dízimo.

Wanderley Aulucci é pastor, teólogo, diretor e idealizador do Portal Obreiro Aprovado, palestrante, conferencista e articulista, com diversos artigos publicados em periódicos evangélicos.

www.obreiroaprovado.com.br

veja também