46 respostas para o que você sempre quis saber sobre a gravidez

46 respostas para o que você sempre quis saber sobre a gravidez

Atualizado: Segunda-feira, 17 Maio de 2010 as 2:27

1 - Devo tomar vitaminas e vacinas?

Há indicação, mas converse com o seu médico para que ele avalie suas necessidades. A falta de vitamina B, por exemplo, pode causar problemas de desenvolvimento e na coluna vertebral. Essa vitamina está presente em vegetais verde-escuros, no aspargo e no fígado, mas é difícil ingerir a dose certa por meio da dieta. Por isso, três meses antes da concepção, você deve tomar ácido fólico. É o médico também quem poderá orientá-la com relação às vacinas, após fazer testes para saber se você teve ou se foi imunizada contra certas doenças.

2 - As chances de engravidar diminuem com o tempo?

Sim, porque os óvulos envelhecem: a mulher está geneticamente programada para perder a fertilidade. Confira na tabela abaixo as chances de engravidar naturalmente por faixa etária, em um ano de tentativas.

3 - Menstruação irregular influencia a fertilidade?

A menstruação irregular pode ser um indício de falta de ovulação, para a qual há tratamento. É preciso checar se foram feitos exames de videolaparoscopia, que pesquisam a dificuldade de engravidar. As clínicas especializadas em reprodução humana podem ajudar.

4 - Os testes de ovulação são confiáveis? Onde encontrá-los?

Testes de ovulação, como Clearplan e Fertility Day, são baseados na dosagem do hormônio LH (luteinizante), cujo nível se eleva de 24 a 36 horas antes da ovulação. O mecanismo é igual ao dos testes de gravidez: a presença do hormônio é detectada pela urina. Não há contra-indicação. São vendidos em farmácias, embora não sejam muito fáceis de encontrar. A ultra-sonografia transvaginal seriada também verifica a ovulação.

5 - Qual o melhor dia do ciclo menstrual para engravidar?

O período fértil ocorre no meio do ciclo menstrual. Para um ciclo de 28 dias, o momento em que a mulher estaria ovulando seria 14 dias após o primeiro dia de sangramento e 14 dias antes da próxima menstruação. Se os seus ciclos forem maiores ou menores, você precisa calcular a metade. Mas alguns fatores, como estresse e distúrbios hormonais, podem alterar a data. Isso explica por que a tabelinha, às vezes, falha como método anticoncepcional. Outra forma de saber o dia fértil é controlar o muco cervical, que antes da ovulação fica

mais abundante e pegajoso, semelhante à clara de ovo.

6 - Quatro meses de tentativas frustradas é sinal de problema?

O tempo médio considerado normal para conseguir engravidar é de seis meses a um ano para um casal que pratica sexo pelo menos três vezes por semana. Antes de completar o ano, o melhor a fazer é relaxar. Tente não ficar obcecada pelo desejo de ter um filho e invista nos chamegos e no clima de romance com o parceiro.

7 - Tenho 35 anos. Correrei mais riscos se quiser ter meu primeiro filho agora?

Algumas doenças e malformações dos bebês aparecem percentualmente em maior número conforme avança a idade da mãe. Antes dos 35 anos, o risco de gerar um filho com síndrome de Down é de um em 600 nascimentos. Por volta dos 40 anos, a incidência é de um para 100. Portanto, nesses casos o pré-natal deve ser bem monitorado

8 - Estou alguns quilos acima do peso. Devo fazer regime e só depois ficar grávida?

 Sim. Já que você está planejando a gravidez, equilibre a balança antes. Não se trata somente de uma questão estética, mas de saúde. Um estilo desregrado de alimentação, que geralmente leva ao excesso de peso, provoca alteração de produção de hormônios sexuais, importantes para a ocorrência de uma gestação. Portanto, evite frituras, gorduras e doces, e faça exercícios. Para motivar-se, por que não tentar programar alguns exercícios a dois? Uma boa corrida com seu amor no parque pode até ser bem afrodisíaca.

9 - Qual é a taxa de sucesso da fertilização in vitro?

Os resultados variam conforme a clínica de fertilização, chegando a atingir 40% de sucesso por tentativa. Esse índice é maior do que o da natureza, em torno dos 20%.

10 - Qual a importância dos exames realizados pelo médico no consultório durante a gravidez?

São fundamentais, pois durante as consultas mensais o obstetra mede o tamanho da barriga para verificar o crescimento do útero, a pressão arterial, avalia o peso da gestante, observa a presença de inchaços e escuta o coração do bebê. Também conversa sobre os hábitos e a alimentação da grávida. Essas medidas previnem problemas, como uma hipertensão inesperada, e mostram como o feto está se desenvolvendo, complementando as informações da ultra-sonografia.

11 - Eu preciso justificar no meu trabalho cada vez que for ao médico?

Se você quiser fazer tudo direitinho e se garantir, o ideal é apresentar no emprego o resultado do exame positivo de gravidez, pedir um recibo de entrega e, a cada consulta de pré-natal, solicitar ao médico uma declaração de comparecimento.

12 - Como, quando e em que casos deve ser feita a amniocentese?

A amniocentese é realizada por volta da 16a semana de gestação. O médico localiza a posição do bebê com o ultra-som, a mãe pode receber anestesia local e é inserida uma agulha entre as paredes abdominal e uterina para colher uma amostra do líquido amniótico. Essa amostra indicará se há alguma doença genética, a maturidade dos pulmões, a idade e o sexo do bebê. Por ser um exame invasivo, apresenta risco de aborto de 0,5% a 1%. É o médico quem avalia a necessidade de realizá-lo, levando em conta a idade da grávida, seus antecedentes familiares e até mesmo o estilo de vida.

13 - Que problemas a pressão baixa pode causar na gravidez?

Mal-estar, moleza, sudorese fria, palidez da pele e ao redor dos lábios, escurecimento da visão e sensação de desmaio. O médico deve sempre ser avisado de qualquer uma dessas alterações. Algumas atitudes previnem o desconforto: beber bastante líquido durante o dia, não ficar muito tempo em jejum, preferir ambientes arejados, usar roupas leves e confortáveis e, ao primeiro sinal de queda da pressão, comer alguma coisa salgada.

14 - Descobri que tenho HPV. E agora?

O Papiloma Vírus Humano (HPV) é transmitido principalmente pelo sexo. Seu tipo mais agressivo causa câncer de colo do útero, provoca dor durante as relações e atinge cada vez mais mulheres. Os hormônios presentes na gestação facilitam a multiplicação do vírus. Assim, pode ocorrer de um vírus que não estava ativo (ele fica até cinco anos adormecido no corpo) se manifestar nesse período, provocando lesões genitais. Na mulher que não está grávida, as lesões são tratadas com cauterização a laser ou produtos químicos, mas esse tipo de tratamento não é indicado durante a gestação. Cerca de 30% das lesões que aparecem na gravidez se curam sozinhas após o nascimento do bebê. Por isso, provavelmente seu médico vai esperar.

15 - Gostaria de saber mais sobre displasia mamária na gravidez.

A displasia mamária caracteriza-se pela presença de múltiplos nódulos benignos nas mamas, que podem ou não causar dor e secreção. As avaliações durante a gravidez devem incluir uma análise das células presentes na secreção e um ultra-som das mamas para verificar se existem cistos ou outros problemas. Em geral, o resultado desses exames é tranqüilizador, indicando que a secreção pode ter relação com cistos mamários ou com a mudança hormonal da gestação.

16 - Às vezes, sinto pontadas na barriga. É normal?

Sim, ocasionalmente, quando você i ou se move. A dor é causada pelo alongamento das ligações que seguram o útero e deve desaparecer tão rápido quanto surgiu. Se persistir, procure um médico.

17 - Às vezes, durmo de lado, mas me sinto melhor com a barriga para cima. Existe restrição para dormir nessa posição? E o que pode me ajudar a relaxar?

Do lado direito do abdome passa a veia cava inferior, que é grossa e traz bastante sangue de volta ao coração. Para não comprimir essa veia, evitando alterações circulatórias, os obstetras recomendam às gestantes deitar do lado esquerdo. Pelo mesmo motivo, a posição com a barriga para cima não é recomendada. Tente dormir sobre o lado esquerdo, colocando almofadas ou travesseiros para apoiar-se melhor. Um travesseiro alto na cabeça e outro entre as pernas costuma ajudar bastante. Um banho quente antes de ir dormir também auxilia no relaxamento e prepara você para um boa noite de sono.

18 - Continuo com enjôo e só consigo tomar suco de limão. Mas ouvi dizer que a acidez do limão afina o sangue. Isso pode prejudicar o meu bebê?

O limão não faz mal ao bebê. Essa preferência tem a ver com o fato de o organismo produzir menos ácido clorídrico. Essa substância ajuda na digestão dos alimentos e, por isso, algumas gestantes se sentem melhor comendo alimentos ácidos ou azedos.

19 - Tenho me sentido cansada, mas não quero fazer corpo mole no trabalho. Posso prejudicar o bebê assim?

As mulheres grávidas sempre acham que precisam continuar matando um leão por dia no trabalho e, às vezes, acabam se desrespeitando. Você tem o direito de diminuir um pouco o ritmo se isso for fisicamente necessário. Faça uma parada de manhã e outra à tarde. Pequenos intervalos podem repor sua energia.

20 - Engordei dez quilos e estou apenas no sexto mês de gestação. Está tudo bem comigo e com o bebê, mas o que faço agora?

O ganho de peso ideal para os nove meses é por volta de 11 quilos, supondo que você tenha iniciado a gravidez com o peso adequado para sua altura. Como ainda faltam quatro meses para o parto, você deve fazer uma dieta orientada por seu médico, para frear o ganho de peso excessivo. Lembre-se de que engordar muito na gravidez pode causar uma série de problemas, entre os quais alterações de pressão arterial, que podem colocar em risco a sua saúde e a do seu bebê.

21 - Para onde vão todos os quilos que a gente engorda?

Reserva materna de gordura: 3 kg

Aumento de líquidos no corpo: 1 kg a 2 kg

Aumento de sangue: 1 kg a 2 kg

Crescimento das mamas: 0,4 kg a 0,7 kg

Alargamento do útero: 1 kg

Líquido amniótico: 1 kg

Placenta: 0,5 kg

Bebê: 2,5 kg a 3,6 kg

Total: 10,4 kg a 13,8 kg

Os valores variam conforme o peso pré-gestacional, predisposição genética e hábitos alimentares.

22 - É aconselhável tomar mais leite quando está grávida?

Ingerir mais leite não vai garantir um bom aleitamento para o bebê, como muitas pessoas acreditam. O importante, tanto agora quanto durante a amamentação, é manter o corpo hidratado. Tome a quantidade de leite com que você estava acostumada ou tem vontade.

23 - Será que meu bebê vai nascer normal?

Essas preocupações costumam surgir no segundo trimestre da gestação. Os desconfortos iniciais passaram, a barriga cresce e começa a percepção dos movimentos do bebê. Isso pode

assustá-la, porque você não tem controle. Mas lembre-se: a maioria dos bebês nasce perfeita. Um dos motivos que levam as grávidas a imaginar as piores situações é a necessidade de se fortalecerem para a possibilidade de um acontecimento ruim. É um exercício, mas procure fazê-lo a dois: você e seu médico. Assim, ele tem a chance de aliviar seus temores e dúvidas.

24 - Vale a pena fazer curso de gestante?

Se você quiser trocar experiências com outras mulheres, ouvir profissionais experientes e ficar mais segura no dia do parto, pode ser uma boa idéia. Alguns cursos costumam explicar quais são os procedimentos dos hospitais e maternidades, e podem ajudá-la a decidir como se sentir mais confortável quando chegar a hora. Outros ensinam exercícios e posições para aliviar as contrações. Veja qual é a sua necessidade e procure o curso adequado. Seu médico pode orientá-la.

25 - Meu desejo sexual aumentou. Isso é normal?

O aumento da irrigação sanguínea por conta da gravidez atinge a região pélvica, tornando-a mais sensível. Existe também uma cumplicidade maior entre o casal, já que o filho representa um projeto e um sonho compartilhados. Tudo isso ajuda, além do relaxamento completo, uma vez que ambos podem esquecer os métodos contraceptivos de um lado e, de outro, a ansiedade de engravidar.

26 - Pode acontecer de o pênis atingir o bebê durante a relação sexual?

O pênis nunca atinge o bebê, que está superprotegido no útero. A maioria das gestantes continua a atividade sexual, talvez com padrão diferente do que existia antes da gravidez. O mais comum é a freqüência diminuir no primeiro e no último trimestres. A causa mais comum é a perda do desejo sexual, mas o estado emocional e físico da gestante e do seu parceiro podem contribuir. Mulheres com história de abortos anteriores ou problemas na gravidez, como perda de sangue ou cólicas fortes, devem consultar o médico sobre sua nova rotina sexual.

27 - Sinto minha barriga muito pesada. Como posso contornar o problema?

A sensação de peso e desconforto é normal. Tenha paciência, principalmente nas últimas semanas. O bebê vai crescendo e o útero, aumentado, acaba fazendo pressão em outros órgãos. Depois que ele se encaixa, algumas mulheres também sentem um peso ou pressão bem embaixo da barriga, quase no púbis. O melhor a fazer é diminuir o ritmo. Tente descansar o máximo que puder. Você também pode utilizar uma faixa, sob a barriga, para ajudar a acomodar o peso. Se não resolver, consulte o seu obstetra.

28 - Para que serve o líquido amniótico?

Ele impede que as paredes do útero apertem o bebê, fornecendo espaço para que ele cresça e se movimente. Também é um isolante contra frio e calor e, mais importante: age como amortecedor em caso de colisões. Funciona como a água para o peixinho.

29 - Tenho coceiras intermináveis na barriga. É comum?

O prurido na gravidez é raro e, geralmente, pouco intenso. Um dos motivos que podem

causar a coceira são as próprias modificações hormonais do organismo, além do estiramento

da pele da barriga.

30 - Como alivio a dor nas costas?

A grávida desloca o eixo do equilíbrio corporal para a frente, por causa da barriga, e, para compensar, joga as costas para trás. Desse jeito, contrai a musculatura das costas e da parte posterior das pernas, causando a dor. Use apenas sapatos de salto baixo ou sandálias rasteiras e fique atenta à postura. Tente, sempre que puder, colocar os pés para cima. Banhos quentes e massagens podem aliviar a dor.

31 - Por que meu bebê não se mexe já há algum tempo?

A quantidade de movimentos que cada bebê faz durante o dia varia muito. Além disso, a percepção da mãe pode mudar conforme sua preocupação. Há casos em que a gestante passa até 12 horas sem notar quaisquer movimentos do feto, quando são discretos. No final da gestação, o bebê se mexe um pouco menos. Mas se você está ansiosa, fale com seu médico para ele avaliar a necessidade de fazer exames.

32 - O que são contrações de Braxton-Hicks?

São contrações irregulares do útero, indolores, que podem ocorrer durante toda a gravidez. Nas contrações, a barriga fica rígida e depois volta ao normal. Nas últimas semanas da gestação, elas ficam mais freqüentes e são chamadas de falso trabalho de parto. Na verdade,

é o útero se preparando para o dia do nascimento.

33 - Quando ocorre a diabete gestacional?

Quando há presença de glicose (açúcar) no sangue de uma grávida não-diabética. Essa é uma condição temporária e, geralmente, deixa de existir com o nascimento do bebê. Quem tem o problema deve seguir dieta específica e, em alguns casos, tomar injeções de insulina para controlar os índices de açúcar.

34 - Sinto que o meu marido ficou distante. Em alguns momentos, ele reage como se tivesse cíume da barriga. O que posso fazer?

 A gravidez mexe com o humor e as emoções de todos. A mulher fica muito mais centrada em si mesma e nas alterações que se passam com ela, às vezes o homem pode se sentir um tanto abandonado. O melhor é conversar, dizer o que está sentindo e procurar ouvir o que ele diz. Tente mostrar ao seu marido que a gravidez é algo do casal e que o bebê não está tomando o lugar dele. Vocês vão ter de fazer vários ajustes, afinal, começam a ser três, e não mais dois. Importante: na maior parte das vezes, o distanciamento dele não está relacionado às suas novas formas. Ao contrário, os homens costumam admirar o corpo da mulher grávida. As razões, normalmente, estão mesmo associadas a fatores psicológicos. Mais uma informação: há estudos indicando que as mulheres que mantêm relações sexuais até o final da gestação têm maiores chances de ter um parto normal.

35 - O que devo fazer se achar que chegou a hora do parto e não encontrar meu médico?

O principal é não ficar desesperada. Ligue algumas vezes para o médico. Se ele não atender e não tiver deixado ninguém para substituí-lo, vá para a maternidade. Lá, você receberá assistência e as enfermeiras se encarregarão de encontrar o médico. Se for necessário, a equipe de plantão também pode fazer seu parto sem problemas. Lembre-se de que o trabalho de parto em geral demora, não é preciso se afobar, correndo como nos filmes.

36 - O que é pré-eclâmpsia e quais os seus riscos?

É um pico de hipertensão durante a gravidez. Geralmente ocorre perto do final da gestação, sendo considerado grave. Alguns dos sintomas são: ganho grande e rápido de peso, inchaço no rosto, nas mãos e nos pés, tonturas ou confusão mental, dores de cabeça fortes, náusea e vômitos, visão embaçada. Embora não se saiba exatamente a causa do problema, quanto antes for feito o diagnóstico, melhor funcionará o tratamento. Se a pressão alta não for controlada, o problema pode se agravar e o parto pode ser antecipado, com riscos para a mãe e o bebê.

37 - Como escolher a maternidade?

A maternidade deve oferecer, basicamente, uma boa equipe médica, UTI de adulto e neonatal, com aparelhos adaptados para o recém-nascido. O ideal é visitar as maternidades e observar os tópicos que os médicos consideram importantes:

• O lugar é limpo e confortável?

• Você pode levar um acompanhante? (Essa é uma recomendação formal da Organização Mundial de Saúde.)

• O centro obstétrico é completo?

• Há banco de sangue ou pelo menos um estoque para casos de emergência?

• O berçário é bom? Está aparelhado para dar conta de um bebê prematuro?

• A maternidade fica dentro de um hospital? Isso é bom, desde que os ambientes sejam separados e o local apresente baixo índice de infecção hospitalar (o índíce aceitável é de 2%). • Seu plano de saúde cobre os custos da maternidade? O ideal é que o médico também seja credenciado do seu plano.

38 - O que é melhor: berçário ou alojamento conjunto?

Depende. Se você espera receber muita gente, talvez seja melhor a opção do berçário, para não estressar o bebê. Caso você prefira ir se familiarizando com o seu filho e com os cuidados que ele deve receber, opte pelo alojamento conjunto. Desse modo, você vai chegar em casa mais treinada. Você sempre pode optar pelo alojamento conjunto e, se em algum momento se sentir cansada, houver muita visita ou agitação no quarto, pedir que levem o bebê para o berçário por algumas horas, até o ambiente ficar mais calmo.

39 - O que pode causar um parto prematuro?

São várias as causas. A probabilidade será maior se você espera gêmeos, se teve um parto prematuro ou se já tem algum problema no útero. Avise o médico se sentir aumento das contrações, mais de quatro por hora enquanto estiver descansando, cólicas, como as menstruais, intermitentes ou continuadas, sensação de pressão na pélvis, nas coxas e nas costas, corrimento vaginal, diarréia ou cólicas intestinais.

40 - Tenho de escolher um pediatra para o meu filho? Ele deve participar do parto?

Você pode pedir indicações ao seu médico de confiança, ao obstetra ou a amigos que tenham filhos. É bom ter pelo menos uma listinha com nomes e telefones. Se quiser, visite alguns deles e bata um papo antes mesmo de o bebê nascer. Isso não é obrigatório, mas pode ajudar a formar um vínculo de confiança entre vocês. No dia do parto, deve haver sempre um pediatra acompanhando. Você tanto pode pedir que seja o que você escolheu (verifique quanto ele cobra e se o plano de saúde dá cobertura) ou optar pelo que estiver de plantão na maternidade.

41 - O bebê já tem de sair da maternidade na cadeirinha do carro?

Sim. Se você ainda não escolheu um bebê-conforto ou uma cadeirinha, essa é a hora. Você deve levá-la para a maternidade para trazer o bebê de volta para casa com segurança. A cadeirinha deve ser colocada virada para trás, na direção contrária ao movimento do carro, sempre no banco traseiro.

42 - Como fica o valor do meu salário durante a licença-maternidade?

A licença é de 120 dias a partir do oitavo mês de gestação, com salário integral, até o valor de R$ 12.720, pagos pela Previdência Social. Para quem não tem renda fixa, o valor pago corresponde à média dos seis meses anteriores ao parto. Se a gestante tiver dois ou três empregos, receberá dois ou três salários, correspondentes à renda anterior. A lei concede prorrogação de 14 dias na licença se houver motivos de saúde que requisitem tal afastamento.

43 - Os lanches entre as refeições são importantes?

Sim, mas os alimentos devem ser nutritivos. Fuja de salgadinhos e calorias vazias, como as dos refrigerantes. Sucos, vitaminas e iogurtes batidos com fruta são boas opções. Na hora de comer um sanduíche, escolha pão integral, queijo e salada em vez de embutidos. Pedaços de cenoura, salsão, pequenos tomates ou frutas secas também ajudam. Lembre-se de que, durante os nove meses, você pode comer 300 calorias a mais por dia.

44 - De quantos dias é a licença-paternidade?

O pai tem direito a cinco dias corridos de licença, a partir do momento do nascimento do filho.

45 - Estou preocupada com o parto. O que faço?

No final da gravidez, o cansaço a faz desejar que o bebê nasça logo, mas a proximidade do

parto traz o medo do desconhecido. Falar com o médico garante tranqüilidade. Não tenha vergonha de perguntar. Você precisa estar preparada.

46 - O que eu devo levar para a maternidade?

Bebê

• 6 bodies

• 6 calças (culotes)

• 6 macacões

• 1 casaquinho (se for inverno, leve 2 ou 3)

• 2 mantas

• Fraldinhas de boca

• Meias ou sapatinhos, se os macacões não tiverem pés

• Enfeite para a porta do quarto

• Lembrancinhas

• Cadeirinha para o carro

Mãe

• 3 pijamas ou camisolas, de preferência com abertura na frente (ou as chamadas roupas de

ficar em casa, conjuntos molinhos de calça e blusa que hoje começam a substituir os pijamas na preferência das grávidas)

• 1 robe

• 2 sutiãs de amamentação

• 6 calcinhas grandes

• 1 par de chinelos

• Objetos de higiene pessoal (desodorante, xampu, escova de dentes etc.)

• Absorventes (caso a maternidade não forneça)

• Uma muda de roupa para voltar para casa

• Os documentos exigidos pela maternidade e pelo convênio médico

• Os telefones de quem você quer avisar

veja também